Terça, 16 De Agosto De 2022
**PUBLICIDADE


New Development Bank


Avatar

Publicado em 28 de agosto de 2021
Por Jornal Do Dia


 

Irei apresentar algumas informações sobre 
um novo organismo multilateral que irá con
tribuir fortemente para a melhoria do desenvolvimento urbano de Aracaju via a sua atuação, trata-se do novo Banco dos BRICS, o New Development Bank.
Sobre o assunto cabe registrar o que já foi divulgado sobre o tema no site da Prefeitura Municipal de Aracaju neste mês de agosto que informou que o prefeito Edvaldo Nogueira anunciou, no dia 10/08/2021, um programa que representa o maior pacote de investimentos da história do município: o "Aracaju Cidade do Futuro". Com recursos na ordem de 105 milhões de dólares, fruto de um financiamento com o Novo Banco do Desenvolvimento (NBD) que em inglês é New Development Bank (NDB), o projeto conforme divulgado, resultará na execução de mais de 20 obras de saneamento básico, drenagem, pavimentação e recuperação de vias, avançando na urbanização e transformando por completo a face da capital sergipana.
Conforme divulgado pela Prefeitura Municipal de Aracaju, entre as principais obras para as quais serão destinados os recursos do financiamento estão a dragagem do rio Poxim, a infraestrutura do canal do Médici, a infraestrutura do canal da Zona de Expansão, a ampliação do canal da avenida Anízio Azevedo e a recuperação de mais três importantes corredores de trânsito da capital: as avenidas Tancredo Neves, Visconde de Maracaju e Maranhão. Também serão incluídas a urbanização dos bairros, Areia Branca (1ª e 2ª etapa), Mosqueiro (1ª etapa) e dos loteamentos Costa Verde I e II, Recanto da Jaqueira, Porto do Gringo, Copacabana, entre outros.
Para destacar a relevância do município de Aracaju conseguir contrair um financiamento com referida instituição internacional, abordarei alguns aspectos informativos e históricos sobre o NDB.
A história deste Banco Internacional de Fomento iniciou na quarta Cúpula do BRICS em Nova Delhi (2012), nela, os líderes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul consideraram a possibilidade de criar um novo Banco de Desenvolvimento para mobilizar recursos para projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável nos BRICS e outras economias emergentes, bem como em países em desenvolvimento. Eles instruíram os Ministros das Finanças a examinar a viabilidade e a viabilidade desta iniciativa, a estabelecer um grupo de trabalho conjunto para estudos mais aprofundados e a apresentar um relatório na próxima Cúpula em 2013.
Após o relatório dos Ministros das Finanças na quinta cúpula do BRICS em Durban (2013), os líderes concordaram sobre a viabilidade de estabelecer o Novo Banco de Desenvolvimento e tomaram a decisão de fazê-lo. Também foi acordado que a contribuição inicial para o Banco deveria ser substancial e suficiente para ser eficaz no financiamento da infraestrutura.
Durante a sexta Cúpula do BRICS em Fortaleza (2014), os líderes assinaram o Acordo que cria o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB). Na Declaração de Fortaleza, os líderes destacaram que o NDB fortalecerá a cooperação entre os BRICS e complementará os esforços das instituições financeiras multilaterais e regionais para o desenvolvimento global, contribuindo assim para os compromissos coletivos para alcançar a meta de crescimento forte, sustentável e equilibrado.
Assim temos que o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) é um banco multilateral de desenvolvimento (MDB) estabelecido por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS) com o objetivo de financiar projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável nos BRICS e em outras economias emergentes e países em desenvolvimento. O trabalho do NDB complementa os esforços das instituições financeiras multilaterais e regionais em direção ao crescimento e desenvolvimento global.
Para cumprir seu objetivo, o Banco apóia projetos públicos ou privados por meio de empréstimos, garantias, participações acionárias e outros instrumentos financeiros. O Banco presta assistência técnica a projetos e promove intercâmbios de informações, culturais e de pessoal com o objetivo de contribuir para o alcance da sustentabilidade ambiental e social.
As atividades do Novo Banco de Desenvolvimento como instituição internacional para a promoção do desenvolvimento sustentável são consistentes com os propósitos e princípios das Nações Unidas no campo socioeconômico. Em 2018, o Novo Banco de Desenvolvimento recebeu o status de observador na Assembleia Geral da ONU, estabelecendo uma base sólida para uma cooperação ativa e frutífera com as Nações Unidas.
Dos projetos já aprovados pelo New Development Bank destacaria os seguintes: para o município de Sorocaba-SP, um projeto de infraestrutura urbana no valor de US$ 40 milhões; um projeto na China de demonstração de estradas verdes de Anhui envolvendo o setor de transportes no valor de 340 milhões de euros; um projeto de transportes na África do Sul no valor de 1 bilhão de dólares; além de diversos outros projetos importantes. Dessa forma, percebe-se que o município de Aracaju entra na vanguarda competitiva ao conseguir a captação de referidos recursos e que trará externalidades positivas para a população local.

Irei apresentar algumas informações sobre  um novo organismo multilateral que irá con tribuir fortemente para a melhoria do desenvolvimento urbano de Aracaju via a sua atuação, trata-se do novo Banco dos BRICS, o New Development Bank.
Sobre o assunto cabe registrar o que já foi divulgado sobre o tema no site da Prefeitura Municipal de Aracaju neste mês de agosto que informou que o prefeito Edvaldo Nogueira anunciou, no dia 10/08/2021, um programa que representa o maior pacote de investimentos da história do município: o "Aracaju Cidade do Futuro". Com recursos na ordem de 105 milhões de dólares, fruto de um financiamento com o Novo Banco do Desenvolvimento (NBD) que em inglês é New Development Bank (NDB), o projeto conforme divulgado, resultará na execução de mais de 20 obras de saneamento básico, drenagem, pavimentação e recuperação de vias, avançando na urbanização e transformando por completo a face da capital sergipana.
Conforme divulgado pela Prefeitura Municipal de Aracaju, entre as principais obras para as quais serão destinados os recursos do financiamento estão a dragagem do rio Poxim, a infraestrutura do canal do Médici, a infraestrutura do canal da Zona de Expansão, a ampliação do canal da avenida Anízio Azevedo e a recuperação de mais três importantes corredores de trânsito da capital: as avenidas Tancredo Neves, Visconde de Maracaju e Maranhão. Também serão incluídas a urbanização dos bairros, Areia Branca (1ª e 2ª etapa), Mosqueiro (1ª etapa) e dos loteamentos Costa Verde I e II, Recanto da Jaqueira, Porto do Gringo, Copacabana, entre outros.
Para destacar a relevância do município de Aracaju conseguir contrair um financiamento com referida instituição internacional, abordarei alguns aspectos informativos e históricos sobre o NDB.
A história deste Banco Internacional de Fomento iniciou na quarta Cúpula do BRICS em Nova Delhi (2012), nela, os líderes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul consideraram a possibilidade de criar um novo Banco de Desenvolvimento para mobilizar recursos para projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável nos BRICS e outras economias emergentes, bem como em países em desenvolvimento. Eles instruíram os Ministros das Finanças a examinar a viabilidade e a viabilidade desta iniciativa, a estabelecer um grupo de trabalho conjunto para estudos mais aprofundados e a apresentar um relatório na próxima Cúpula em 2013.
Após o relatório dos Ministros das Finanças na quinta cúpula do BRICS em Durban (2013), os líderes concordaram sobre a viabilidade de estabelecer o Novo Banco de Desenvolvimento e tomaram a decisão de fazê-lo. Também foi acordado que a contribuição inicial para o Banco deveria ser substancial e suficiente para ser eficaz no financiamento da infraestrutura.
Durante a sexta Cúpula do BRICS em Fortaleza (2014), os líderes assinaram o Acordo que cria o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB). Na Declaração de Fortaleza, os líderes destacaram que o NDB fortalecerá a cooperação entre os BRICS e complementará os esforços das instituições financeiras multilaterais e regionais para o desenvolvimento global, contribuindo assim para os compromissos coletivos para alcançar a meta de crescimento forte, sustentável e equilibrado.
Assim temos que o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) é um banco multilateral de desenvolvimento (MDB) estabelecido por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS) com o objetivo de financiar projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável nos BRICS e em outras economias emergentes e países em desenvolvimento. O trabalho do NDB complementa os esforços das instituições financeiras multilaterais e regionais em direção ao crescimento e desenvolvimento global.
Para cumprir seu objetivo, o Banco apóia projetos públicos ou privados por meio de empréstimos, garantias, participações acionárias e outros instrumentos financeiros. O Banco presta assistência técnica a projetos e promove intercâmbios de informações, culturais e de pessoal com o objetivo de contribuir para o alcance da sustentabilidade ambiental e social.
As atividades do Novo Banco de Desenvolvimento como instituição internacional para a promoção do desenvolvimento sustentável são consistentes com os propósitos e princípios das Nações Unidas no campo socioeconômico. Em 2018, o Novo Banco de Desenvolvimento recebeu o status de observador na Assembleia Geral da ONU, estabelecendo uma base sólida para uma cooperação ativa e frutífera com as Nações Unidas.
Dos projetos já aprovados pelo New Development Bank destacaria os seguintes: para o município de Sorocaba-SP, um projeto de infraestrutura urbana no valor de US$ 40 milhões; um projeto na China de demonstração de estradas verdes de Anhui envolvendo o setor de transportes no valor de 340 milhões de euros; um projeto de transportes na África do Sul no valor de 1 bilhão de dólares; além de diversos outros projetos importantes. Dessa forma, percebe-se que o município de Aracaju entra na vanguarda competitiva ao conseguir a captação de referidos recursos e que trará externalidades positivas para a população local.

 

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE