Quarta, 29 De Junho De 2022
**PUBLICIDADE


Lula dará força muito grande à candidatura de Rogério e ao PT


Avatar

Publicado em 17 de junho de 2022
Por Jornal Do Dia Se


A vinda de Lula acaba de uma vez por todas com as especulações sobre a possibilidade de a candidatura de Rogério vir a ser retirada mais à frente para favorecer o candidato governista, deputado Fábio Mitidieri (PSD), caso venha a prevalecer um entendimento nacional para o PSD apoiasse a candidatura de Lula já no primeiro turno.

A pré-candidatura do senador Rogério Carvalho (PT) ao governo do estado deverá dar um grande impulso, a partir deste sábado (18), quando o ex-presidente Lula participa do ato de lançamento da chapa, no Centro de Convenções, que tem também a participação do PSB, PCdoB, PV e Solidariedade. Lula lidera a disputa presidencial contra o presidente Bolsonaro (PL), e tem uma grande dianteira em todos os estados do Nordeste, inclusive em Sergipe.
A vinda de Lula acaba de uma vez por todas com as especulações sobre a possibilidade de a candidatura de Rogério vir a ser retirada mais à frente para favorecer o candidato governista, deputado Fábio Mitidieri (PSD), caso venha a prevalecer um entendimento nacional para o PSD apoiasse a candidatura de Lula já no primeiro turno.
A candidatura de Rogério vem sendo construída desde 2018 quando ele venceu a eleição para o Senado, e foi muito fortalecida a partir das eleições municipais de 2020, quando apoiou candidatos em todos os municípios sergipanos, criando uma espécie de frente ampla. Mas nem por isso a candidatura deixou de ser atacada, inclusive por quadros importantes do partido no estado.
A vice-governadora Eliane Aquino e o deputado federal Márcio Macêdo, vice-presidente nacional do PT e cotado para ser o tesoureiro da campanha de Lula, defendiam a manutenção da aliança com o governador Belivaldo Chagas e apoio a Mitidieri, com o falso argumento de favorecer a candidatura presidencial. Eliane gostaria de ser a candidata ao Senado no bloco. A vice chegou a marcar um encontro de Belivaldo com Lula, em São Paulo, tentando implodir a candidatura.
Somente depois de Rogério ter obtido praticamente a unidade de todo o diretório estadual e neutralizado qualquer reação contrária da direção nacional, é que os dois passaram a acompanhar Rogério nos atos da pré-campanha. Eliane será candidata a deputada federal e Márcio a suplente e senador de Valadares Filho (PSB), que integra a coligação.
As rusgas do PT de Rogério e do deputado federal João Daniel com o governo Belivaldo vêm desde 2021, quando o governador começou a afastar abruptamente os aliados dos dois da administração estadual. Apenas a vice-governadora mantém os mesmos espaços do início do governo, e é uma interlocutora permanente de Belivaldo, independente da posição do PT.
A participação de Lula no lançamento oficial da pré-candidatura vai confirmar que Rogério é disparado o candidato a governador mais favorecido com a polarização da disputa presidencial. Bolsonaro praticamente não tem palanque em Sergipe e, até agora, apenas João Fontes (PTB) admitiu que vota na reeleição do presidente, mas o partido não possui qualquer estrutura no estado.
O ex-prefeito de Itabaiana, Valmir de Francisquinho (PL), que tenta escapar do processo de cassação no TSE, é do partido de Bolsonaro, mas não pensa em se envolver na disputa presidencial caso consiga viabilizar a sua candidatura a governador. A não ser que seja enquadrado pela direção nacional do PL, que prioriza a disputa presidencial.
Ao contrário de Rogério, o deputado Fábio Mitidieri deverá ter em sua coligação partidos vinculados diretamente ao presidente, como o PP do deputado Laércio Oliveira, e o Republicanos do deputado Gustinho Ribeiro e do ex-pastor Heleno Silva, mas diz que não pretende permitir que se fale em Bolsonaro na sua campanha. Declarou voto em Lula, mesmo o PT estando empolgado com a candidatura de Rogério.
Em Sergipe, a campanha petista não dará palanque e nem aceitará coligação com qualquer partido vinculado ao governo Bolsonaro.
Nas eleições de 2018, com Lula preso, Fernando Haddad – um nome desconhecido da maioria do eleitorado – ganhou em todos os municípios sergipanos. No primeiro turno obteve 50,09% (571.234 votos) contra 27,21% (310.310 votos) de Jair Bolsonaro. No segundo turno a votação de Haddad pulou para 67,54% (759.061 votos) contra 32,46% (364.860) de Bolsonaro.
Até as convenções partidárias que homologam as candidaturas, entre 20 de julho e cinco de agosto, as campanhas seguem com várias restrições. Mas os nomes já estão postos e qualquer mudança será meramente pontual.

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE