Carreata Solidária do 1º de Maio arrecada 2 mil quilos de alimentos em Sergipe

Cidades

 

Na comemoração do Dia Primeiro de Maio, na Praça do Siqueira Campos, mais doações feitas por sindicalistas, trabalhadores e moradores do bairro se somaram na construção da Carreata Solidária 'A culpa da Fome é de Bolsonaro', organizada pelas centrais sindicais e movimentos sociais.
Só no sábado foram arrecadados 2 mil quilos de alimentos, além da doação de roupas e itens de higiene pessoal. A Carreata Solidária partiu do bairro Siqueira Campos e foi até o Bairro América. Já receberam as doações o MTST (Trabalhadores Sem Teto), o Sindomestica/SE (Sindicato dos Trabalhadores Domésticos de Sergipe) e o Centro Social Dom Távora. Ao longo da próxima semana, as doações serão entregues ao MOTU (Trabalhadores Urbanos) e à Unidas.
Antes da saída da Carreata Solidária, logo cedo, algumas mulheres trabalhadoras fizeram uma caminhada pelo bairro para dialogar com a população e pedir colaborações à Campanha Solidária.
Vice-presidenta da CUT Sergipe, a professora Ivônia Ferreira alertou para os cuidados com a Covid e sobre a lotação dos hospitais. "É preciso continuar com os cuidados contra a Covid para não precisar da UTI, pois sabemos que as pessoas já fazem fila à espera de uma vaga. Precisamos ser solidários e ajudar aqueles que estão desempregados e sem condições de trabalhar. Não vamos abrir mão de fazer luta. O Dia do Trabalhador é a data para olhar no olho de quem ainda apoia este governo genocida e dizer que Bolsonaro ataca os direitos dos trabalhadores todos os dias", afirmou.
A jornalista e secretária de Formação da CUT Sergipe, Caroline Santos afirmou que a solidariedade é a única forma de nos protegermos neste momento difícil que estamos enfrentando. "Estamos fazendo um movimento diferente porque sabemos que a fome bate na porta de todo mundo. Quem ainda tem emprego pode ajudar a quem precisa. A brasileira não tem culpa de estar sem emprego. O brasileiro não tem culpa de estar passando fome. Estamos sem vacina. De quem é a culpa? Quem é o responsável pela falta de comida na mesa do trabalhador e da família brasileira? O responsável pelo caos que estamos vivendo é Bolsonaro. Por isto, neste 1º de maio, mais do que outros, é o 1º de maio pela vida".
O presidente da CUT Sergipe, Roberto Silva, explicou por que Bolsonaro é o genocida responsável pelas mais de 400 mil mortes por Covid-19. "Infelizmente estamos diante de um assassinato em massa. O governo que não deu importância ao uso de máscaras, à vacina, ao auxilio emergencial é o responsável por essas mortes. Pagar R$150, um do país rico como o Brasil, é uma vergonha. Os trabalhadores tiveram que sair às ruas pra buscar o seu sustento e se depararam com um transporte superlotado e infectado. Hoje a gente vive uma pandemia sem controle, com UTIs superlotadas e mortes diárias. Outros países estão voltando ao normal e o Brasil não vacinou nem 10% da sua população", criticou o presidente da CUT Sergipe.

Na comemoração do Dia Primeiro de Maio, na Praça do Siqueira Campos, mais doações feitas por sindicalistas, trabalhadores e moradores do bairro se somaram na construção da Carreata Solidária 'A culpa da Fome é de Bolsonaro', organizada pelas centrais sindicais e movimentos sociais.
Só no sábado foram arrecadados 2 mil quilos de alimentos, além da doação de roupas e itens de higiene pessoal. A Carreata Solidária partiu do bairro Siqueira Campos e foi até o Bairro América. Já receberam as doações o MTST (Trabalhadores Sem Teto), o Sindomestica/SE (Sindicato dos Trabalhadores Domésticos de Sergipe) e o Centro Social Dom Távora. Ao longo da próxima semana, as doações serão entregues ao MOTU (Trabalhadores Urbanos) e à Unidas.
Antes da saída da Carreata Solidária, logo cedo, algumas mulheres trabalhadoras fizeram uma caminhada pelo bairro para dialogar com a população e pedir colaborações à Campanha Solidária.
Vice-presidenta da CUT Sergipe, a professora Ivônia Ferreira alertou para os cuidados com a Covid e sobre a lotação dos hospitais. "É preciso continuar com os cuidados contra a Covid para não precisar da UTI, pois sabemos que as pessoas já fazem fila à espera de uma vaga. Precisamos ser solidários e ajudar aqueles que estão desempregados e sem condições de trabalhar. Não vamos abrir mão de fazer luta. O Dia do Trabalhador é a data para olhar no olho de quem ainda apoia este governo genocida e dizer que Bolsonaro ataca os direitos dos trabalhadores todos os dias", afirmou.
A jornalista e secretária de Formação da CUT Sergipe, Caroline Santos afirmou que a solidariedade é a única forma de nos protegermos neste momento difícil que estamos enfrentando. "Estamos fazendo um movimento diferente porque sabemos que a fome bate na porta de todo mundo. Quem ainda tem emprego pode ajudar a quem precisa. A brasileira não tem culpa de estar sem emprego. O brasileiro não tem culpa de estar passando fome. Estamos sem vacina. De quem é a culpa? Quem é o responsável pela falta de comida na mesa do trabalhador e da família brasileira? O responsável pelo caos que estamos vivendo é Bolsonaro. Por isto, neste 1º de maio, mais do que outros, é o 1º de maio pela vida".
O presidente da CUT Sergipe, Roberto Silva, explicou por que Bolsonaro é o genocida responsável pelas mais de 400 mil mortes por Covid-19. "Infelizmente estamos diante de um assassinato em massa. O governo que não deu importância ao uso de máscaras, à vacina, ao auxilio emergencial é o responsável por essas mortes. Pagar R$150, um do país rico como o Brasil, é uma vergonha. Os trabalhadores tiveram que sair às ruas pra buscar o seu sustento e se depararam com um transporte superlotado e infectado. Hoje a gente vive uma pandemia sem controle, com UTIs superlotadas e mortes diárias. Outros países estão voltando ao normal e o Brasil não vacinou nem 10% da sua população", criticou o presidente da CUT Sergipe.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS