Sexta, 21 De Janeiro De 2022
**PUBLICIDADE
Publicidade

75 anos de UNICEF


Avatar

Publicado em 31 de dezembro de 2021
Por Jornal Do Dia Se


Em um artigo recente abordei os 75 anos da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), que é uma importante entidade internacional que busca construir a paz por meio da cooperação internacional em educação, ciências e cultura. Neste artigo irei abordar os mesmos 75 anos de uma outra entidade internacional de relevante importância para a humanidade, trata-se do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), que foi criado em 1946, após a Segunda Guerra Mundial. O mandato da instituição quando da sua criação era ajudar crianças e jovens cujas vidas e futuro estavam em risco – independentemente do papel que seu país desempenhou na guerra.
Por 75 anos, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) tem trabalhado incansavelmente pelos direitos da criança e pelo bem-estar de todas as crianças. Quem quer que sejam. Onde quer que eles vivam.
O UNICEF trabalha em mais de 190 países e territórios para salvar a vida de crianças, defender seus direitos e ajudá-las a realizar seu potencial, desde a infância até a adolescência.
Descreverei adiante alguns princípios de atuação do UNICEF:
Toda criança tem direito de crescer em um ambiente seguro e inclusivo, neste sentido o UNICEF trabalha com parceiros em todo o mundo para promover políticas e expandir o acesso a serviços que protegem todas as crianças.
Toda criança tem o direito de sobreviver e prosperar – neste sentido o UNICEF ajudou ao longo de sua existência a reduzir a mortalidade infantil em todo o mundo, trabalhando para alcançar crianças mais vulneráveis, em todos os lugares.
Toda criança tem o direito de aprender – o UNICEF trabalha em todo o mundo para apoiar a aprendizagem de qualidade para todas as meninas e meninos, especialmente aqueles em maior risco de serem deixados para trás.
Toda criança tem direito a uma chance equitativa na vida – o UNICEF trabalha em todo o mundo para reduzir a pobreza infantil e proteger meninas e meninos de suas consequências ao longo da vida.
É preciso alcançar todas as crianças em emergências – o UNICEF está no terreno antes, durante e depois das emergências, trabalhando para alcançar crianças e famílias com ajuda vital e assistência de longo prazo. O que importa para o UNICEF é alcançar todas as crianças necessitadas, protegendo os direitos das crianças de sobreviver, prosperar e atingir seu máximo potencial.
É importante destacar que ao longo de 75 anos de atuação, o UNICEF tem trabalhado consistentemente para proteger os direitos e o bem-estar de todas as crianças em todos os lugares do mundo.
Vive-se na atualidade com várias crises globais, a exemplo da pandemia do Covid-19, mudanças climáticas, aumento de pobreza e desigualdade e para isso, a atuação do UNICEF tem sido fundamental para recuperar a construção de um mundo melhor para as crianças.
Registre-se que as crises globais trazem como consequência, questões que afetam as crianças, a exemplo de crianças com deficiência, trabalho infantil, subdesenvolvimento da primeira infância e diversos outros problemas que necessitam de soluções urgentes e adequadas. Nesse sentido, o UNICEF tem buscado implementar programas nacionais de maneira eficaz e com atenção às necessidades que surgem para as crianças.
Mais recentemente, a pandemia do COVID-19 levantou preocupações sobre a saúde mental de uma geração de crianças. Mas a pandemia pode representar a ponta de um iceberg de saúde mental – um iceberg que foi ignorado por muito tempo pela sociedade. Para conhecer melhor este ponto, a entidade publicou um relatório denominado de “A Situação Mundial da Infância 2021” que examina a saúde mental de crianças, adolescentes e cuidadores. Ele se concentra nos riscos e fatores de proteção em momentos críticos do curso de vida e investiga os determinantes sociais que moldam a saúde mental e o bem-estar. A recomendação de cuidarmos da boa saúde mental para todas as crianças, de proteger as crianças vulneráveis e cuidá-las é responsabilidade de todos nós. Dessa forma, recomendo a leitura do referido relatório que é encontrado facilmente no site da UNICEF.
Em seus 75 anos de história, a partir de 2022 o UNICEF terá um novo comando, a ser exercido por Catherine M. Russel, que possui experiência na formulação de políticas inovadoras destinadas a capacitar comunidades carentes no mundo. Ela é bacharela em Filosofia e na sua experiência consta: Embaixadora Itinerante para Assuntos Internacionais da Mulher no Departamento de Estado dos Estados Unidos, já foi Assistente Adjunta do Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, Conselheira Sênior para Questões Femininas Internacionais no Comitê de Relações Exteriores do Senado Americano e Procuradora Geral Adjunta do Departamento de Justiça do Senado Americano, possui ampla experiência internacional para bem conduzir o UNICEF.
Que o UNICEF continua a sua jornada de proteger e cuidar das crianças, agindo de forma eficaz, pois as informações são de que mesmo antes da pandemia do Covid-19, cerca de 1 bilhão de crianças em todo o mundo e metade de todas as crianças nos países em desenvolvimento sofriam de privação, sem acesso a educação, saúde, habitação, nutrição, saneamento e água e isto coloca o mundo em um encruzilhada, mas temos a esperança da atuação do UNICEF que com resiliência e coragem consegue superar as dificuldades e obstáculos existentes no combate da melhoria das condições de vida das crianças no mundo. O futuro da humanidade depende de como iremos cuidar das nossas crianças.

**PUBLICIDADE
Publicidade


Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE
Publicidade


**PUBLICIDADE
Publicidade