A DIFEREÇA ENTRE ENERGIAS

Rômulo Rodrigues

 

* Rômulo Rodrigues
Nas diferenças existentes entre as variadas energias, o momento é propício para destacar duas bastante representativas: 1) energia potencial e 2) energia cinética.
Energia potencial é uma forma de energia que pode ser armazenada por um corpo e que depende da posição desse corpo. Toda energia potencial pode ser transformada em energia cinética por meio da aplicação de uma força sobre seu corpo. Toda energia potencial pode ser transformada em energia cinética por meio de aplicação de uma força sobre seu corpo. Energia cinética é a capacidade de um corpo em movimento realizar trabalho.Esses conceitos que tão bem servem para a física mecânica estão bem em moda nos movimentos dos povos da América do Sul e no México.
Os recentes movimentos transformadores de energia no continente latino americano, começou no México, com o resultado da eleição de 1º de julho de 2018 - um domingo - em que Andrés Manuel Lopez Obrador (AMLO) do Movimento Regeneração Nacional (Morena) venceu com 53,8% dos votos válidos, enquanto o governista Antônio Meade ficou em terceiro lugar com apenas 14,92%, representando uma coligação de direita. Quatro concorrentes disputaram o pleito vencido pelos progressistas em primeiro turno e os EUA foram amplamente derrotados.
A energia potencial que havia acumulada em décadas pelo povo mexicano foi transformada em um grande movimento de energia cinética, trabalho, em defesa da democracia e da independência mexicana, faz pouco mais de dois anos.
Pouco mais de três meses depois, outro gigante continental viu-se sufocado em movimento contrário atingido pela legitimação de um golpe através da eleição de um fascista genocida em uma eleição, cada dia, mais comprovada que foi uma fraude feita por fake news.
A máscara do partido militar, no Brasil, já estava pendurada desde a prisão do almirante Othon, pai do programa nuclear de fabricação do submarino brasileiro, cuja ordem de desmonte vinda do Departamento de Estado Americano (DEA), via participação do FBI na Lava Jato, ficou mais claro com a recente prisão do delegado da Polícia Federal que prendeu  o almirante por ordem de Sergio Moro, mais um lacaio dos EUA preso por corrupção; com os golpista militares fazendo ensurdecedor silêncio.
Há exatamente um ano, o então reeleito presidente da Bolívia, Evo Morales, para o quinto mandato consecutivo, foi deposto pelas forças armadas após o conselho da OEA, subordinado ao DEA, fazer um relatório dizendo que houve suspeita de fraude, contrariando todos os observadores internacionais, inclusive a ONU; foi o bastante para a deposição do legítimo presidente boliviano.
Um ano depois do golpe a energia potencial do povo boliviano, transformou-se em cinética e a vontade popular prevaleceu e, mesmo no exílio, impedido de votar, Evo Morales foi o grande vencedor.
A retumbante vitória de Arce, do MAS, aponta rumos para a esquerda barrar a onda golpista na América do Sul. O povo boliviano despertou para o perigo que representa o Império que quer roubar, como sempre fez e faz, comprando as forças armadas , e levando de quebra o Petróleo, o Gás natural e o Lítios que são riquezas minerais essenciais par a autonomia do povo indígena.
Em 28 de outubro de 2019 a Argentina também já havia transformado sua energia potencial em cinética, dando a vitória ao candidato peronista Alberto Fernández, mandando embora o representante do neoliberalismo no continente, Mauricio Macri, por ampla maioria de votos.Os argentinos formam um dos povos mais guerreiros do continente. Aguardamos com ansiedade a resposta do povo chileno no próximo domingo.
No momento há uma forte convocação para a unidade das oposições para derrotar Pinera, mentor de Paulo Guedes, que destroçou a economia do País.
O governo entreguista e genocida do Brasil acaba de sofrer sua segunda derrota no continente e deve, com seu aparato militar de traidores da Pátria, baixar a cabeça e ver que o continente se mantém altivo na Venezuela, para onde o capacho servil de Trump ameaçar mandar milhares de jovens brasileiros morrerem pela pátria do Tio Sam que quer consumar o saque do Petróleo, do Gás Natural, do Nióbio e do Lítio para aliviar a crise do Sub Prime que já dura treze anos.
Porém, aos poucos o continente vai dando os sinais de que os povos unidos jamais serão vencidos e a democracia é quem vencerá, mesmo que a custo de sangue, suor e lágrimas.
O Brasil está diante do momento histórico de começar a dar seu brado de independência real, a partir de 15 de novembro de 2020,  seguindo os passos dos povos chileno e boliviano.
O caminho a ser seguido é o de derrotar o bolsonarismo, o lavajatismo, os corruptos e traidores das forças armadas; derrotando todos os candidatos identificados com Bolsonaro e suas milícias, e os que já mataram mais de 150 mil pessoas com a Covid-19.
E o pacato povo brasileiro? Vai continuar na condição de gado a que foi levado a ser induzido a odiar o único partido político que o defende?
Uma resposta digna, concomitante com a reação patriótica dos nossos irmãos mexicanos, bolivianos, venezuelanos, argentinos e chilenos vai começar nosso dever de casa.
Nosso desfio aracajuano é de derrotar a delegada e tudo de ruim que ela representa e o monstrinho Rodrigo, por tudo que pensa representar. Deixemos Edvaldo para o segundo turno. É lá que as cartas vão ser colocadas na mesa e quem tiver mais garrafas para contar, ganha a disputa.
* Rômulo Rodrigues, militante político

* Rômulo Rodrigues

Nas diferenças existentes entre as variadas energias, o momento é propício para destacar duas bastante representativas: 1) energia potencial e 2) energia cinética.
Energia potencial é uma forma de energia que pode ser armazenada por um corpo e que depende da posição desse corpo. Toda energia potencial pode ser transformada em energia cinética por meio da aplicação de uma força sobre seu corpo. Toda energia potencial pode ser transformada em energia cinética por meio de aplicação de uma força sobre seu corpo. Energia cinética é a capacidade de um corpo em movimento realizar trabalho.Esses conceitos que tão bem servem para a física mecânica estão bem em moda nos movimentos dos povos da América do Sul e no México.
Os recentes movimentos transformadores de energia no continente latino americano, começou no México, com o resultado da eleição de 1º de julho de 2018 - um domingo - em que Andrés Manuel Lopez Obrador (AMLO) do Movimento Regeneração Nacional (Morena) venceu com 53,8% dos votos válidos, enquanto o governista Antônio Meade ficou em terceiro lugar com apenas 14,92%, representando uma coligação de direita. Quatro concorrentes disputaram o pleito vencido pelos progressistas em primeiro turno e os EUA foram amplamente derrotados.
A energia potencial que havia acumulada em décadas pelo povo mexicano foi transformada em um grande movimento de energia cinética, trabalho, em defesa da democracia e da independência mexicana, faz pouco mais de dois anos.
Pouco mais de três meses depois, outro gigante continental viu-se sufocado em movimento contrário atingido pela legitimação de um golpe através da eleição de um fascista genocida em uma eleição, cada dia, mais comprovada que foi uma fraude feita por fake news.
A máscara do partido militar, no Brasil, já estava pendurada desde a prisão do almirante Othon, pai do programa nuclear de fabricação do submarino brasileiro, cuja ordem de desmonte vinda do Departamento de Estado Americano (DEA), via participação do FBI na Lava Jato, ficou mais claro com a recente prisão do delegado da Polícia Federal que prendeu  o almirante por ordem de Sergio Moro, mais um lacaio dos EUA preso por corrupção; com os golpista militares fazendo ensurdecedor silêncio.
Há exatamente um ano, o então reeleito presidente da Bolívia, Evo Morales, para o quinto mandato consecutivo, foi deposto pelas forças armadas após o conselho da OEA, subordinado ao DEA, fazer um relatório dizendo que houve suspeita de fraude, contrariando todos os observadores internacionais, inclusive a ONU; foi o bastante para a deposição do legítimo presidente boliviano.
Um ano depois do golpe a energia potencial do povo boliviano, transformou-se em cinética e a vontade popular prevaleceu e, mesmo no exílio, impedido de votar, Evo Morales foi o grande vencedor.
A retumbante vitória de Arce, do MAS, aponta rumos para a esquerda barrar a onda golpista na América do Sul. O povo boliviano despertou para o perigo que representa o Império que quer roubar, como sempre fez e faz, comprando as forças armadas , e levando de quebra o Petróleo, o Gás natural e o Lítios que são riquezas minerais essenciais par a autonomia do povo indígena.
Em 28 de outubro de 2019 a Argentina também já havia transformado sua energia potencial em cinética, dando a vitória ao candidato peronista Alberto Fernández, mandando embora o representante do neoliberalismo no continente, Mauricio Macri, por ampla maioria de votos.Os argentinos formam um dos povos mais guerreiros do continente. Aguardamos com ansiedade a resposta do povo chileno no próximo domingo.
No momento há uma forte convocação para a unidade das oposições para derrotar Pinera, mentor de Paulo Guedes, que destroçou a economia do País.
O governo entreguista e genocida do Brasil acaba de sofrer sua segunda derrota no continente e deve, com seu aparato militar de traidores da Pátria, baixar a cabeça e ver que o continente se mantém altivo na Venezuela, para onde o capacho servil de Trump ameaçar mandar milhares de jovens brasileiros morrerem pela pátria do Tio Sam que quer consumar o saque do Petróleo, do Gás Natural, do Nióbio e do Lítio para aliviar a crise do Sub Prime que já dura treze anos.
Porém, aos poucos o continente vai dando os sinais de que os povos unidos jamais serão vencidos e a democracia é quem vencerá, mesmo que a custo de sangue, suor e lágrimas.
O Brasil está diante do momento histórico de começar a dar seu brado de independência real, a partir de 15 de novembro de 2020,  seguindo os passos dos povos chileno e boliviano.
O caminho a ser seguido é o de derrotar o bolsonarismo, o lavajatismo, os corruptos e traidores das forças armadas; derrotando todos os candidatos identificados com Bolsonaro e suas milícias, e os que já mataram mais de 150 mil pessoas com a Covid-19.
E o pacato povo brasileiro? Vai continuar na condição de gado a que foi levado a ser induzido a odiar o único partido político que o defende?
Uma resposta digna, concomitante com a reação patriótica dos nossos irmãos mexicanos, bolivianos, venezuelanos, argentinos e chilenos vai começar nosso dever de casa.
Nosso desfio aracajuano é de derrotar a delegada e tudo de ruim que ela representa e o monstrinho Rodrigo, por tudo que pensa representar. Deixemos Edvaldo para o segundo turno. É lá que as cartas vão ser colocadas na mesa e quem tiver mais garrafas para contar, ganha a disputa.

* Rômulo Rodrigues, militante político

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS