O PREÇO DO ENGODO: 150 MIL MORTES

Rômulo Rodrigues

 

* Rômulo Rodrigues
Estou falando exatamente do principal, Jair messias Bolsonaro, cuja última faceta foi dizer que acabou com a Lava jato porque acabou com a corrupção no seu governo.
Ai está uma grande mentira. Como pode dizer que acabou a corrupção no seu governo se a sua família é a própria corrupção?
Tem um reparo a ser feito; uma coisa era a massiva corrupção divulgada na mídia corporativa contra os governos honestos, enquanto os facínoras Temer e Villas Boas cochichavam fomentando o golpe; outra é a proteção a uma família que pratica corrupção e crimes há 30 anos e a mídia encobriu e protegeu para consumar o golpe. Foi a receita de Moro e Globo para transformar gente em boi.
Já está para lá de compreendido por grande maioria da população que foi engendrada uma campanha difamatória contra o PT, Dilma, Lula e sua família para pregar que o partido não passava de uma quadrilha e os filhos de Lula, que não comandavam milícias e nem praticavam rachadinhas, eram proprietários de grandes empresas como, Oi, Friboi, fazendas e até Ferrari de ouro.
Foi essa massificação do Sistema Globo que só falava o nome Lula com imagens de dutos de óleo jorrando notas de dólares para associá-lo ao que chamavam de maior escândalo de corrupção do Brasil, hoje, totalmente desmentido.
Aos poucos, sem o sistema fazer autocrítica, o festival de mentiras vai se desmanchando e a verdade mostra que o império midiático, associado aos traidores da pátria que sempre operaram para destruir a soberania nacional e para nos tornar uma republiqueta de bananas, como estão fazendo, omite no seu noticiário que antes do PT governar, o Brasil era um País do Terceiro Mundo; que populações inteiras no Nordeste estavam condenadas a morrer de sede; que eles declaram a direita como honesta e durante 502 anos sempre privou o povo do direito de ter 3 refeições ao dia e não conseguem explicar o que fizeram com as enormes fortunas que dizem não ter roubado.
Se quiserem comprovar suas mentiras vão até os arquivos e registros dos indicadores do Banco Mundial, FMI e FGV e vejam lá; o príncipe deles entregou o Brasil a Lula em 01 de janeiro de 2003, com o salário mínimo com um valor nominal de exatos 56 Dólares. A política de valorização do salário mínimo nos governos Lula e Dilma, elevou o valor a 272 dólares, uma valorização de 486% em final de 2016, quando o golpe foi sacramentado.
A ponte para o Futuro, plano econômico do golpe, de cara, rebaixou o SM para 246 dólares e em final de 2020 está rebaixando, de novo, para 186 dólares.
A política econômica de colocar o povo no orçamento da união fez o salário do povo trabalhador se valorizar 486%, enquanto a de tirar o PT para o Brasil crescer trouxe um confisco de R$ 460,00 mensais, no bolso de cada trabalhador.
O crime estarrecedor é que essa aberração retira mensalmente a bagatela de R$ 32 bilhões de circulação de dinheiro nos pequenos negócios como feiras livres, bodegas, mercearias, mercadinhos, açougues e padarias, principalmente nos bairros das grandes cidades, e no interior do Nordeste, destruindo as economias regionais.
No que disse Bolsonaro sobre ter acabado a Lava Jato porque não existe corrupção no seu governo, cabe bem parábola judaica - que ele tanto ama -, sobre o encontro entre a mentira e a verdade: "A mentira disse para a verdade: Bom dia dona verdade, e a verdade foi conferir se realmente era um bom dia; olhou para o alto, não viu sinais de chuva, viu pássaros cantando e vendo que realmente era um bom dia disse para a mentira; bom dia dona mentira.
A mentira tentando ganhar a confiança da verdade soltou, está fazendo muito calor hoje. A verdade vendo que a mentira falava a verdade relaxou e a mentira aproveitou o vacilo e a convidou para irem tomar um banho no rio de águas cristalinas que passava bem ao lado.
A verdade caiu no conto da mentira e seguiu; indo as duas se banhar. A mentira despiu-se de suas vestes, pulou na água e disse; venha dona verdade, a água está uma delícia.
Assim que a verdade, sem duvidar da mentira, despiu-se e mergulhou na água do rio, a mentira vestiu-se com as roupas da verdade e foi embora para atuar como juíza e procuradora do MPF de Curitiba.
A verdade por sua vez se recusou a vestir as roupas da mentira e por não ter do que se envergonhar, saiu a caminhar nua pelas ruas".
Aos olhos de 57,5 milhões de descerebrados que aceitaram deixar de ser seres humanos para virar gado, entenderam que era mais fácil aceitar as mentiras da quadrilha de Curitiba, vestida de verdade, do que a verdade de um Brasil soberano que saiu da 13ª economia do mundo para a 6ª economia, zerou o desemprego, deu 486% de aumento real ao salário mínimo, tirou 30 milhões de pessoas da fome e da miséria, e hoje, vê seu programa de combate à fome laureado na ONU e recebendo o Prêmio Nobel da Paz.
Na disputa de Aracaju, quem representa a mentira é a delegada Danielle Garcia e é para ela que Márcio Macedo tem que apontar os canhões de Navarone e disparar. A arte suprema da eleição é o segundo turno entre Márcio e Edvaldo, com a direita na lata do lixo. O alvo a ser atingido é a delegada lavajatista que deve ser impedida de ir ao segundo turno e Marcio tem que ter o cuidado de não acertar o alvo errado e ser o próprio abatido.
* Rômulo Rodrigues, militante político

* Rômulo Rodrigues

Estou falando exatamente do principal, Jair messias Bolsonaro, cuja última faceta foi dizer que acabou com a Lava jato porque acabou com a corrupção no seu governo.
Ai está uma grande mentira. Como pode dizer que acabou a corrupção no seu governo se a sua família é a própria corrupção?
Tem um reparo a ser feito; uma coisa era a massiva corrupção divulgada na mídia corporativa contra os governos honestos, enquanto os facínoras Temer e Villas Boas cochichavam fomentando o golpe; outra é a proteção a uma família que pratica corrupção e crimes há 30 anos e a mídia encobriu e protegeu para consumar o golpe. Foi a receita de Moro e Globo para transformar gente em boi.
Já está para lá de compreendido por grande maioria da população que foi engendrada uma campanha difamatória contra o PT, Dilma, Lula e sua família para pregar que o partido não passava de uma quadrilha e os filhos de Lula, que não comandavam milícias e nem praticavam rachadinhas, eram proprietários de grandes empresas como, Oi, Friboi, fazendas e até Ferrari de ouro.
Foi essa massificação do Sistema Globo que só falava o nome Lula com imagens de dutos de óleo jorrando notas de dólares para associá-lo ao que chamavam de maior escândalo de corrupção do Brasil, hoje, totalmente desmentido.
Aos poucos, sem o sistema fazer autocrítica, o festival de mentiras vai se desmanchando e a verdade mostra que o império midiático, associado aos traidores da pátria que sempre operaram para destruir a soberania nacional e para nos tornar uma republiqueta de bananas, como estão fazendo, omite no seu noticiário que antes do PT governar, o Brasil era um País do Terceiro Mundo; que populações inteiras no Nordeste estavam condenadas a morrer de sede; que eles declaram a direita como honesta e durante 502 anos sempre privou o povo do direito de ter 3 refeições ao dia e não conseguem explicar o que fizeram com as enormes fortunas que dizem não ter roubado.
Se quiserem comprovar suas mentiras vão até os arquivos e registros dos indicadores do Banco Mundial, FMI e FGV e vejam lá; o príncipe deles entregou o Brasil a Lula em 01 de janeiro de 2003, com o salário mínimo com um valor nominal de exatos 56 Dólares. A política de valorização do salário mínimo nos governos Lula e Dilma, elevou o valor a 272 dólares, uma valorização de 486% em final de 2016, quando o golpe foi sacramentado.
A ponte para o Futuro, plano econômico do golpe, de cara, rebaixou o SM para 246 dólares e em final de 2020 está rebaixando, de novo, para 186 dólares.
A política econômica de colocar o povo no orçamento da união fez o salário do povo trabalhador se valorizar 486%, enquanto a de tirar o PT para o Brasil crescer trouxe um confisco de R$ 460,00 mensais, no bolso de cada trabalhador.
O crime estarrecedor é que essa aberração retira mensalmente a bagatela de R$ 32 bilhões de circulação de dinheiro nos pequenos negócios como feiras livres, bodegas, mercearias, mercadinhos, açougues e padarias, principalmente nos bairros das grandes cidades, e no interior do Nordeste, destruindo as economias regionais.
No que disse Bolsonaro sobre ter acabado a Lava Jato porque não existe corrupção no seu governo, cabe bem parábola judaica - que ele tanto ama -, sobre o encontro entre a mentira e a verdade: "A mentira disse para a verdade: Bom dia dona verdade, e a verdade foi conferir se realmente era um bom dia; olhou para o alto, não viu sinais de chuva, viu pássaros cantando e vendo que realmente era um bom dia disse para a mentira; bom dia dona mentira.
A mentira tentando ganhar a confiança da verdade soltou, está fazendo muito calor hoje. A verdade vendo que a mentira falava a verdade relaxou e a mentira aproveitou o vacilo e a convidou para irem tomar um banho no rio de águas cristalinas que passava bem ao lado.
A verdade caiu no conto da mentira e seguiu; indo as duas se banhar. A mentira despiu-se de suas vestes, pulou na água e disse; venha dona verdade, a água está uma delícia.
Assim que a verdade, sem duvidar da mentira, despiu-se e mergulhou na água do rio, a mentira vestiu-se com as roupas da verdade e foi embora para atuar como juíza e procuradora do MPF de Curitiba.
A verdade por sua vez se recusou a vestir as roupas da mentira e por não ter do que se envergonhar, saiu a caminhar nua pelas ruas".
Aos olhos de 57,5 milhões de descerebrados que aceitaram deixar de ser seres humanos para virar gado, entenderam que era mais fácil aceitar as mentiras da quadrilha de Curitiba, vestida de verdade, do que a verdade de um Brasil soberano que saiu da 13ª economia do mundo para a 6ª economia, zerou o desemprego, deu 486% de aumento real ao salário mínimo, tirou 30 milhões de pessoas da fome e da miséria, e hoje, vê seu programa de combate à fome laureado na ONU e recebendo o Prêmio Nobel da Paz.
Na disputa de Aracaju, quem representa a mentira é a delegada Danielle Garcia e é para ela que Márcio Macedo tem que apontar os canhões de Navarone e disparar. A arte suprema da eleição é o segundo turno entre Márcio e Edvaldo, com a direita na lata do lixo. O alvo a ser atingido é a delegada lavajatista que deve ser impedida de ir ao segundo turno e Marcio tem que ter o cuidado de não acertar o alvo errado e ser o próprio abatido.

* Rômulo Rodrigues, militante político

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS