Domingo, 21 De Abril De 2024
       
**PUBLICIDADE
Publicidade

Nada será como antes


Avatar

Publicado em 27 de março de 2024
Por Jornal Do Dia Se


Meninos e gênios.(Divulgação)

Rian Santos
 
O maior de todos é Milton Nascimento. Há quem prefira outros, naturalmente. Importa atentar, no entanto, para a altura inédita então alcançada pela música popular brasileira por obra e graça dos mineiros reunidos no Clube da Esquina. 
Quem concorda comigo tem um compromisso inadiável nesta quinta-feira, 28 de março, quando o Cine Vitória exibe ‘Nada Será Como Antes’. Penso em gente como o guitarrista Fred Andrade e o amigo Daniel Torres (Plástico Lunar). Quem é tarado por música, como nós somos, há de fruir cada segundo da exibição como quem bebe cerveja.
O filme – O Álbum Clube da Esquina é considerado um dos melhores registros musicais de todos os tempos. Milton Nascimento, Lô Borges, então com 16 anos, e músicos do porte de Nivaldo Ornelas, Toninho Horta, Beto Guedes, Robertinho Silva, Flavio Venturini, Wagner Tiso, Marcio Borges, criaram uma sonoridade única, que ajudou a revolucionar a música brasileira e mundial.  
‘Nada Será Como Antes – A música do Clube da Esquina’ recupera e apresenta novas histórias e curiosidades sobre um dos períodos mais conhecidos e celebrados da história da música brasileira, tratando de um disco que até hoje povoa o imaginário coletivo de diversas gerações. As imagens do filme, impregnadas pelas canções, são traduções visuais desse clássico da música mundial.  
Segundo a diretora Ana Rieper, foi necessário se fazer poeta para apreender a atmosfera do álbum em um suporte audiovisual.O maior desafio, ela explica em nota oficial, foi jamais perder de vista o mundo real, as pessoas de carne e osso.
“Construir uma narrativa audiovisual para a música do Clube da Esquina é tocar em uma matéria de sonho. Uma musicalidade complexa, com referências muito diversas, que criou algo inteiramente novo na música brasileira e mundial, abriu, para mim, um universo imenso de possibilidades para este filme”. 
A diretora continua: “Este poderia ser um filme sobre política, sobre amizade, sobre juventude, sobre a vida de músico, sobre poesia, sobre o Brasil. Todos temas transversais de toda essa obra. E todos temas que estão no filme”.  
Ana Rieper conclui: “Mas, desde o início, entendemos que esse deveria ser um filme sobre música. O documentário mergulha no processo de criação artística, as influências, as casualidades algumas vezes pueris que levaram a um resultado mágico, as formas de relação com cada instrumento, as descobertas de caminhos para arranjos e da poética das letras tão inspiradas e originais. Em torno desses elementos o filme se desenvolve, sem abrir mão de contar a história do encontro desse grupo de artistas jovens, idealistas, descontraídos e geniais”. 
 
Cine Vitória exibe Nada Será Como Antes – A música do Clube da Esquina:
Quinta-feira, 28 de março, às 16h20.
**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade