CPF cancelado, o Brasil tem um necrogoverno

Opinião

 

* Cristiano Lima
O Brasil tem um governo que comemora e promove a morte, de fato é um necrogoverno: CPF cancelado é medonho e tem objetivos.
Bolsonaro tem a face do ódio, suas atitudes jamais devem ser interpretadas como resultados de incompetência. Uma interpretação nesse sentido nos coloca impotentes frente a este monstro frio e calculista.
Apostando, ainda, em sua imagem de arrogante e insensível, Jair Messias Bolsonaro buscou holofotes ao lado de um de seus apoiadores mais esdrúxulos, Sikera Júnior, um apresentador que força uma encenação grotesca, rudimentar e de baixo teor informativo em seu programa fantasiado de telejornal.
Em uma visita à Cidade de Manaus, no último dia 23 de abril, cidade esta que foi alvo do descaso planejado do governo, (Manaus vivenciou nos dias 14 e 15 de janeiro um colapso no sistema de saúde em decorrência da falta do insumo, essencial para tratar casos graves de Covid-19: Oxigênio.) Bolsonaro, utilizando um cartão fictício de CPF com uma tarja de cancelado, ao lado do apresentador Sikera Júnior e de outros apoiadores, protagonizou uma imagem que transmite toda a sua indiferença à vida humana.
É bom esclarecermos que vivemos em um Estado regido por uma Constituição Federal e que nesta mesma Constituição não se permite a pena de morte como forma de punição.
Quando o representante da República Federativa do Brasil, presidente este que jurou respeitar a Constituição Federal de 1988, se coloca propagando a morte, tendo em vista que este tipo de encenação com um cartão de CPF cancelado, no dito programa do apresentador citado, se refere a uma comemoração quando um suspeito de crime é morto, pode ser entendido como uma afronta a Constituição, pois coloca o Presidente da República, nesse caso, Jair Messias Bolsonaro como contrário ao que reza a Constituição, configurando assim uma ameaça.
"A proibição da pena de morte, por estar inserida no rol dos direitos e garantias individuais (CF/88, art. 5º), sendo, dessa forma, considerada cláusula pétrea (CF/88, art. 60, §4º, IV), não poderá sofrer qualquer tentativa de emenda ou alteração. Essa vedação consiste em verdadeiro escudo contra a exacerbação do direito de punir, devendo, portanto, ser imune a mudanças."
Bolsonaro sabe o que faz, não é uma simples foto com apoiadores ou uma brincadeirinha de péssimo gosto, por trás disso existe seu desejo por desordem, por um Estado de barbárie, do estímulo ao armamento da população. Bolsonaro, não devemos nos deixar enganar, utiliza da Constituição, não para garantias dos direitos, mas para deturpá-los e agradar àqueles que em si, não lhes resta mais humanidade.
A garantia do direito do ir e vir, é comumente atacada por Bolsonaro, que o utiliza para comprometer um outro direito que é o da preservação da vida.
Bolsonaro já chegou a afirmar que utilizaria as forças armadas para impedir formas de combate a pandemia do Covid 19 no Brasil, como o toque de recolher, utilizando para isso, de forma equívoca e capciosa a garantia do direito de ir e vir.
Os últimos 3 anos já foram o suficiente para distinguirmos aqueles que foram enganados daqueles que se agradaram com sua eleição e seus desmandos frente ao Brasil. Muitos daqueles que apoiaram Bolsonaro, hoje, já percebem o que Bolsonaro, de fato, representa e repudiam suas atitudes.
Está mais do que na hora de separarmos o joio do trigo e percebermos aqueles que estão abertos ao diálogo, porém, não basta, tão somente apontar as catástrofes realizadas pelo desgoverno Bolsonaro, mas sinalizamos a direção de retomada da soberania e do crescimento: Lula!
* Cristiano Lima, educador, graduando em Geografia pela UERJ - CEDERJ e escritor

* Cristiano Lima

O Brasil tem um governo que comemora e promove a morte, de fato é um necrogoverno: CPF cancelado é medonho e tem objetivos.
Bolsonaro tem a face do ódio, suas atitudes jamais devem ser interpretadas como resultados de incompetência. Uma interpretação nesse sentido nos coloca impotentes frente a este monstro frio e calculista.
Apostando, ainda, em sua imagem de arrogante e insensível, Jair Messias Bolsonaro buscou holofotes ao lado de um de seus apoiadores mais esdrúxulos, Sikera Júnior, um apresentador que força uma encenação grotesca, rudimentar e de baixo teor informativo em seu programa fantasiado de telejornal.
Em uma visita à Cidade de Manaus, no último dia 23 de abril, cidade esta que foi alvo do descaso planejado do governo, (Manaus vivenciou nos dias 14 e 15 de janeiro um colapso no sistema de saúde em decorrência da falta do insumo, essencial para tratar casos graves de Covid-19: Oxigênio.) Bolsonaro, utilizando um cartão fictício de CPF com uma tarja de cancelado, ao lado do apresentador Sikera Júnior e de outros apoiadores, protagonizou uma imagem que transmite toda a sua indiferença à vida humana.
É bom esclarecermos que vivemos em um Estado regido por uma Constituição Federal e que nesta mesma Constituição não se permite a pena de morte como forma de punição.
Quando o representante da República Federativa do Brasil, presidente este que jurou respeitar a Constituição Federal de 1988, se coloca propagando a morte, tendo em vista que este tipo de encenação com um cartão de CPF cancelado, no dito programa do apresentador citado, se refere a uma comemoração quando um suspeito de crime é morto, pode ser entendido como uma afronta a Constituição, pois coloca o Presidente da República, nesse caso, Jair Messias Bolsonaro como contrário ao que reza a Constituição, configurando assim uma ameaça.
"A proibição da pena de morte, por estar inserida no rol dos direitos e garantias individuais (CF/88, art. 5º), sendo, dessa forma, considerada cláusula pétrea (CF/88, art. 60, §4º, IV), não poderá sofrer qualquer tentativa de emenda ou alteração. Essa vedação consiste em verdadeiro escudo contra a exacerbação do direito de punir, devendo, portanto, ser imune a mudanças."
Bolsonaro sabe o que faz, não é uma simples foto com apoiadores ou uma brincadeirinha de péssimo gosto, por trás disso existe seu desejo por desordem, por um Estado de barbárie, do estímulo ao armamento da população. Bolsonaro, não devemos nos deixar enganar, utiliza da Constituição, não para garantias dos direitos, mas para deturpá-los e agradar àqueles que em si, não lhes resta mais humanidade.
A garantia do direito do ir e vir, é comumente atacada por Bolsonaro, que o utiliza para comprometer um outro direito que é o da preservação da vida.
Bolsonaro já chegou a afirmar que utilizaria as forças armadas para impedir formas de combate a pandemia do Covid 19 no Brasil, como o toque de recolher, utilizando para isso, de forma equívoca e capciosa a garantia do direito de ir e vir.
Os últimos 3 anos já foram o suficiente para distinguirmos aqueles que foram enganados daqueles que se agradaram com sua eleição e seus desmandos frente ao Brasil. Muitos daqueles que apoiaram Bolsonaro, hoje, já percebem o que Bolsonaro, de fato, representa e repudiam suas atitudes.
Está mais do que na hora de separarmos o joio do trigo e percebermos aqueles que estão abertos ao diálogo, porém, não basta, tão somente apontar as catástrofes realizadas pelo desgoverno Bolsonaro, mas sinalizamos a direção de retomada da soberania e do crescimento: Lula!

* Cristiano Lima, educador, graduando em Geografia pela UERJ - CEDERJ e escritor

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS