Terça, 16 De Agosto De 2022
**PUBLICIDADE
Publicidade

Saúde lança plano contra varíola dos macacos


Avatar

Publicado em 05 de agosto de 2022
Por Jornal Do Dia Se


“Qualquer tipo de informação de caso positivo que tenha vindo da Fiocruz, o próprio município de Aracaju e a Secretaria de Estado da Saúde fará a confirmação para toda a sociedade.” Destacou.

O Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde de Sergipe, órgão da Secretaria de Estado da Saúde, reuniu virtualmente os 75 municípios na tarde desta quinta-feira (4), para apresentar as atualizações do plano estadual de contingência para o enfrentamento à Monkeypox (varíola dos macacos). O documento foi elaborado com o objetivo de apoiar e orientar os profissionais e componentes da rede estadual de saúde sobre as medidas de vigilância, proteção e controle em situações de emergência em saúde pública.
O diretor de Vigilância em Saúde, Marco Aurélio Góes, informou que desde que surgiram os primeiros casos e passaram a ser uma preocupação internacional, que a Secretaria de Estado da saúde vem trabalhando com as comunicações de risco, que são a análise do cenário internacional e a divulgação disso na sua própria rede.
“Como os casos que existiam anteriormente eram todos vinculados a uma transmissão internacional, nós não tínhamos ações locais. Agora que há uma transmissão intensa no país, principalmente em São Paulo e Rio de Janeiro, surgiu a necessidade de que toda a rede esteja preparada para reconhecer casos suspeitos, fazer a notificação e a coleta de material”, explicou Marco Aurélio.
Enfatizou que desde o início a Secretaria de Estado da Saúde vem mantendo uma comunicação constante com os municípios para o repasse de diretrizes e salientou que agora que foi ampliado o conceito da Monkeypox, que a definição de casos ficou mais sensível, é essencial que todos os municípios estejam em alerta para esse fato e organizem o seu fluxo, estabelecendo como vai lidar com a situação.
Marco Aurélio ressaltou que o plano estadual de contingência abrange todo o território sergipano e vai mudando de acordo com cada momento epidemiológico. Informou que até o momento ocorreram quatro casos suspeitos, sendo que dois foram descartados e dois do município de Aracaju estão em investigação.
“Sabemos que nesse momento em que há uma transmissão no território nacional existe a tendência de aumento de casos e de notificações, principalmente porque outras doenças de pele também podem parecer muito com o Monkeypox, a exemplo da catapora, herpes hostes, herpes simples, a sífilis e uma vez que a gente começa a falar disso as pessoas vão suspeitar mais e assim vão se ampliar as notificações”, considerou.
O diretor de Vigilância em Saúde destacou a Secretaria de Estado da Saúde é responsável pela distribuição dos kits e os municípios de fazerem a coleta de amostras. Estas, segundo ele, são enviadas para o laboratório de referência que é o da FioCruz, no Rio de Janeiro. Informou que a Secretaria de Saúde trabalha para que o Ministério da Saúde descentralize o exame e o Laboratório Central de Saúde Pública de Sergipe possa realizar os testes, uma vez que tem estrutura para executá-los.
No plano estadual de contingência a Secretaria de Estado da Saúde orienta sobre transmissão e sintomas, definição de casos suspeitos, prováveis, confirmados e descartados, notificações, investigação, identificação e rastreamento de contatos, bem como sobre o manejo clínico do paciente, prevenção e controle de infecções.

**PUBLICIDADE
Publicidade


Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE
Publicidade


**PUBLICIDADE
Publicidade