Segunda, 08 De Agosto De 2022
**PUBLICIDADE
Publicidade

Treinamento abre perspectiva para captação de órgãos no Hospital de Lagarto


Avatar

Publicado em 17 de junho de 2012
Por Jornal Do Dia


O Hospital Regional de Lagarto Monsenhor João Batista de Carvalho Daltro poderá em breve se transformar num ponto de captação de órgãos e tecidos para transplante. O primeiro passo para que isso foi dado esta semana, quando cerca de 20 profissionais, entre médicos e enfermeiros da unidade gerenciada pela Fundação Hospitalar de Saúde, passaram por uma capacitação sobre o uso de eletroencefalograma por meio do recurso da telemedicina.  
O eletroencefalograma é um dos exames complementares utilizados para o diagnóstico de morte encefálica, necessário para o início dos protocolos preconizados pelo Ministério da Saúde visando à captação de órgãos e tecidos para transplantes. "O objetivo do curso foi o de capacitar os profissionais do Hospital de Lagarto na utilização da telemedicina por meio do eletroencefalograma, para principalmente otimizar o diagnóstico de morte encefálica", explica a auxiliar de enfermagem Kátia Bastos, da empresa Telemedicina da Bahia, responsável pela capacitação.
A telemedicina é um recurso tecnológico, no qual o suporte é oferecido via internet, através de contato direto entre o médico ou a unidade solicitante, que tem a sua frente o paciente, e o especialista de plantão, que recebe à distância as informações em tempo real, repassa o diagnóstico preciso. No ano passado, a mesma capacitação foi realizada com profissionais da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital de Urgência de Sergipe, também gerenciado pela FHS.
No Hospital Regional de Lagarto o treinamento foi destinado a médicos e profissionais de enfermagem que atuam na UTI e demais eixos críticos (Áreas Amarela e Vermelha), segundo informou Jardel Martins Vasconcelos, coordenador de Internamento do HRL e um dos participantes da capacitação. "Essa capacitação é significativa, pois demonstra como funciona o eletroencefalograma por meio da telemedicina, principalmente em pacientes com suspeita de morte encefálica, cujo diagnóstico é necessário para abrir os protocolos visando à captação de órgãos para transplantes", reforça.

**PUBLICIDADE
Publicidade


Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE
Publicidade


**PUBLICIDADE
Publicidade