Sexta, 19 De Julho De 2024
       
**PUBLICIDADE


O Futuro da população mundial


Publicado em 06 de janeiro de 2024
Por Jornal Do Dia Se


De acordo com Base de Dados Internacional (BID na sigla em inglês), iniciamoso ano de 2024 com uma população mundial projetada em 1º de janeiro de aproximadamente 8.019.876.189, um aumento de 75.162.541 (0,95%) em relação ao dia de Ano Novo de 2023. Durante janeiro de 2024, são esperados 4,3 nascimentos e 2,0 mortes em todo o mundo a cada segundo.
Estas informações da Base de Dados Internacional são realizadas em conjunto com a Divisão de População das Nações Unidas e ajuda o governo dos Estados Unidos (EUA) e o público a responder questões fundamentais sobre as pessoas e os lugares do nosso mundo. São informações que auxiliam os usuários de dados de planejamento de programas, elaboração de políticas, educação e pesquisa e o rastreamento dos impactos demográficos de grandes eventos que possam afetar populações em todo o mundo, incluindo catástrofes, epidemias e pandemias.
Relembrando que a Divisão de População das Nações Unidas realiza pesquisas demográficas, apoia processos intergovernamentais nas Nações Unidas na área de população e desenvolvimento e auxilia os países no desenvolvimento da sua capacidade de produzir e analisar dados e informações populacionais.
Sobre o Brasil, os dados que constam na referida organização americana é que a nossa população estimada é de 218,7 milhões de pessoas, o que representa cerca de 26,2 pessoas por Km2, nossa relação é de 96,8 homens para cada 100 mulheres e temos 1,8 filhos por mulher.
Comparando-se o Brasil com os Estados Unidos, temos as seguintes informações: a nossa população é menor, a dos Estados Unidos é de 334,9 milhões de pessoas, o que representa uma relação de 36,6 pessoas por Km2, em tese os Estados Unidos é mais povoado que o Brasil; os Estados Unidos têm uma maior proporcionalidade de homens em relação ao Brasil, pois lá são 97,2 homens para cada 100 mulheres e a base de filhos por mulher é igual a do Brasil 1,8 filhos por mulher.
Se a comparação envolver o mundo com pouco mais de 8 bilhões de pessoas, tem-se 60,6 pessoas para cada Km2, então temos comparativamente com o mundo, muita terra a ser povoada e a nossa relação homem mulher é bem inferior em relação à população mundial em que existem 101 homens para cada 100 mulheres.
Adiante abordarei alguns tópicos que merecem atenção no mundo e em cada país quando refletimos sobre o futuro da população mundial.
Precisamos de uma atenção especial para o cuidado com os jovens e adolescentes, pois segundo as Nações Unidas, globalmente, o número de adolescentes e jovens é o mais elevado de todos os tempos. Embora o número de jovens tenha diminuído nas regiões mais desenvolvidas desde que atingiu o seu pico por volta de 1980, tem aumentado nas regiões menos desenvolvidas e espera-se que continue a crescer nas próximas décadas.
A situação e dimensão quantitativa de jovens tem implicações na procura de educação e saúde, na oferta de mão-de-obra à medida que entram no mercado de trabalho, e pode constituir uma força dinâmica de mudança política e de transformação social. Entendo que além da preparação para uma vida adulta digna, o grande desafio que temos mundialmente, e de modo especial o Brasil é a inserção dos jovens no mercado de trabalho e a busca da manutenção da elevação dos nossos indicadores educacionais, com uma maior proporção de jovens em instituições de ensino superior. Cabe registrar que a Agência Brasil divulgou na metade do ano de 2023, que o Brasil é o segundo país, de um total de 37 analisados, conforme dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com maior proporção de jovens, com idade entre 18 a 24 anos, que não estudavam e não trabalhavam e isto é muito grave e compromete o futuro de uma nação.
Do outro lado da pirâmide populacional precisamos compreender cada vez mais como lidar com o envelhecimento das pessoas, pois segundo as Nações Unidas, quando a fertilidade começa a diminuir de níveis elevados, a distribuição da população por idade muda. Inicialmente, a redução da fertilidade leva a um aumento na dimensão relativa da população em idade ativa, criando uma distribuição etária favorável que pode ajudar a acelerar o crescimento econômico per capita, resultando num dividendo demográfico. Porém, posteriormente, esta transformação levará a uma concentração crescente da população em idades mais avançadas, conhecida como envelhecimento populacional. Para as Nações Unidas, as alterações na distribuição etária têm implicações importantes para os mercados de trabalho, os agregados familiares, a proteção social, a educação e os cuidados de saúde, e devem ser tidas em conta nas estratégias de implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.
Sobre o envelhecimento no Brasil, cabe registrar que no meio do ano de 2023, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que em 2022, o total de pessoas com 65 anos ou mais no país era de 22.169.101 e chegou a 10,9% da população, com alta de 57,4% frente a 2010, quando esse contingente era de 14.081.477, ou 7,4% da população. Foram dados revelados do universo da população do Brasil desagregada por idade e sexo, do Censo Demográfico 2022. Diante disso, o futuro da população mundial e de forma especial, a população brasileira dependerá de uma política especial e bem fundamentada de acolhimento e tratamento adequado com este extrato de nossa população.
A minha visão como economista é em concordância com o que aponta o Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas, sobre a variável que é a determinante chave dos níveis e tendências para a população mundial, a educação. As Nações Unidas alertam que a cobertura e o investimento na educação são influenciados pela taxa de crescimento e pela estrutura etária da população.
Para as Nações Unidas, a educação e a formação ao longo da vida são extremamente importantes para sustentar o desenvolvimento socioeconômico. A perspectiva macroeconômica é a de que uma mão-de-obra bem formada e instruída reforça os impactos positivos do dividendo demográfico e atenua os desafios existentes nesta nova era, assim que este ano de 2024 seja mais impactado pelos fatores que elevam a educação para termos um mundo melhor.

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE