Cenários Econômicos em tempos de pandemia

Saumínio Nascimento

 

Abordarei adiante algumas informa
ções prospectivas da economia mun
dial com base em pesquisas realizadas no Banco de Pagamentos Internacionais (BIS), na lógica de que o 2º semestre de 2021 é uma preparação para uma retomada de crescimento econômico consistente e tênue para que esta segunda década do Século XXI possa garantir a continuidade da prosperidade humana.
De acordo com o BIS, passado um ano e meio desde que a pandemia Covid-19 surgiu do nada, a economia global mergulhou em uma recessão historicamente profunda e com isso, uma crise aguda de saúde se transformou em uma crise econômica avassaladora, pois os legisladores adotaram medidas de contenção rigorosas para salvar vidas. Esta foi uma recessão em resposta a um inimigo invisível insidioso.
Um ponto destacado pelo BIS foi que a orientação política oportuna, enérgica e concertada evitou o pior. Trabalhando juntas, as autoridades monetárias, fiscais e prudenciais conseguiram estabilizar o sistema financeiro e amortecer o golpe. Eles colocam o paciente em um estado de animação suspensa.
É fato que o ano passado foi de muitas incertezas, pois iniciamos um momento mundial em plena era amplamente globalizada de um acontecimento sempre precedentes e sem referência, pois nenhuma pandemia recente foi remotamente tão prejudicial quanto a atual. Muitos comentaram como uma possível referência, o surto de gripe espanhola, porém referida ocorrência foi muito distante e muito diferente da Covid-19, como consequência, conforme divulgado pelo BIS, muitos bancos centrais suspenderam a publicação de previsões, voltando-se para cenários provisórios.
O cenário que iniciamos agora no 2º semestre de 2021 é um pouco diferente, pois sabemos muito mais sobre o inimigo e estamos mais bem equipados para combatê-lo. Sabemos muito mais sobre como a economia responde e até que ponto pode se ajustar.
As informações que temos dos relatórios de diversos organismos internacionais são de que a partir do segundo semestre de 2020, a economia global se recuperou mais fortemente do que o previsto. O consumo privado foi o principal motor do crescimento. Quando a Covid-19 estourou, havia uma preocupação generalizada sobre os efeitos cicatrizantes nos gastos dos consumidores. Temia-se que as preocupações persistentes com a aversão ao risco e o contágio o impediriam.
A realidade seguinte foi de que esses temores revelaram-se infundados. O desejo de normalidade prevaleceu. Sempre que as medidas de contenção eram relaxadas em serviços de contato intensivo, a demanda retornava rapidamente. Além disso, à medida que os consumidores se adaptaram, uma nova mudança para o comércio eletrônico limitou as consequências das restrições.
As informações dos organismos internacionais sinalizam que o PIB mundial está praticamente voltando ao nível anterior à crise. Existe porém, conforme dados do BIS, uma diferença de crescimento do PIB da China em relação aos demais países, pois na China, o PIB está agora bem acima do nível anterior à crise, e o resto do mundo ainda está um pouco abaixo. Isso é verdade até mesmo para os Estados Unidos, que experimentou algumas das taxas de crescimento mais fortes. No mínimo, o quadro geral do mercado de trabalho é um pouco mais fraco.
O cenário existente hoje é de que a recuperação tem sido muito desigual entre os países e setores, refletindo principalmente a evolução da pandemia e, portanto, o rigor das medidas de contenção. A área do euro ficou atrás de outras grandes regiões. E, como grupo, as economias de mercado emergentes - China à parte - tiveram o pior desempenho. Em particular, as economias emergentes que dependem fortemente do turismo internacional foram gravemente atingidas. A fabricação se recuperou fortemente; e o mesmo aconteceu com o comércio de mercadorias, confundindo as expectativas anteriores.
Segundo o BIS, na recuperação econômica, o apoio fiscal tem sido fundamental. Transferências, empréstimos e garantias protegeram empresas e famílias, dando-lhes um oxigênio precioso para se recuperarem. De fato, em muitos países, a renda pessoal disponível na verdade aumentou - em alguns países, como os Estados Unidos, no ritmo mais forte em décadas. As taxas de poupança aumentaram substancialmente - o fenômeno da poupança excessiva. Esquemas de licença generalizados reforçaram os resultados financeiros das empresas e aumentaram o emprego. Os empréstimos e garantias do governo mantiveram o fluxo de recursos.
Ficou evidenciado no relatório do BIS que a política monetária também desempenhou um papel importante. Uma postura extraordinariamente acomodatícia sustentou condições financeiras excepcionalmente fáceis. Estas foram apoiadas mais tarde no período por notícias positivas sobre vacinas e, pelo menos inicialmente, antecipações de estímulo fiscal para a economia nos Estados Unidos.
Do ponto de vista da economia global, o grau de incerteza sobre o futuro pode não ser tão alto quanto há um ano, mas a névoa ainda não se dissipou totalmente. A pandemia ainda não acabou, a campanha global de vacinação é desigual e novas ondas de contágio ainda podem ocorrer. Nem o legado econômico da pandemia veio totalmente à luz.
Diante disso, três outros fatores são a chave para o futuro: a trajetória e o impacto da política fiscal, notadamente o do enorme estímulo dos EUA; a trajetória do consumo, que se recuperou de forma surpreendentemente forte até agora; e o tamanho das perdas potenciais de crédito das empresas, uma vez que a temida onda de insolvências ainda não se materializou.
 
O futuro não será tão organizado e os países passarão por diferentes permutações. Mesmo assim, os cenários juntos fornecem uma gama útil de resultados plausíveis que ajudam a esclarecer os desafios que os formuladores de políticas enfrentam. E neste sentido esperamos um futuro promissor para o Brasil.

Abordarei adiante algumas informa ções prospectivas da economia mun dial com base em pesquisas realizadas no Banco de Pagamentos Internacionais (BIS), na lógica de que o 2º semestre de 2021 é uma preparação para uma retomada de crescimento econômico consistente e tênue para que esta segunda década do Século XXI possa garantir a continuidade da prosperidade humana.
De acordo com o BIS, passado um ano e meio desde que a pandemia Covid-19 surgiu do nada, a economia global mergulhou em uma recessão historicamente profunda e com isso, uma crise aguda de saúde se transformou em uma crise econômica avassaladora, pois os legisladores adotaram medidas de contenção rigorosas para salvar vidas. Esta foi uma recessão em resposta a um inimigo invisível insidioso.
Um ponto destacado pelo BIS foi que a orientação política oportuna, enérgica e concertada evitou o pior. Trabalhando juntas, as autoridades monetárias, fiscais e prudenciais conseguiram estabilizar o sistema financeiro e amortecer o golpe. Eles colocam o paciente em um estado de animação suspensa.
É fato que o ano passado foi de muitas incertezas, pois iniciamos um momento mundial em plena era amplamente globalizada de um acontecimento sempre precedentes e sem referência, pois nenhuma pandemia recente foi remotamente tão prejudicial quanto a atual. Muitos comentaram como uma possível referência, o surto de gripe espanhola, porém referida ocorrência foi muito distante e muito diferente da Covid-19, como consequência, conforme divulgado pelo BIS, muitos bancos centrais suspenderam a publicação de previsões, voltando-se para cenários provisórios.
O cenário que iniciamos agora no 2º semestre de 2021 é um pouco diferente, pois sabemos muito mais sobre o inimigo e estamos mais bem equipados para combatê-lo. Sabemos muito mais sobre como a economia responde e até que ponto pode se ajustar.
As informações que temos dos relatórios de diversos organismos internacionais são de que a partir do segundo semestre de 2020, a economia global se recuperou mais fortemente do que o previsto. O consumo privado foi o principal motor do crescimento. Quando a Covid-19 estourou, havia uma preocupação generalizada sobre os efeitos cicatrizantes nos gastos dos consumidores. Temia-se que as preocupações persistentes com a aversão ao risco e o contágio o impediriam.
A realidade seguinte foi de que esses temores revelaram-se infundados. O desejo de normalidade prevaleceu. Sempre que as medidas de contenção eram relaxadas em serviços de contato intensivo, a demanda retornava rapidamente. Além disso, à medida que os consumidores se adaptaram, uma nova mudança para o comércio eletrônico limitou as consequências das restrições.
As informações dos organismos internacionais sinalizam que o PIB mundial está praticamente voltando ao nível anterior à crise. Existe porém, conforme dados do BIS, uma diferença de crescimento do PIB da China em relação aos demais países, pois na China, o PIB está agora bem acima do nível anterior à crise, e o resto do mundo ainda está um pouco abaixo. Isso é verdade até mesmo para os Estados Unidos, que experimentou algumas das taxas de crescimento mais fortes. No mínimo, o quadro geral do mercado de trabalho é um pouco mais fraco.
O cenário existente hoje é de que a recuperação tem sido muito desigual entre os países e setores, refletindo principalmente a evolução da pandemia e, portanto, o rigor das medidas de contenção. A área do euro ficou atrás de outras grandes regiões. E, como grupo, as economias de mercado emergentes - China à parte - tiveram o pior desempenho. Em particular, as economias emergentes que dependem fortemente do turismo internacional foram gravemente atingidas. A fabricação se recuperou fortemente; e o mesmo aconteceu com o comércio de mercadorias, confundindo as expectativas anteriores.
Segundo o BIS, na recuperação econômica, o apoio fiscal tem sido fundamental. Transferências, empréstimos e garantias protegeram empresas e famílias, dando-lhes um oxigênio precioso para se recuperarem. De fato, em muitos países, a renda pessoal disponível na verdade aumentou - em alguns países, como os Estados Unidos, no ritmo mais forte em décadas. As taxas de poupança aumentaram substancialmente - o fenômeno da poupança excessiva. Esquemas de licença generalizados reforçaram os resultados financeiros das empresas e aumentaram o emprego. Os empréstimos e garantias do governo mantiveram o fluxo de recursos.
Ficou evidenciado no relatório do BIS que a política monetária também desempenhou um papel importante. Uma postura extraordinariamente acomodatícia sustentou condições financeiras excepcionalmente fáceis. Estas foram apoiadas mais tarde no período por notícias positivas sobre vacinas e, pelo menos inicialmente, antecipações de estímulo fiscal para a economia nos Estados Unidos.
Do ponto de vista da economia global, o grau de incerteza sobre o futuro pode não ser tão alto quanto há um ano, mas a névoa ainda não se dissipou totalmente. A pandemia ainda não acabou, a campanha global de vacinação é desigual e novas ondas de contágio ainda podem ocorrer. Nem o legado econômico da pandemia veio totalmente à luz.
Diante disso, três outros fatores são a chave para o futuro: a trajetória e o impacto da política fiscal, notadamente o do enorme estímulo dos EUA; a trajetória do consumo, que se recuperou de forma surpreendentemente forte até agora; e o tamanho das perdas potenciais de crédito das empresas, uma vez que a temida onda de insolvências ainda não se materializou. O futuro não será tão organizado e os países passarão por diferentes permutações. Mesmo assim, os cenários juntos fornecem uma gama útil de resultados plausíveis que ajudam a esclarecer os desafios que os formuladores de políticas enfrentam. E neste sentido esperamos um futuro promissor para o Brasil.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS