Prêmio Vautrin-Lud de Geografia de 2020

Saumínio Nascimento

 

Não existe um prêmio nobel de geo-
grafia, mas existe um prêmio inter-
nacional de geografia que é uma recompensa pelo trabalho e pelas pesquisas que um geógrafo entre os mais destacados realiza ao longo de sua vida. Vale registrar que é realizada uma consulta a mais de uma centena de pesquisadores em todo o mundo, para a escolha do Geógrafo que irá ganhar o prêmio Vautrin-Lud de geografia.
Assim, como o prêmio nobel é anunciado em outubro de cada ano, em outubro também se conhece que será o ganhador da maior premiação que um geógrafo pode receber.
Existe um festival internacional anual de geografia na cidade de Saint-Dié-des-Vosges (França) onde é premiado o vencedor do prêmio Vautrin-Lud de Geografia.
Ao fundar o Festival Internacional de Geografia (FIG) em 1990, Christian Pierret queria criar um encontro que não conhecesse fronteiras físicas ou humanas. Lugar de descoberta, aprendizagem, diversão e intercâmbio, o FIG celebra a geografia e permite que seja redescoberta sob uma nova luz. Contando com a legitimidade de Saint-Dié-des-Vosges, a "madrinha da América". Isto existe porque quando da descoberta de um novo mundo por Cristóvão Colombo em 1492 à invenção da palavra América pelos cartógrafos deodacianos em 1507 ocorre nesta cidade e isto é uma história fabulosa que está na origem da criação do Festival Internacional de Geografia.
O Festival Internacional de Geografia aposta na geografia como ferramenta científica para fazer a ligação com as questões colocadas por todas as ciências humanas, a economia, a ecologia e para fazer, a priori, a observação da evolução do conhecimento, das expressões culturais, da geopolítica.
A particularidade do sucesso do Festival Internacional de Geografia, reside na sua capacidade para satisfazer um grande público (o FIG acolhe 50.000 festivaleiros por ano), de natureza particularmente eclética; Pôde reunir nos mesmos locais especialistas dos quatro cantos do mundo e simples amantes da cultura e do entretenimento. Para os organizadores o Festival Internacional de Geografia é a alegoria de uma geografia generosa: todo o conhecimento é explicado, todos os assuntos, do acadêmico ao de fácil uso, são discutidos. Além disso, um aspecto tão único que merece destaque: todos os eventos são gratuitos.
Entre elas, as conferências de curso, cuja importância se resumiria em um objetivo, uma finalidade ou "como comunicar claramente sobre um determinado assunto". Frequentados por um público tão heterogéneo como apaixonado, os 200 encontros organizados de várias formas (conferências-debates, mesas redondas, cafés geográficos) permitem aos investigadores confrontar os seus saberes com as críticas de um público exigente e dos seus ouvintes. '' estar informado sobre as últimas descobertas da pesquisa científica em geografia.
Neste ano de 2020 o evento terá a sua 31ª edição e será nos dias, 2, 3 e 4 outubro, com conferências, debates, encontros literários, exposições, gastronomia, cinema, espetáculos e a premiação internacional em geografia. O tema central será "CLIMAS". Os organizadores entende que é preciso mostrar que muitas semelhanças podem ser interessantes para melhor problematizar as questões dos geógrafos sobre climas, riscos climáticos e mudanças climáticas.
E para o Prêmio Vautrin-Lud de 2020 o ganhador foi Rudolf Brázdil (República Tcheca), que segundo informações dos organizadores, temos os seguintes dados biográficos do vencedor: Rudolf Brázdil nasceu em 1951 em Brno (ex-Tchecoslováquia). De 1969 a 1974, ele estudou geografia e matemática na Faculdade de Ciências da Universidade Jan Evangelista Purkyn? em Brno (Universidade Masaryk de 1989). Após a obtenção do diploma, começou como professor universitário no departamento de geografia, onde em 1991 se tornou professor de geografia física. Ele ensina diferentes tópicos, como a base astronômica da geografia, métodos estatísticos em geografia, geografia física, meteorologia, climatologia e variabilidade e mudanças climáticas.
Em 1985, 1988 e 1990, ele participou de três expedições polares de verão a Spitsbergen com foco em climatologia e glaciologia.
Em 1992/93 foi professor visitante na ETH Zurique. Fez várias viagens a São Petersburgo, Bonn, Amherst e Paris e participou de conferências na Europa, Estados Unidos, Japão, Coréia do Sul, China e Taiwan. Ele preside o Comitê Nacional de Geografia da República Tcheca e é muito ativo na Comissão do Clima da União Geográfica Internacional (IGU).
Em suas atividades de pesquisa, ele se concentra na climatologia histórica, climatologia do período instrumental, homogeneização e análise de séries climatológicas de longo prazo, hidrologia histórica e extremos hidrometeorológicos como inundações, secas, tempestades de vento ou tempestades de granizo. 
Segundo informações do evento, ele está desenvolvendo uma ampla cooperação internacional e é o líder do grupo de trabalho 1, com foco em documentário e dados climatológicos instrumentais, da 6 ª UE projeto quadro MILLENNIUM (2006-2010). 
É autor ou coautor de 400 artigos científicos, livros ou capítulos de livros. Ele foi editor convidado de duas edições especiais da Climatic Change (1999, 2010) e edições especiais deHydrological Sciences Journal (2006), Hydrology and Earth System Sciences (2014), Climate Research (2016), Climate of the Past (2018-2019) e em Regional Environmental Change (2019). Mais recentemente, ele é o editor convidado da edição especial do Climate of the Past (2020-2021).
Vale registrar que o 4º ganhador do Prêmio Vautrin-Lud foi um brasileiro. Ele ganhou o prêmio em 1994 e se chama Milton Santos, e é considerado um dos maiores geógrafos brasileiros em todos os tempos.

Não existe um prêmio nobel de geo- grafia, mas existe um prêmio inter- nacional de geografia que é uma recompensa pelo trabalho e pelas pesquisas que um geógrafo entre os mais destacados realiza ao longo de sua vida. Vale registrar que é realizada uma consulta a mais de uma centena de pesquisadores em todo o mundo, para a escolha do Geógrafo que irá ganhar o prêmio Vautrin-Lud de geografia.
Assim, como o prêmio nobel é anunciado em outubro de cada ano, em outubro também se conhece que será o ganhador da maior premiação que um geógrafo pode receber.
Existe um festival internacional anual de geografia na cidade de Saint-Dié-des-Vosges (França) onde é premiado o vencedor do prêmio Vautrin-Lud de Geografia.
Ao fundar o Festival Internacional de Geografia (FIG) em 1990, Christian Pierret queria criar um encontro que não conhecesse fronteiras físicas ou humanas. Lugar de descoberta, aprendizagem, diversão e intercâmbio, o FIG celebra a geografia e permite que seja redescoberta sob uma nova luz. Contando com a legitimidade de Saint-Dié-des-Vosges, a "madrinha da América". Isto existe porque quando da descoberta de um novo mundo por Cristóvão Colombo em 1492 à invenção da palavra América pelos cartógrafos deodacianos em 1507 ocorre nesta cidade e isto é uma história fabulosa que está na origem da criação do Festival Internacional de Geografia.
O Festival Internacional de Geografia aposta na geografia como ferramenta científica para fazer a ligação com as questões colocadas por todas as ciências humanas, a economia, a ecologia e para fazer, a priori, a observação da evolução do conhecimento, das expressões culturais, da geopolítica.
A particularidade do sucesso do Festival Internacional de Geografia, reside na sua capacidade para satisfazer um grande público (o FIG acolhe 50.000 festivaleiros por ano), de natureza particularmente eclética; Pôde reunir nos mesmos locais especialistas dos quatro cantos do mundo e simples amantes da cultura e do entretenimento. Para os organizadores o Festival Internacional de Geografia é a alegoria de uma geografia generosa: todo o conhecimento é explicado, todos os assuntos, do acadêmico ao de fácil uso, são discutidos. Além disso, um aspecto tão único que merece destaque: todos os eventos são gratuitos.
Entre elas, as conferências de curso, cuja importância se resumiria em um objetivo, uma finalidade ou "como comunicar claramente sobre um determinado assunto". Frequentados por um público tão heterogéneo como apaixonado, os 200 encontros organizados de várias formas (conferências-debates, mesas redondas, cafés geográficos) permitem aos investigadores confrontar os seus saberes com as críticas de um público exigente e dos seus ouvintes. '' estar informado sobre as últimas descobertas da pesquisa científica em geografia.
Neste ano de 2020 o evento terá a sua 31ª edição e será nos dias, 2, 3 e 4 outubro, com conferências, debates, encontros literários, exposições, gastronomia, cinema, espetáculos e a premiação internacional em geografia. O tema central será "CLIMAS". Os organizadores entende que é preciso mostrar que muitas semelhanças podem ser interessantes para melhor problematizar as questões dos geógrafos sobre climas, riscos climáticos e mudanças climáticas.
E para o Prêmio Vautrin-Lud de 2020 o ganhador foi Rudolf Brázdil (República Tcheca), que segundo informações dos organizadores, temos os seguintes dados biográficos do vencedor: Rudolf Brázdil nasceu em 1951 em Brno (ex-Tchecoslováquia). De 1969 a 1974, ele estudou geografia e matemática na Faculdade de Ciências da Universidade Jan Evangelista Purkyn? em Brno (Universidade Masaryk de 1989). Após a obtenção do diploma, começou como professor universitário no departamento de geografia, onde em 1991 se tornou professor de geografia física. Ele ensina diferentes tópicos, como a base astronômica da geografia, métodos estatísticos em geografia, geografia física, meteorologia, climatologia e variabilidade e mudanças climáticas.
Em 1985, 1988 e 1990, ele participou de três expedições polares de verão a Spitsbergen com foco em climatologia e glaciologia.
Em 1992/93 foi professor visitante na ETH Zurique. Fez várias viagens a São Petersburgo, Bonn, Amherst e Paris e participou de conferências na Europa, Estados Unidos, Japão, Coréia do Sul, China e Taiwan. Ele preside o Comitê Nacional de Geografia da República Tcheca e é muito ativo na Comissão do Clima da União Geográfica Internacional (IGU).
Em suas atividades de pesquisa, ele se concentra na climatologia histórica, climatologia do período instrumental, homogeneização e análise de séries climatológicas de longo prazo, hidrologia histórica e extremos hidrometeorológicos como inundações, secas, tempestades de vento ou tempestades de granizo. 
Segundo informações do evento, ele está desenvolvendo uma ampla cooperação internacional e é o líder do grupo de trabalho 1, com foco em documentário e dados climatológicos instrumentais, da 6 ª UE projeto quadro MILLENNIUM (2006-2010). 
É autor ou coautor de 400 artigos científicos, livros ou capítulos de livros. Ele foi editor convidado de duas edições especiais da Climatic Change (1999, 2010) e edições especiais deHydrological Sciences Journal (2006), Hydrology and Earth System Sciences (2014), Climate Research (2016), Climate of the Past (2018-2019) e em Regional Environmental Change (2019). Mais recentemente, ele é o editor convidado da edição especial do Climate of the Past (2020-2021).
Vale registrar que o 4º ganhador do Prêmio Vautrin-Lud foi um brasileiro. Ele ganhou o prêmio em 1994 e se chama Milton Santos, e é considerado um dos maiores geógrafos brasileiros em todos os tempos.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS