Quarta, 17 De Agosto De 2022
**PUBLICIDADE
Publicidade

Protesto fecha BR-101 e gera reação de entidades


Avatar

Publicado em 27 de maio de 2022
Por Jornal Do Dia Se


Entidades sindicais, centrais representando classes trabalhadoras, órgãos e entidades de defesa dos direitos humanos emitiram nota de repúdio contra a abordagem e consecutivos desdobramentos realizados pela equipe policial.

Entidades sindicais, centrais representando classes trabalhadoras, órgãos e entidades de defesa dos direitos humanos emitiram nota de repúdio contra a abordagem e consecutivos desdobramentos realizados pela equipe policial. Em pronunciamento oficial, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB – Seccional Sergipe), Danniel Alves Costa, enalteceu que, em meio aos pedidos de apuração justa para com os três policiais rodoviários, é de fundamental importância ofertar amparo social e psicológico para os familiares de Genivaldo de Jesus Santos. O representante da entidade em Sergipe destacou ainda que desde a tarde da última quarta-feira a direção executiva da sigla optou por provocar a Comissão de Direitos Humanos. A proposta é acompanhar os estudos que envolvem o caso.
“Neste momento a Ordem dos Advogados do Brasil, a família, e toda a sociedade, exige uma resposta rápida das apurações; caso fique realmente demonstrada a culpa desses policiais envolvidos, a gente exige um afastamento e que eles sejam penalizados. Definitivamente não é esse tipo de abordagem que a gente espera da Polícia Rodoviária Federal. Reitero que já coloquei a Comissão de Direitos Humanos para acompanhar esse caso; vamos mandar um documento oficial para a Corregedoria de Polícia [PRF] e vamos seguir vigilantes”, declarou. Pela corporação federal não foi anunciado o possível prazo para apresentar o resultado do inquérito. Coordenadores da manifestação alegam que cerca de 300 pessoas participaram do protesto.

Enterro – “Foram mais de 300 pessoas, mas que tenho certeza que representavam milhões de brasileiros que ainda estão impactados com essa conduta absurda, totalmente fora daquilo que os cidadãos desejam se deparar com uma instituição como é a Polícia Rodoviária Federal. O que eles fizeram foi um erro grotesco, uma condução errada que acabou resultando na morte de uma pessoa do bem. A sede de justiça é geral, e enterrar o corpo de Genivaldo de Jesus foi uma dor que não tenho palavras para descrever”, completou o professor Ronaldo da Silva. Sob comoção, o sepultamento foi realizado no início da tarde de ontem no próprio município de Umbaúba. Genivaldo deixa mulher e um filho de 7 anos.
Amparada por familiares, durante a cerimônia fúnebre Maria Fabiana – viúva -, conversou de forma breve com os jornalistas e revelou que o marido tinha por costume diário apresentar um perfil de humor moderado, descontraído com amigos e familiares, amoroso com o filho, bem como uma pessoa de perfil social exemplar. Ainda de acordo com Fabiana, de fato o marido enfrentava distúrbios mentais, mas ao longo dos últimos meses periodicamente buscava por atendimentos especializados e todos os dias tomava remédio controlado, exclusivo para o respectivo tratamento. Sobre a perspectiva que possui pela frente, sob lágrimas, ela respondeu antes de encerrar a entrevista:
“Nosso filho sente a dor da perda do pai; ele já tem idade suficiente para entender um pouco de tudo isso que estamos passando. Imagina vocês, agora em junho não poderemos brincar o São João como estávamos ansiosos; em agosto terá Dia dos Pais. Não basta a Polícia Rodoviária, ou seja lá quem for do governo Federal, emitir nota de desculpas; é preciso punição. Isso o que aconteceu com o meu marido não foi um vacilo; é muito fácil falar que foi erro. O que aconteceu foi tortura, crime, covardia contra um ser humano”, protestou. Paralelo ao trabalho de análise técnica – dita já iniciada pela PRF -, na tarde de ontem a Superintendência da Polícia Federal em Sergipe informou que instaurou inquérito.

**PUBLICIDADE
Publicidade


Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE
Publicidade


**PUBLICIDADE
Publicidade