Aulas presenciais começam a ser retomadas nesta segunda

Cidades

 

Milton Alves Júnior 
Depois de dez meses com as atividades suspensas, unidades educacionais de todos os níveis voltam oficialmente, a partir desta segunda-feira, a receber estudantes em suas salas de aula e laboratórios. A medida ocorre em respeito ao decreto assinado pelo governador Belivaldo Chagas, em 03 de dezembro do ano passado, quando o Governo do Estado deliberou o início do ano letivo em todas as unidades públicas e particulares. Também com base no relatório apresentado pelo Comitê Técnico-Científico e de Atividades Especiais (Ctcae), cerca de 42 mil alunos das redes pública e privada, que cursam o último ano do ensino médio, já haviam retornado às atividades presenciais no mês passado. 
Apesar da liberação, as secretarias de Educação de Aracaju e do Estado preveem o reinício das aulas a partir do dia 22 de março. Para que essa liberação se tornasse real, as unidades precisam respeitar integralmente sete medidas institucionais de segurança sanitária e seis medidas individuais para profissionais da educação, alunos e responsáveis. Com base na portaria conjunta apresentada pelo Governo Federal, as medidas institucionais foram divididas nas seguintes áreas: educativas; de distanciamento social; sobre uso de máscaras; de limpeza e desinfecção; de controle de temperatura; de cuidados com as pessoas com suspeita de contaminação e de uso do transporte escolar. 
Apresentado como principal dificuldade operacional, no quesito distanciamento social, cada escola deve reorganizar as salas de aula e/ou fluxo de alunos para cumprir o distanciamento mínimo (1,5 m) entre pessoas e suspender temporariamente atividades em grupos de alunos, assim como jogos, competições, festas, reuniões, comemorações e atividades que envolvam coletividade. Até o final da tarde de desta sexta-feira - em medida não unânime -, escolas particulares não incluíram na grade educacional a opção de educação em turno integral. Numa pesquisa realizada por telefone entre os últimos dias 12 e 15 de janeiro, o JORNAL DO DIA conversou com onze unidades escolares e observou que, destas, quatro seguem oferecendo a dupla jornada escolar. 
De acordo com o presidente da Federação dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de Sergipe (Fenen-SE), Renir Damasceno, que também é membro do Conselho Estadual de Educação (CEE), é consenso unificado desde o mês de outubro que a rede de escolas particulares está pronta para as aulas presenciais. "Nossa preocupação é com um retorno criterioso seguindo as normas do protocolo, que elaboramos em parceria com o Instituto Motivação, de São Paulo, empresa com expertise no assunto. O material foi apresentado a diversos setores importantes da sociedade, a exemplo da Amase, do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE), do Ministério Público de Sergipe (MPSE), da Defensoria Pública e dos Conselhos de Educação Estadual e Municipal", declarou. 
Sem deixar de apresentar e enaltecer a impaciência do setor no que se refere a uma possível 'demora' na liberação das atividades presenciais, Renir Damasceno garantiu que o Governo de Sergipe já havia sido provocado para atender - mesmo que gradativamente - ao pleito das escolas ainda no início do segundo semestre de 2020. "Deveríamos ter retornado antes. Há meses aguardamos essa retomada. Dificilmente uma criança está totalmente isolada em casa. Outros espaços sociais representam mais riscos para a saúde das crianças. Estávamos no aguardo da liberação pelos órgãos competentes, por entender que as escolas estão preparadas para esse retorno", pontuou o presidente. 
Transporte escolar - Em comunicado oficial, a Associação dos Transportadores Escolares do Estado de Sergipe (Astranspe), garantiu que vai respeitar o protocolo estadual o qual estabeleceu que o motorista do veículo e a equipe de suporte devem desinfectar e higienizar o veículo ao menos duas vezes ao dia e garantir o uso de máscara por todos, além de planejar para que os assentos fiquem espaçados. Enfrentando cenário semelhante às escolas, o presidente da associação, José Wellington Santos, garantiu que o momento é vivenciado com ampla expectativa, devido ao acúmulo de sucessivos problemas enfrentados pelo setor, em especial, durante os últimos dez meses de 2020. 
"Cerca de 250 permissionários tiveram sua renda comprometida. O momento atual é de muita expectativa, mas também de muita cautela. Esperamos que a vacina chegue logo; enquanto isso lamentavelmente ainda não acontece, bem como seguimos enfrentando a pandemia, os carros seguirão os protocolos de saúde. O motorista estará de máscara e os alunos também deverão usar; além disso, os carros terão álcool em gel disponível para os alunos utilizarem no trajeto entre a casa e a escola e vice-versa", destacou Wellington.

Milton Alves Júnior 

Depois de dez meses com as atividades suspensas, unidades educacionais de todos os níveis voltam oficialmente, a partir desta segunda-feira, a receber estudantes em suas salas de aula e laboratórios. A medida ocorre em respeito ao decreto assinado pelo governador Belivaldo Chagas, em 03 de dezembro do ano passado, quando o Governo do Estado deliberou o início do ano letivo em todas as unidades públicas e particulares. Também com base no relatório apresentado pelo Comitê Técnico-Científico e de Atividades Especiais (Ctcae), cerca de 42 mil alunos das redes pública e privada, que cursam o último ano do ensino médio, já haviam retornado às atividades presenciais no mês passado. 
Apesar da liberação, as secretarias de Educação de Aracaju e do Estado preveem o reinício das aulas a partir do dia 22 de março. Para que essa liberação se tornasse real, as unidades precisam respeitar integralmente sete medidas institucionais de segurança sanitária e seis medidas individuais para profissionais da educação, alunos e responsáveis. Com base na portaria conjunta apresentada pelo Governo Federal, as medidas institucionais foram divididas nas seguintes áreas: educativas; de distanciamento social; sobre uso de máscaras; de limpeza e desinfecção; de controle de temperatura; de cuidados com as pessoas com suspeita de contaminação e de uso do transporte escolar. 
Apresentado como principal dificuldade operacional, no quesito distanciamento social, cada escola deve reorganizar as salas de aula e/ou fluxo de alunos para cumprir o distanciamento mínimo (1,5 m) entre pessoas e suspender temporariamente atividades em grupos de alunos, assim como jogos, competições, festas, reuniões, comemorações e atividades que envolvam coletividade. Até o final da tarde de desta sexta-feira - em medida não unânime -, escolas particulares não incluíram na grade educacional a opção de educação em turno integral. Numa pesquisa realizada por telefone entre os últimos dias 12 e 15 de janeiro, o JORNAL DO DIA conversou com onze unidades escolares e observou que, destas, quatro seguem oferecendo a dupla jornada escolar. 
De acordo com o presidente da Federação dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de Sergipe (Fenen-SE), Renir Damasceno, que também é membro do Conselho Estadual de Educação (CEE), é consenso unificado desde o mês de outubro que a rede de escolas particulares está pronta para as aulas presenciais. "Nossa preocupação é com um retorno criterioso seguindo as normas do protocolo, que elaboramos em parceria com o Instituto Motivação, de São Paulo, empresa com expertise no assunto. O material foi apresentado a diversos setores importantes da sociedade, a exemplo da Amase, do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE), do Ministério Público de Sergipe (MPSE), da Defensoria Pública e dos Conselhos de Educação Estadual e Municipal", declarou. 
Sem deixar de apresentar e enaltecer a impaciência do setor no que se refere a uma possível 'demora' na liberação das atividades presenciais, Renir Damasceno garantiu que o Governo de Sergipe já havia sido provocado para atender - mesmo que gradativamente - ao pleito das escolas ainda no início do segundo semestre de 2020. "Deveríamos ter retornado antes. Há meses aguardamos essa retomada. Dificilmente uma criança está totalmente isolada em casa. Outros espaços sociais representam mais riscos para a saúde das crianças. Estávamos no aguardo da liberação pelos órgãos competentes, por entender que as escolas estão preparadas para esse retorno", pontuou o presidente. 

Transporte escolar - Em comunicado oficial, a Associação dos Transportadores Escolares do Estado de Sergipe (Astranspe), garantiu que vai respeitar o protocolo estadual o qual estabeleceu que o motorista do veículo e a equipe de suporte devem desinfectar e higienizar o veículo ao menos duas vezes ao dia e garantir o uso de máscara por todos, além de planejar para que os assentos fiquem espaçados. Enfrentando cenário semelhante às escolas, o presidente da associação, José Wellington Santos, garantiu que o momento é vivenciado com ampla expectativa, devido ao acúmulo de sucessivos problemas enfrentados pelo setor, em especial, durante os últimos dez meses de 2020. 
"Cerca de 250 permissionários tiveram sua renda comprometida. O momento atual é de muita expectativa, mas também de muita cautela. Esperamos que a vacina chegue logo; enquanto isso lamentavelmente ainda não acontece, bem como seguimos enfrentando a pandemia, os carros seguirão os protocolos de saúde. O motorista estará de máscara e os alunos também deverão usar; além disso, os carros terão álcool em gel disponível para os alunos utilizarem no trajeto entre a casa e a escola e vice-versa", destacou Wellington.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS