**PUBLICIDADE
Publicidade

Sesc apresenta (RE)PLAY, performance do premiado Rodrigo Portella


Avatar

Publicado em 03 de janeiro de 2022
Por Jornal Do Dia


Estimulado pelas experiências alternativas durante a pandemia, Rodrigo Portella, um dos diretores de teatro mais premiados dos últimos anos no Brasil, estreia neste fim de ano a autoficção (RE)Play, uma performance audiovisual inédita em 4 atos.

A obra, filmada em diversas cidades da Europa, apresenta o diretor como protagonista, com participação dos atores Armando Babaioff, Julio Adrião, Raul Gazolla entre outros. O trabalho de criação foi feito em parceria com a atriz Milla Fernandez que assina também a montagem e a direção de fotografia. A trilha sonora original é do italiano Federico Puppi. O trabalho conta ainda com a interlocução artística da diretora e performer Mariah Miguel, assistente de Rodrigo em As Crianças. A estreia aconteceu em dezembro, dentro do projeto Temporadas Sesc de Artes Cênicas.

“Meu interesse em investir na (con)fusão entre cinema, teatro e performance não é mais pela impossibilidade causada pelo distanciamento social, mas pelo entusiasmo em diluir cada vez mais as fronteiras entre as artes. E quem sabe alcançar mais pessoas, uma vez que o teatro do nosso tempo tem fracassado há muito tempo nesse sentido. Eu penso na tecnologia como aliada, e não como inimiga”, declara o diretor Rodrigo Portella.

(RE)Play é uma autoficção sobre a trajetória pessoal do diretor e, por consequência, sobre a identidade de um artista de teatro brasileiro que nas últimas três décadas atuou dentro e fora dos grandes centros.

Inteiramente gravada com smartphones e tendo como cenário principalmente a cidade de Barcelona, onde Portella mora atualmente, (RE)Play traz à tona as reflexões de um homem que teve sua identidade indissociada dos palcos desde a infância. Hoje, com 44 anos, o protagonista da própria peça constrói uma retrospectiva de cenas da sua vida/obra em busca de compreender se “o teatro é realmente necessário”, de que forma e para quem, estabelecendo uma relação entre o livro do autor francês Denis Guénoun e sua própria experiência como artista no Brasil. A começar pela pergunta: O que não é teatro?

Outra pergunta que paira nessa obra é “o que é um homem de verdade?” Em (RE)Play, Portella também se organiza como homem em constante trânsito, elaboração e vulnerabilidade.

Ao longo da narrativa, contada ainda pela perspectiva de 13 atores e não-atores, torna-se impossível discernir o real e o ficcional, o elaborado e o vivido, o personagem e o indivíduo, visto que tudo é uma construção. O espectador é provocado a reconsiderar não apenas a sua relação com teatro, mas com a própria identidade.

“Sair do meu país nesse momento me faz enxergar melhor o Brasil e o brasileiro que eu sou. Fazer um replay (ou um jogar de novo) do que eu vivi, agora, daqui, põe uma luz sobre a glória e a desgraça de ser quem eu sou, de ter escolhido ser artista e de ter nascido homem, branco, cis no Brasil estilhaçado dessa virada de milênio”, conclui Portella.

(RE)Play estará disponível de 7 a 16 de janeiro de 2022, sextas, sábados e domingos, às 20h na plataforma do Youtube do Sesc Rio de Janeiro, dentro do projeto Temporadas Sesc de Artes Cênicas.

**PUBLICIDADE
Publicidade


Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE
Publicidade


**PUBLICIDADE
Publicidade