A nova cédula de 200 reais

Saumínio Nascimento

 

Repassarei neste breve ensaio, as informa
ções que foram divulgadas pelo Banco 
Central do Brasil sobre a nova cédula de 200 reais e algumas informações adicionais sobre a questão do uso do dinheiro.
Uma informação importante que o Banco Central do Brasil apontou foi o de que desde o início da pandemia do Covid-19, observou-se um aumento do uso de dinheiro em espécie. Em momentos de incerteza como é o caso de uma pandemia, dinheiro simboliza segurança. Pessoas e empresas fizeram saques para constituir reserva. Algo que eu não imaginava, pois com mais uso de entregas em domicilio e uso do comércio eletrônico eu imagina que as pessoas iriam se inclinar a usar em menor escala o dinheiro em espécie.
O Banco Central do Brasil informou que em 2001 foi realizada pesquisa para escolha de espécimes da fauna para novas denominações inseridas no padrão Real. Os dois animais mais votados foram a tartaruga marinha e mico-leão-dourado e  foram utilizados, respectivamente, nas cédulas de 2 reais e de 20 reais e o terceiro mais votado foi o lobo-guará, por isso que ele será estampado na nova cédula.
Fiz uma avaliação de duas fortes moedas internacionais o dólar e o euro, fins verificar se elas também possuíam cédulas no montante de 200 dólares e 200 euros. Com relação ao dólar dos Estados, as notas (cédulas) são nos seguintes valores: 1, 2, 5, 10, 20, 50 e 100 dólares, vejam que é na mesma forma que tínhamos no Brasil, assim não existe a nota de 200 dólares, quaisquer informações adicionais sobre o assunto pode se consultado o site do Banco Central do Estado Unidos (www.federalreserve.gov). Já com relação ao euro, as diferentes notas são as seguintes: 5, 10, 20, 50, 100, 200 e 500; portanto já existe a nota de 200 euros, quaisquer informações adicionais podem ser consultadas no site do Banco Central Europeu (www.ecb.europa.eu).
O Banco Central do Brasil informou que foi autorizada a confecção de 450 milhões de cédulas de 200 reais, registro que na data da elaboração deste artigo, conforme consultado no site do Banco Central já estavam em circulação 4.774.598 cédulas de 200 reais no montante de R$ 954.919.600,00, então ainda irão circular muitas cédulas de 200 reais e em breve você poderá ver e circular com uma. Registre-se que o Banco Central informou que a nova denominação entrará em circulação de forma gradual, conforme se observe demanda adicional da população por numerário.
Destaco que a cédula em mais circulação no Brasil é a de 50 reais, na data da elaboração deste artigo, estavam circulando no Brasil 2.620.422.950 cédulas de 50 reais em um montante de R$ 131.021.147.500,00.
Ao disponibilizar para a população a cédula de 200 reais, o Banco Central fez uma importante ação preventiva de preparação para um possível incremento de procura por dinheiro, isto porque ficou evidenciado que persistindo os efeitos da pandemia ainda continuará a maior demanda por dinheiro em espécie, e ele será uma importante base das transações em nosso país.
Imagina-se quando surge uma nova cédula e de maior valor, a questão do troco será um problema, como no início ocorreu com a cédula de 100 reais. Mas conforme informado pelo Banco Central, existe um monitoramento diário das necessidades de troco com a ajuda de toda a rede bancária e trabalha-se de forma diligente para atendê-las. E por conta disso, o Banco Central reporta-se que a entrada em circulação de qualquer nova denominação requer que o monitoramento em questão seja naturalmente intensificado.
Outro problema no surgimento de uma cédula é a questão da falsificação, o problema é sério, porém, o trabalho do Banco Central tem sido eficiente, pois segundo seus informes, a quantidade de cédulas falsas retida pelo Banco Central no ano 2019 apresentou redução de 12% em relação ao ano 2018. E pensando neste quesito, a nossa autoridade monetária informa que a nova cédula é segura e contém elementos de segurança capazes de protegê-la das tentativas de falsificação. Porém, o Banco Central alerta que para se proteger do recebimento de tentativas de simulação da cédula, todo cidadão, ao receber uma cédula, deve conferir os itens de segurança, que estão disponibilizados  no site do Banco Central.
Para quem ainda não viu a cédula de 200 reais, saiba que o formato será igual ao da cédula de 20 reais da 2ª família (14,2cm x 6,5cm). Isto ocorre, segundo o Banco Central, porque como a nova cédula possui um formato cédula já existente, sua adaptação aos caixas eletrônicos e demais equipamentos automáticos que aceitam e dispensam cédulas será mais rápida.
O Banco Central também informa que com relação à diferenciação das denominações da Segunda Família do Real por pessoas com deficiência visual, haverá marca tátil própria, que são barras em alto-relevo localizadas no canto inferior direito da frente da nota de 200 reais. Para facilitar a identificação das denominações por pessoas com visão subnormal, serão utilizados os numerais de tamanho grande e as cores predominantes diferenciadas.
A colocação em tempo rápido de uma nova cédula de 200 reais. Assim, merece também os nossos aplausos para a Casa da Moeda do Brasil que alinhada com as transformações tecnológicas e sempre preocupada em incorporar elementos de segurança baseados em soluções digitais, atende mais este nova demanda da sociedade brasileira. Que todos vocês tenham os devidos cuidados quando estiverem manuseando uma cédula de 200 reais.

Repassarei neste breve ensaio, as informa ções que foram divulgadas pelo Banco  Central do Brasil sobre a nova cédula de 200 reais e algumas informações adicionais sobre a questão do uso do dinheiro.
Uma informação importante que o Banco Central do Brasil apontou foi o de que desde o início da pandemia do Covid-19, observou-se um aumento do uso de dinheiro em espécie. Em momentos de incerteza como é o caso de uma pandemia, dinheiro simboliza segurança. Pessoas e empresas fizeram saques para constituir reserva. Algo que eu não imaginava, pois com mais uso de entregas em domicilio e uso do comércio eletrônico eu imagina que as pessoas iriam se inclinar a usar em menor escala o dinheiro em espécie.
O Banco Central do Brasil informou que em 2001 foi realizada pesquisa para escolha de espécimes da fauna para novas denominações inseridas no padrão Real. Os dois animais mais votados foram a tartaruga marinha e mico-leão-dourado e  foram utilizados, respectivamente, nas cédulas de 2 reais e de 20 reais e o terceiro mais votado foi o lobo-guará, por isso que ele será estampado na nova cédula.
Fiz uma avaliação de duas fortes moedas internacionais o dólar e o euro, fins verificar se elas também possuíam cédulas no montante de 200 dólares e 200 euros. Com relação ao dólar dos Estados, as notas (cédulas) são nos seguintes valores: 1, 2, 5, 10, 20, 50 e 100 dólares, vejam que é na mesma forma que tínhamos no Brasil, assim não existe a nota de 200 dólares, quaisquer informações adicionais sobre o assunto pode se consultado o site do Banco Central do Estado Unidos (www.federalreserve.gov). Já com relação ao euro, as diferentes notas são as seguintes: 5, 10, 20, 50, 100, 200 e 500; portanto já existe a nota de 200 euros, quaisquer informações adicionais podem ser consultadas no site do Banco Central Europeu (www.ecb.europa.eu).
O Banco Central do Brasil informou que foi autorizada a confecção de 450 milhões de cédulas de 200 reais, registro que na data da elaboração deste artigo, conforme consultado no site do Banco Central já estavam em circulação 4.774.598 cédulas de 200 reais no montante de R$ 954.919.600,00, então ainda irão circular muitas cédulas de 200 reais e em breve você poderá ver e circular com uma. Registre-se que o Banco Central informou que a nova denominação entrará em circulação de forma gradual, conforme se observe demanda adicional da população por numerário.
Destaco que a cédula em mais circulação no Brasil é a de 50 reais, na data da elaboração deste artigo, estavam circulando no Brasil 2.620.422.950 cédulas de 50 reais em um montante de R$ 131.021.147.500,00.
Ao disponibilizar para a população a cédula de 200 reais, o Banco Central fez uma importante ação preventiva de preparação para um possível incremento de procura por dinheiro, isto porque ficou evidenciado que persistindo os efeitos da pandemia ainda continuará a maior demanda por dinheiro em espécie, e ele será uma importante base das transações em nosso país.
Imagina-se quando surge uma nova cédula e de maior valor, a questão do troco será um problema, como no início ocorreu com a cédula de 100 reais. Mas conforme informado pelo Banco Central, existe um monitoramento diário das necessidades de troco com a ajuda de toda a rede bancária e trabalha-se de forma diligente para atendê-las. E por conta disso, o Banco Central reporta-se que a entrada em circulação de qualquer nova denominação requer que o monitoramento em questão seja naturalmente intensificado.
Outro problema no surgimento de uma cédula é a questão da falsificação, o problema é sério, porém, o trabalho do Banco Central tem sido eficiente, pois segundo seus informes, a quantidade de cédulas falsas retida pelo Banco Central no ano 2019 apresentou redução de 12% em relação ao ano 2018. E pensando neste quesito, a nossa autoridade monetária informa que a nova cédula é segura e contém elementos de segurança capazes de protegê-la das tentativas de falsificação. Porém, o Banco Central alerta que para se proteger do recebimento de tentativas de simulação da cédula, todo cidadão, ao receber uma cédula, deve conferir os itens de segurança, que estão disponibilizados  no site do Banco Central.
Para quem ainda não viu a cédula de 200 reais, saiba que o formato será igual ao da cédula de 20 reais da 2ª família (14,2cm x 6,5cm). Isto ocorre, segundo o Banco Central, porque como a nova cédula possui um formato cédula já existente, sua adaptação aos caixas eletrônicos e demais equipamentos automáticos que aceitam e dispensam cédulas será mais rápida.
O Banco Central também informa que com relação à diferenciação das denominações da Segunda Família do Real por pessoas com deficiência visual, haverá marca tátil própria, que são barras em alto-relevo localizadas no canto inferior direito da frente da nota de 200 reais. Para facilitar a identificação das denominações por pessoas com visão subnormal, serão utilizados os numerais de tamanho grande e as cores predominantes diferenciadas.
A colocação em tempo rápido de uma nova cédula de 200 reais. Assim, merece também os nossos aplausos para a Casa da Moeda do Brasil que alinhada com as transformações tecnológicas e sempre preocupada em incorporar elementos de segurança baseados em soluções digitais, atende mais este nova demanda da sociedade brasileira. Que todos vocês tenham os devidos cuidados quando estiverem manuseando uma cédula de 200 reais.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS