O PT MOSTROU SER RESILIENTE EM 2020

Rômulo Rodrigues

 

* Rômulo Rodrigues
Uma das coisas mais difíceis de se ver é a chamada grande imprensa, ou imprensa comercial, ou ainda, imprensa patronal fazer uma análise isenta e correta sobre o Partido dos Trabalhadores.
O que se vê é que, para agradar o patronato, se esquivam de enxergar que um partido que chega à beira de completar 41 anos, sem necessidade de mudar de nome e abandonar sua carta de princípios, sofrendo campanhas de descrédito desde o nascedouro e, uma campanha de perseguição inclemente nos últimos 15 anos, consegue disputar para valer nas principais cidades do país e sair ileso, mesmo tendo sido agredido e vilipendiado nas mais importantes como os casos mais relevantes de Recife em Pernambuco e Feira de Santana na Bahia.
É certo que o PT não venceu em nenhuma capital do País; mas foi ao segundo turno em duas e viu todo o resto do espectro político conservador se juntar para impedir suas vitórias, quando não enfrentou só os partidos oficiais, mas também, os oficiosos como o partido da justiça, do ministério público, militar e o midiático.
O antipetismo nasceu quando os patrões perceberam que os filhos dos seus empregados não seriam empregados dos seus filhos e iriam ocupar os lugares deles nas universidades. Esse fenômeno não nasceu por acaso e nem foi fruto de uma guerra violenta (por mais que alguns jornalistas desdenhem); foi fruto da paz disseminada por um punhado de políticas públicas de inclusão social que assustou e despertou o ódio das elites; entre as quais, PROUNI, Cotas nas Universidades, mais de 7 milhões de acessos ao ensino superior para todos, com o filho do pedreiro virando engenheiro, a filhado gari virando médica a filha do garçom virando advogada e o do camponês engenheiro agrônomo e todos com acesso a intercambio internacional pelo ciências sem fronteiras.
O PT não alcançou o objetivo da hegemonia da sociedade? Claro que não! E por não ter alcançado deve pedir desculpas à sociedade? De jeito nenhum!
O PT deve aprofundar uma leitura de conjuntura, como fazia há 40 anos? Claro que sim. Afinal, é de uma profunda análise que vai tirar sua estratégia central e seu eixo de atuação para definir e aplicar as mais diversas táticas, para cada momento.
E como vai sair do fracasso de 2020? Perguntam os analistas do mercado! Respondo-lhes, o PT em 2020 conseguiu 200 mil votos a mais do que em 2016, ano que culminou com o Impeachment da Dilma e as seletivas declarações de Sergio Moro contra o PT, obtidas com torturas psicológicas aplicadas a Antônio Palocci.
De lá até aqui passamos pelos turbilhões de milhões de Fake News, disparados por robôs, com aquiescências do partido da justiça e, mesmo assim, o PT está vivo; conquistou 182 prefeituras e vai governar para 7 milhões de pessoas; retornando a seu bem sucedido modo petista de governar.
É o único partido capaz de ampliar seu prestígio com a aplicação do Orçamento Participativo e da Participação Popular. É quem tem autoridade de governar atendendo aos grupos sociais, resolvendo suas pautas e demandas e dialogando de forma aberta e democrática.
O PT perdeu em número de prefeitura o quantitativo numérico de 72, e nisso é que os agourentos se apegam para fazer estardalhaço, em relação a 2016. O MDB perdeu 265 e o PSDB 283, mesmo sendo federações familiares regionais que lutam apenas por interesses grupais. Os atentos analistas dizem; não vem ao caso.
O MDB perdeu 4,2 milhões de eleitores do golpe até aqui; o PSDB, 7 milhões e o derrotado foi o PT que cresceu 200 mil?
Então o PT não errou? Errou sim, na estratégia e nas táticas. Do ponto de vista nacional o erro foi insistir em impor ao povo uma narrativa que o povo não entende ser real: "Quem defende você é o PT"! Nada mais incompreensível. O mais certo seria resgatar o grande petista Henfil: "Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come, se juntar o bicho foge". 
Dito isso, o próximo passo da longa caminhada é desfazer a sensação de partido para os trabalhadores, por partido dos trabalhadores, simples assim.
O segundo passo é resgatar a democracia interna em substituição às capitanias grupais compostas por assessores comissionados dos que têm mandatos.
Respeitando Tolstoi, comecemos pela nossa aldeia, Aracaju. Tive participação no convencimento de Marcio Macedo ser pré-candidato e depois candidato a prefeito de Aracaju, num processo que começou em Janeiro de 2019 e continuou em Janeiro de 2020 e arrefeceu na pandemia.
A candidatura de Marcio só não é vista como estratégica por quem não enxerga que o PT não teria espaço na chapa majoritária de Edvaldo e só tinha como opção a candidatura própria. Essa bola eu cantei em Janeiro de 2019.
O processo de alijamento do PT vem desde uma certa eleição da mesa da Alese e eu acusei o fato. O que já na minha limitação visual por causa da idade não pude deixar de enxergar foi a sucessão de erros táticos que não imaginava mais ser possível acontecer, sendo o maior deles direcionar o central do combate a Edivaldo Nogueira e não à delegada. Erro Crasso.
No mais, digo que, o Partido dos Trabalhadores continua vivo e vai saber tirar lições para continuar acumulando sabedoria.
* Rômulo Rodrigues é militante político

* Rômulo Rodrigues

Uma das coisas mais difíceis de se ver é a chamada grande imprensa, ou imprensa comercial, ou ainda, imprensa patronal fazer uma análise isenta e correta sobre o Partido dos Trabalhadores.
O que se vê é que, para agradar o patronato, se esquivam de enxergar que um partido que chega à beira de completar 41 anos, sem necessidade de mudar de nome e abandonar sua carta de princípios, sofrendo campanhas de descrédito desde o nascedouro e, uma campanha de perseguição inclemente nos últimos 15 anos, consegue disputar para valer nas principais cidades do país e sair ileso, mesmo tendo sido agredido e vilipendiado nas mais importantes como os casos mais relevantes de Recife em Pernambuco e Feira de Santana na Bahia.
É certo que o PT não venceu em nenhuma capital do País; mas foi ao segundo turno em duas e viu todo o resto do espectro político conservador se juntar para impedir suas vitórias, quando não enfrentou só os partidos oficiais, mas também, os oficiosos como o partido da justiça, do ministério público, militar e o midiático.
O antipetismo nasceu quando os patrões perceberam que os filhos dos seus empregados não seriam empregados dos seus filhos e iriam ocupar os lugares deles nas universidades. Esse fenômeno não nasceu por acaso e nem foi fruto de uma guerra violenta (por mais que alguns jornalistas desdenhem); foi fruto da paz disseminada por um punhado de políticas públicas de inclusão social que assustou e despertou o ódio das elites; entre as quais, PROUNI, Cotas nas Universidades, mais de 7 milhões de acessos ao ensino superior para todos, com o filho do pedreiro virando engenheiro, a filhado gari virando médica a filha do garçom virando advogada e o do camponês engenheiro agrônomo e todos com acesso a intercambio internacional pelo ciências sem fronteiras.
O PT não alcançou o objetivo da hegemonia da sociedade? Claro que não! E por não ter alcançado deve pedir desculpas à sociedade? De jeito nenhum!
O PT deve aprofundar uma leitura de conjuntura, como fazia há 40 anos? Claro que sim. Afinal, é de uma profunda análise que vai tirar sua estratégia central e seu eixo de atuação para definir e aplicar as mais diversas táticas, para cada momento.
E como vai sair do fracasso de 2020? Perguntam os analistas do mercado! Respondo-lhes, o PT em 2020 conseguiu 200 mil votos a mais do que em 2016, ano que culminou com o Impeachment da Dilma e as seletivas declarações de Sergio Moro contra o PT, obtidas com torturas psicológicas aplicadas a Antônio Palocci.
De lá até aqui passamos pelos turbilhões de milhões de Fake News, disparados por robôs, com aquiescências do partido da justiça e, mesmo assim, o PT está vivo; conquistou 182 prefeituras e vai governar para 7 milhões de pessoas; retornando a seu bem sucedido modo petista de governar.
É o único partido capaz de ampliar seu prestígio com a aplicação do Orçamento Participativo e da Participação Popular. É quem tem autoridade de governar atendendo aos grupos sociais, resolvendo suas pautas e demandas e dialogando de forma aberta e democrática.
O PT perdeu em número de prefeitura o quantitativo numérico de 72, e nisso é que os agourentos se apegam para fazer estardalhaço, em relação a 2016. O MDB perdeu 265 e o PSDB 283, mesmo sendo federações familiares regionais que lutam apenas por interesses grupais. Os atentos analistas dizem; não vem ao caso.
O MDB perdeu 4,2 milhões de eleitores do golpe até aqui; o PSDB, 7 milhões e o derrotado foi o PT que cresceu 200 mil?
Então o PT não errou? Errou sim, na estratégia e nas táticas. Do ponto de vista nacional o erro foi insistir em impor ao povo uma narrativa que o povo não entende ser real: "Quem defende você é o PT"! Nada mais incompreensível. O mais certo seria resgatar o grande petista Henfil: "Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come, se juntar o bicho foge". 
Dito isso, o próximo passo da longa caminhada é desfazer a sensação de partido para os trabalhadores, por partido dos trabalhadores, simples assim.
O segundo passo é resgatar a democracia interna em substituição às capitanias grupais compostas por assessores comissionados dos que têm mandatos.
Respeitando Tolstoi, comecemos pela nossa aldeia, Aracaju. Tive participação no convencimento de Marcio Macedo ser pré-candidato e depois candidato a prefeito de Aracaju, num processo que começou em Janeiro de 2019 e continuou em Janeiro de 2020 e arrefeceu na pandemia.
A candidatura de Marcio só não é vista como estratégica por quem não enxerga que o PT não teria espaço na chapa majoritária de Edvaldo e só tinha como opção a candidatura própria. Essa bola eu cantei em Janeiro de 2019.
O processo de alijamento do PT vem desde uma certa eleição da mesa da Alese e eu acusei o fato. O que já na minha limitação visual por causa da idade não pude deixar de enxergar foi a sucessão de erros táticos que não imaginava mais ser possível acontecer, sendo o maior deles direcionar o central do combate a Edivaldo Nogueira e não à delegada. Erro Crasso.
No mais, digo que, o Partido dos Trabalhadores continua vivo e vai saber tirar lições para continuar acumulando sabedoria.

* Rômulo Rodrigues é militante político

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS