Dúbio e reticente

Opinião

 

Governadores e prefeitos brasileiros precisam 
decidir se fazem coro aos protestos negacio
nistas do presidente Jair Bolsonaro, ou se atuam para preservar as vidas dos cidadãos. O decreto mais recente do governador Belivaldo Chagas, por exemplo, dá um descabido passo atrás e afrouxa restrições no momento mais delicado da pandemia.
Não há razão para baixar a guarda. Os leitos de hospitais continuam lotados. Os números do contágio seguem exorbitantes. Apesar disso, Belivaldo toma agora uma decisão contrária às recomendações dos especialistas. É por força do comportamento dúbio e reticente dos gestores públicos, aliás, que a pandemia mata muito além do necessário, a ponto de transformar o Brasil em uma ameaça mundial.
De acordo com o novo decreto de Belivaldo, o toque de recolher passa a vigorar entre as 22h e as 05h. Na prática, a decisão permite que o comércio mantenha as portas abertas por mais tempo, incentivando que as pessoas saiam às ruas, potencializando as possibilidades de contágio.
A vacilada de Belivaldo ocorre em um momento temerário, justo quando começa a faltar vacinas para imunizar a população. Ainda não é o caso de Sergipe. Mas João Pessoa (PB), Rio Branco (AC) e Salvador (BA) suspenderam a vacinação contra Covid-19 por falta de doses. Já os estados de São Paulo, Rio e Minas enfrentam escassez do "kit intubação". Não dá para confiar, portanto, nos planos vindos de cima. Infelizmente, o isolamento social ainda é o único recurso garantido que resta ao cidadão.

Governadores e prefeitos brasileiros precisam  decidir se fazem coro aos protestos negacio nistas do presidente Jair Bolsonaro, ou se atuam para preservar as vidas dos cidadãos. O decreto mais recente do governador Belivaldo Chagas, por exemplo, dá um descabido passo atrás e afrouxa restrições no momento mais delicado da pandemia.
Não há razão para baixar a guarda. Os leitos de hospitais continuam lotados. Os números do contágio seguem exorbitantes. Apesar disso, Belivaldo toma agora uma decisão contrária às recomendações dos especialistas. É por força do comportamento dúbio e reticente dos gestores públicos, aliás, que a pandemia mata muito além do necessário, a ponto de transformar o Brasil em uma ameaça mundial.
De acordo com o novo decreto de Belivaldo, o toque de recolher passa a vigorar entre as 22h e as 05h. Na prática, a decisão permite que o comércio mantenha as portas abertas por mais tempo, incentivando que as pessoas saiam às ruas, potencializando as possibilidades de contágio.
A vacilada de Belivaldo ocorre em um momento temerário, justo quando começa a faltar vacinas para imunizar a população. Ainda não é o caso de Sergipe. Mas João Pessoa (PB), Rio Branco (AC) e Salvador (BA) suspenderam a vacinação contra Covid-19 por falta de doses. Já os estados de São Paulo, Rio e Minas enfrentam escassez do "kit intubação". Não dá para confiar, portanto, nos planos vindos de cima. Infelizmente, o isolamento social ainda é o único recurso garantido que resta ao cidadão.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS