A evolução do uso do PIX

Saumínio Nascimento

 

Neste breve ensaio irei reproduzir diver
sas informações disponibilizadas pelo 
Banco Central do Brasil com o objetivo de difundir e desmistificar o uso do PIX, numa perspectiva de que efetivamente a sociedade tenha confiança e possa utilizar esta importante inovação que foi implementada no sistema financeiro de nosso país, dentro de uma relevante ação de modernização dos nossos meios de pagamento propiciada pelo Banco Central do Brasil (BCB).
Conforme definido pela nossa autoridade monetária, o Pix é a solução de pagamento instantâneo, criada e gerida pelo Banco Central do Brasil (BC), que proporciona a realização de transferências e de pagamentos. O Pix é concluído em poucos segundos, inclusive em relação à disponibilização dos recursos para o recebedor. Eu já comprovei e usei esta agilidade que o PIX proporciona e ajuda bastante nas soluções de questões de pagamentos.
Assim, conforme informado pelo Banco Central, o Pix é um meio de pagamento assim como boleto, TED, DOC, transferências entre contas de uma mesma instituição e cartões de pagamento (débito, crédito e pré-pago).
Mas existe uma vantagem que é destacada, pois o Pix permite que qualquer tipo de transferência e de pagamento seja realizada em qualquer dia, incluindo fins de semana e feriados, e em qualquer hora. E isto é muito bom, pois muitas pessoas possuem mais disponibilidade de tempo para realizar transações é no fim de semana, sendo importante então ver a conclusão da transação também no fim de semana.
Mas é importante termos cuidados com as tentativas de golpes e fraudes que alguns podem tentar realizar. Assim é fundamental que todos saibam que o acesso ao Pix ocorre exclusivamente pelos canais de atendimento das instituições financeiras e de pagamento (celular, internet banking, agências, caixas eletrônicos) ou nos correspondentes bancários, como lotéricas, por exemplo. O Pix é um meio de pagamento disponibilizado por esses prestadores de serviço. Para evitar golpes, tenha a certeza de que está acessando um dos canais autorizados pelo seu banco ou instituição. Não acesse links de sites falsos. Este é um alerta da nossa autoridade monetária.
Cabe destacar que o Banco Central desempenha dois importantes papéis no âmbito do Pix: o de regulador, definindo as regras de funcionamento do Pix, e o de gestor das plataformas operacionais, provendo as infraestruturas tecnológicas necessárias.
Diante destas informações iniciais, julgo que o Banco Central do Brasil merece um voto de confiança da população no sentido de perder o receio de utilizar o PIX, pois ao implementá-lo, o foco do Banco Central foi aumentar a eficiência, a competitividade e a digitalização do mercado de pagamentos de varejo no Brasil. Registre-se que o sistema está em constante avaliação e aperfeiçoamento, numa lógica em que o processo é todo conduzido de forma transparente e democrática, com intensa participação de agentes de mercado e de potenciais usuários, que trazem sugestões e contribuições por meio do Fórum Pix.
O próprio Banco Central destaca que a segurança faz parte do desenho do Pix desde seu princípio, e é priorizada em todos os aspectos do ecossistema, inclusive em relação às transações, às informações pessoais e ao combate à fraude e lavagem de dinheiro. Os requisitos de disponibilidade, confidencialidade, integridade e autenticidade das informações foram cuidadosamente estudados e diversos controles foram implantados para garantir alto nível de segurança.
Vale lembrar que desde 16 de novembro de 2020 que o PIX entrou em funcionamento e muitos bancos e outras instituições financeiras já oferecem esse meio de pagamento.
Além disso, o Banco Central aponta que todas as transações ocorrerão por meio de mensagens assinadas digitalmente e que trafegam de forma criptografada, em uma rede protegida e apartada da Internet. Além disso, No Diretório de Identificadores de Contas Transacionais (DICT), componente que armazenará as informações das chaves Pix, as informações dos usuários também são criptografadas e existem mecanismos de proteção que impedem varreduras das informações pessoais, além de indicadores que auxiliam os participantes do ecossistema na prevenção contra fraudes e lavagem de dinheiro.  
Neste ano de 2021 já temos algumas novidades do PIX, a saber:
Inclusão da conta salário na lista de contas movimentáveis por Pix;
Possibilidade de devolução ágil de recursos pela instituição recebedora, em casos de fundada suspeita de fraude ou falha operacional nos sistemas das instituições participantes;
Saque Pix, para dar ao consumidor mais uma opção de obtenção de dinheiro em espécie e para facilitar a gestão de caixa do lojista;
Pix por aproximação, para dar mais facilidade e conveniência na iniciação de um Pix e para atender casos de uso específicos;
Iniciador de pagamentos no Pix, com desenvolvimentos que seguirão o cronograma estabelecido no Open Banking, para permitir que os iniciadores possam ser participantes do Pix agregando ainda mais competição ao arranjo;
QR Code pagador, que viabilizará a realização de Pix mesmo quando o pagador estiver off-line, ampliando o acesso da sociedade ao Pix;
Pix Cobrança para pagamentos com vencimentos em data futura, podendo incluir juros, multas, acréscimos, descontos e outros abatimentos e, ainda, a integração via padronização de arquivo de remessa e retorno para viabilizar gestão de cobranças em lote. Ainda no âmbito do Pix Cobrança, o início do desenvolvimento da duplicata no Pix que permitirá a antecipação de cobranças do Pix.
Segundo o Banco Central as ações acima serão implementadas em cronograma a ser definido e que será sempre comunicado à população no site da instituição e nas redes sociais.
Diante do exposto, fica a sugestão de quem ainda não utilizou o PIX, fazer um teste e usufruir dos benefícios e da conveniência que este novo sistema propicia, sendo um avanço para os usuários pessoas naturais, comerciantes que realizam negociações diversas e constantes.

Neste breve ensaio irei reproduzir diver sas informações disponibilizadas pelo  Banco Central do Brasil com o objetivo de difundir e desmistificar o uso do PIX, numa perspectiva de que efetivamente a sociedade tenha confiança e possa utilizar esta importante inovação que foi implementada no sistema financeiro de nosso país, dentro de uma relevante ação de modernização dos nossos meios de pagamento propiciada pelo Banco Central do Brasil (BCB).
Conforme definido pela nossa autoridade monetária, o Pix é a solução de pagamento instantâneo, criada e gerida pelo Banco Central do Brasil (BC), que proporciona a realização de transferências e de pagamentos. O Pix é concluído em poucos segundos, inclusive em relação à disponibilização dos recursos para o recebedor. Eu já comprovei e usei esta agilidade que o PIX proporciona e ajuda bastante nas soluções de questões de pagamentos.
Assim, conforme informado pelo Banco Central, o Pix é um meio de pagamento assim como boleto, TED, DOC, transferências entre contas de uma mesma instituição e cartões de pagamento (débito, crédito e pré-pago).
Mas existe uma vantagem que é destacada, pois o Pix permite que qualquer tipo de transferência e de pagamento seja realizada em qualquer dia, incluindo fins de semana e feriados, e em qualquer hora. E isto é muito bom, pois muitas pessoas possuem mais disponibilidade de tempo para realizar transações é no fim de semana, sendo importante então ver a conclusão da transação também no fim de semana.
Mas é importante termos cuidados com as tentativas de golpes e fraudes que alguns podem tentar realizar. Assim é fundamental que todos saibam que o acesso ao Pix ocorre exclusivamente pelos canais de atendimento das instituições financeiras e de pagamento (celular, internet banking, agências, caixas eletrônicos) ou nos correspondentes bancários, como lotéricas, por exemplo. O Pix é um meio de pagamento disponibilizado por esses prestadores de serviço. Para evitar golpes, tenha a certeza de que está acessando um dos canais autorizados pelo seu banco ou instituição. Não acesse links de sites falsos. Este é um alerta da nossa autoridade monetária.
Cabe destacar que o Banco Central desempenha dois importantes papéis no âmbito do Pix: o de regulador, definindo as regras de funcionamento do Pix, e o de gestor das plataformas operacionais, provendo as infraestruturas tecnológicas necessárias.
Diante destas informações iniciais, julgo que o Banco Central do Brasil merece um voto de confiança da população no sentido de perder o receio de utilizar o PIX, pois ao implementá-lo, o foco do Banco Central foi aumentar a eficiência, a competitividade e a digitalização do mercado de pagamentos de varejo no Brasil. Registre-se que o sistema está em constante avaliação e aperfeiçoamento, numa lógica em que o processo é todo conduzido de forma transparente e democrática, com intensa participação de agentes de mercado e de potenciais usuários, que trazem sugestões e contribuições por meio do Fórum Pix.
O próprio Banco Central destaca que a segurança faz parte do desenho do Pix desde seu princípio, e é priorizada em todos os aspectos do ecossistema, inclusive em relação às transações, às informações pessoais e ao combate à fraude e lavagem de dinheiro. Os requisitos de disponibilidade, confidencialidade, integridade e autenticidade das informações foram cuidadosamente estudados e diversos controles foram implantados para garantir alto nível de segurança.
Vale lembrar que desde 16 de novembro de 2020 que o PIX entrou em funcionamento e muitos bancos e outras instituições financeiras já oferecem esse meio de pagamento.
Além disso, o Banco Central aponta que todas as transações ocorrerão por meio de mensagens assinadas digitalmente e que trafegam de forma criptografada, em uma rede protegida e apartada da Internet. Além disso, No Diretório de Identificadores de Contas Transacionais (DICT), componente que armazenará as informações das chaves Pix, as informações dos usuários também são criptografadas e existem mecanismos de proteção que impedem varreduras das informações pessoais, além de indicadores que auxiliam os participantes do ecossistema na prevenção contra fraudes e lavagem de dinheiro.  
Neste ano de 2021 já temos algumas novidades do PIX, a saber:
Inclusão da conta salário na lista de contas movimentáveis por Pix;
Possibilidade de devolução ágil de recursos pela instituição recebedora, em casos de fundada suspeita de fraude ou falha operacional nos sistemas das instituições participantes;
Saque Pix, para dar ao consumidor mais uma opção de obtenção de dinheiro em espécie e para facilitar a gestão de caixa do lojista;
Pix por aproximação, para dar mais facilidade e conveniência na iniciação de um Pix e para atender casos de uso específicos;
Iniciador de pagamentos no Pix, com desenvolvimentos que seguirão o cronograma estabelecido no Open Banking, para permitir que os iniciadores possam ser participantes do Pix agregando ainda mais competição ao arranjo;
QR Code pagador, que viabilizará a realização de Pix mesmo quando o pagador estiver off-line, ampliando o acesso da sociedade ao Pix;
Pix Cobrança para pagamentos com vencimentos em data futura, podendo incluir juros, multas, acréscimos, descontos e outros abatimentos e, ainda, a integração via padronização de arquivo de remessa e retorno para viabilizar gestão de cobranças em lote. Ainda no âmbito do Pix Cobrança, o início do desenvolvimento da duplicata no Pix que permitirá a antecipação de cobranças do Pix.
Segundo o Banco Central as ações acima serão implementadas em cronograma a ser definido e que será sempre comunicado à população no site da instituição e nas redes sociais.
Diante do exposto, fica a sugestão de quem ainda não utilizou o PIX, fazer um teste e usufruir dos benefícios e da conveniência que este novo sistema propicia, sendo um avanço para os usuários pessoas naturais, comerciantes que realizam negociações diversas e constantes.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS