MENTIRAS E MENTIRINHAS

Opinião

 

* José Fernandes de Lima 
De tanto ouvir falar que determinadas autoridades estão mentindo, fui buscar informações sobre o tema e encontrei algumas curiosidades que arrisco dividir com os colegas leitores.
Há quem diga que a mentira é uma afirmação falsa, dita por alguém que sabe que ela é falsa. Se adotarmos esta definição, podemos concluir que a mentira requer uma intenção. Seremos levados diferenciar a transmissão de informação falsa sem a devida consciência daquela produzida e espalhada pelo próprio indivíduo.
A mentira por si só é complexa e pode ser analisada sob vários aspectos. Pode ser vista como boa ou não, a depender dos valores éticos adotados.Há pessoas que são tolerantes com a mentira e outras que não a admitem. 
A tolerância com a mentira depende da cultura, depende do lugar e da época. Em geral, dentre as mentiras mais toleráveis estão as desculpas para evitar um encontro, aquelas destinadas a justificar o atraso, as afirmações positivas sobre o estado de saúde e as opiniões insinceras para evitar constrangimentos.É até mais comum do que deveria ser as pessoas chegarem atrasadas a um evento e colocarem a culpa no trânsito, ou ligarem dizendo que já estão chegando, quando estão apenas saindo de casa.   
Um fator que pesa muito para aceitação ou não de uma mentira é o fato de o indivíduo conhecer ou não o assunto, ter ou não ter a intenção de enganar, acreditar ou não no que diz. 
Um exemplo no qual foram abordados esses atenuantes foi o caso do ex-presidente Bill Clinton. Ele foi apanhado praticando um ato sexual tido como inadequado para aquele recinto e, quando indagado, negou. Quando foi processado por mentir, ele disse que não havia mentido, que no seu entendimento aquilo não era sexo, era outra coisa e só por isso ele havia negado. Escapou ileso. 
Nos processos penais, a mentira do réu, durante um interrogatório, é aceitável. Por outro lado, a testemunha não pode mentir, em nenhuma hipótese.
As pessoas mentem por diversos motivos. Mentem para fugir do castigo, mentem para acusar os outros, para tirar vantagens, para zombar dos outros, para fazer piadas, para se vangloriar. A mentira utilizada com o intuito de se vangloriar é a alma do INSTAGRAM.Essa parece ser, também, a motivação daqueles que mentem sobre seus currículos. 
Alguns especialistas afirmam que as crianças começam a mentir aos dois anos de idade. Outros dizem que elas começam a mentir ainda na barriga da mãe.Uns citam o choro falso que as crianças emitem aos seis meses de idade como sendo um exemplo de mentira.
Quando procuram transmitir valores para suas crianças, as famílias e as escolas ensinam que a mentira é ruim e deve ser evitada. Muitos aprendem a lição e a levam para a maturidade. Outros absorvem tais ensinamentos sem muito entusiasmo. 
A capacidade de detectar a mentira é um aspecto que merece ser estudado. As crianças pequenas não sabem detectar as mentiras. Elas só aprendem quando vão crescendo.
Há indivíduos que, mesmo depois de adulto, não desenvolveram a capacidade de detectar mentiras. Esses são alvos fáceis dos mentirosos. 
No âmbito policial, existem especialistas em detecção de mentiras. Eles analisam os gestos do indivíduo e descobrem se ele está mentindo ou não. A polícia usa também instrumentos eletrônicos chamados detectores de mentira.  
No livro As aventuras de Pinóquio,o escritor Carlo Collodi apresenta um detector de mentiras altamente eficiente. Trata-se do nariz do boneco Pinóquio que cresce, toda vez que ele conta uma mentira. O boneco construído pelo carpinteiroGepetto não consegue esconder seus deslizes e mentiras porque o seu nariz o denuncia de forma explicita. 
A tolerância com a mentira parece ter crescido nos últimos tempos.  Essa tolerância pode ser notada pelas próprias palavras que são adotadas. No âmbito do parlamento, por exemplo, ao invés de dizer mentira, os parlamentares passaram a usar a palavra inverdade e ao invés de dizer Vossa Excelência mentiu, dizem Vossa Excelência faltou com a verdade. A linguagem utilizada demonstra um abrandamento da crítica e um aumento da tolerância. Quando batizamos a mentira com o nome bonito de fake News, podemos estar também amenizando o tamanho do delito. 
A mentira sempre existiu. Uma novidade do momento é a facilidade com que ela está conseguindo se espalhar. Caiu por terra aquele ditado que dizia que a mentira tem pernas curtas. Hoje, na disputa com a verdade, a mentira está levando vantagem. Está se espalhando com mais facilidade do que a sua oponente.
No estágio atual de desenvolvimento das redes sociais, uma mentira que receba uma grande quantidade de likes passa, imediatamente, a ser vista como uma verdade. 
Esse último tópico requer um aprofundamento que não cabe nesse curto espaço de papel.
* José Fernandes de Lima, Físico, Educador, Presidente da AssociaçãoSergipana de Ciência (ASCi)

* José Fernandes de Lima 

De tanto ouvir falar que determinadas autoridades estão mentindo, fui buscar informações sobre o tema e encontrei algumas curiosidades que arrisco dividir com os colegas leitores.
Há quem diga que a mentira é uma afirmação falsa, dita por alguém que sabe que ela é falsa. Se adotarmos esta definição, podemos concluir que a mentira requer uma intenção. Seremos levados diferenciar a transmissão de informação falsa sem a devida consciência daquela produzida e espalhada pelo próprio indivíduo.
A mentira por si só é complexa e pode ser analisada sob vários aspectos. Pode ser vista como boa ou não, a depender dos valores éticos adotados.Há pessoas que são tolerantes com a mentira e outras que não a admitem. 
A tolerância com a mentira depende da cultura, depende do lugar e da época. Em geral, dentre as mentiras mais toleráveis estão as desculpas para evitar um encontro, aquelas destinadas a justificar o atraso, as afirmações positivas sobre o estado de saúde e as opiniões insinceras para evitar constrangimentos.É até mais comum do que deveria ser as pessoas chegarem atrasadas a um evento e colocarem a culpa no trânsito, ou ligarem dizendo que já estão chegando, quando estão apenas saindo de casa.   
Um fator que pesa muito para aceitação ou não de uma mentira é o fato de o indivíduo conhecer ou não o assunto, ter ou não ter a intenção de enganar, acreditar ou não no que diz. 
Um exemplo no qual foram abordados esses atenuantes foi o caso do ex-presidente Bill Clinton. Ele foi apanhado praticando um ato sexual tido como inadequado para aquele recinto e, quando indagado, negou. Quando foi processado por mentir, ele disse que não havia mentido, que no seu entendimento aquilo não era sexo, era outra coisa e só por isso ele havia negado. Escapou ileso. 
Nos processos penais, a mentira do réu, durante um interrogatório, é aceitável. Por outro lado, a testemunha não pode mentir, em nenhuma hipótese.
As pessoas mentem por diversos motivos. Mentem para fugir do castigo, mentem para acusar os outros, para tirar vantagens, para zombar dos outros, para fazer piadas, para se vangloriar. A mentira utilizada com o intuito de se vangloriar é a alma do INSTAGRAM.Essa parece ser, também, a motivação daqueles que mentem sobre seus currículos. 
Alguns especialistas afirmam que as crianças começam a mentir aos dois anos de idade. Outros dizem que elas começam a mentir ainda na barriga da mãe.Uns citam o choro falso que as crianças emitem aos seis meses de idade como sendo um exemplo de mentira.
Quando procuram transmitir valores para suas crianças, as famílias e as escolas ensinam que a mentira é ruim e deve ser evitada. Muitos aprendem a lição e a levam para a maturidade. Outros absorvem tais ensinamentos sem muito entusiasmo. 
A capacidade de detectar a mentira é um aspecto que merece ser estudado. As crianças pequenas não sabem detectar as mentiras. Elas só aprendem quando vão crescendo.
Há indivíduos que, mesmo depois de adulto, não desenvolveram a capacidade de detectar mentiras. Esses são alvos fáceis dos mentirosos. 
No âmbito policial, existem especialistas em detecção de mentiras. Eles analisam os gestos do indivíduo e descobrem se ele está mentindo ou não. A polícia usa também instrumentos eletrônicos chamados detectores de mentira.  
No livro As aventuras de Pinóquio,o escritor Carlo Collodi apresenta um detector de mentiras altamente eficiente. Trata-se do nariz do boneco Pinóquio que cresce, toda vez que ele conta uma mentira. O boneco construído pelo carpinteiroGepetto não consegue esconder seus deslizes e mentiras porque o seu nariz o denuncia de forma explicita. 
A tolerância com a mentira parece ter crescido nos últimos tempos.  Essa tolerância pode ser notada pelas próprias palavras que são adotadas. No âmbito do parlamento, por exemplo, ao invés de dizer mentira, os parlamentares passaram a usar a palavra inverdade e ao invés de dizer Vossa Excelência mentiu, dizem Vossa Excelência faltou com a verdade. A linguagem utilizada demonstra um abrandamento da crítica e um aumento da tolerância. Quando batizamos a mentira com o nome bonito de fake News, podemos estar também amenizando o tamanho do delito. 
A mentira sempre existiu. Uma novidade do momento é a facilidade com que ela está conseguindo se espalhar. Caiu por terra aquele ditado que dizia que a mentira tem pernas curtas. Hoje, na disputa com a verdade, a mentira está levando vantagem. Está se espalhando com mais facilidade do que a sua oponente.
No estágio atual de desenvolvimento das redes sociais, uma mentira que receba uma grande quantidade de likes passa, imediatamente, a ser vista como uma verdade. 
Esse último tópico requer um aprofundamento que não cabe nesse curto espaço de papel.

* José Fernandes de Lima, Físico, Educador, Presidente da AssociaçãoSergipana de Ciência (ASCi)

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS