**PUBLICIDADE
Publicidade

CUIDADO COM OS QUE NÃO OBEDECEM AO PATRÃO NEM AO JUIZ


Avatar

Publicado em 12 de maio de 2022
Por Jornal Do Dia Se


Rômulo Carvalho

Nos primeiros dias do mês de maio, veio a público que o diretor da CIA esteve no Brasil e se reuniu com altas patentes das forças armadas, sem agenda oficial.
Em reunião dessa natureza sempre estarão presentes duas das figuras mais conspiradoras contra a democracia e a soberania nacional, que são os generais Luiz Eduardo Ramos e Augusto Heleno que; pelas subalternidades, topam qualquer serviço sujo a mando do patrão e do capataz Bolsonaro, a quem obedecem como se fosse um marechal.
Sobre a visita do preposto, vazou na mídia que o recado é que, para eles, no ápice de um grande desgaste internacional, com a trapalhada na Ucrânia, o melhor é que respeitem o resultado das urnas, mas que não se incomodam se ele venha cercado da maior desconfiança possível.
Foi ai que, segundo notícias que vieram a público, os generais subordinados do capitão, voltaram a procurar um técnico em eletrônica, Marcelo Abriele, autor de uma teoria de desconfianças nas urnas eletrônicas, desde a posse de Jair Bolsonaro em 2019 e, segundo a polícia federal, tal conspiração tem origem na secretaria geral da presidência e na ABIN.
A bem da verdade, os militares querem melar o processo eleitoral, para manterem as mamatas dos bons adicionais de salários em 8 mil integrantes das forças, numa sangria de aproximadamente 1 bilhão de reais anuais do dinheiro arrecadado em impostos.
Logo eles, que não conseguiram fiscalizar o embarque e transporte de 39 quilos de cocaína num avião da comitiva presidencial feito por um sargento da aeronáutica, não fiscalizar o sobre preço de milhões de reais nas compras de salmão, picanha, whisky, leite condensado, lubrificante Ky-gel, implante peniano, Viagra, cerveja e outros itens imprescindíveis para o bom adestramento da tropa, vêm através do ministro da defesa dizer que exigem fiscalizar as urnas eletrônicas. Fala sério!
Quando Lula disse vamos devolver o fascismo ao esgoto de onde nunca deveria ter saído, é preciso que seja interpretado como um sinal de alerta para os trabalhadores e trabalhadoras não se deixarem, nunca mais, se enganar com contos de fardas.
Eles já pressentem que com a volta da normalidade democrática e o imperativo de que a lei seja igual perante todos, muitos deles vão passar temporadas atrás das grades, e estão rosnando para manter em alta o que sabem fazer e vem fazendo: Terrorismo psicológico.
E como no Brasil se faz graça de qualquer desgraça, mesmo a travestida de ameaça, não faltou quem enxergasse nas dos milicos, que o motivo do alvoroço todo é que nelas existem as teclas 1 e 3.
A guerra interna, ideológica e antinacional já existe a décadas e o aspecto mais sujo é quando se refere à Petrobrás, desde quando apareceram sinais de que havia grandes jazidas em nosso subsolo e o Brasil poderia a médio prazo ser auto suficiente.
As vozes que saiam dos sepulcros caiados do congresso nacional, logo começaram a fazer barulho e negar dizendo ser coisas de mentirosos que queriam perturbar a tranquilidade do país.
Nos dias de hoje, elas reaparecem através de outros pregadores, para novamente, prestarem os mesmos serviços aos grupos estrangeiros que lhes pagam e Miriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg estão à frente do bloco de lesa-pátria vociferando as mesmas palavras de ordem.
As Fakes News dos dois começaram em 2008, quando Sardenberg escreveu em O Globo dizendo que o pré-sal só existia na cabeça do governo, que era do PT.
Em 2009, Miriam puxou a campanha contra o pré-sal, daquela vez dizendo: o pré-sal existe mas, a Petrobrás não tem tecnologia e capacidade para explorar, mesmo com os engenheiros da empresa ganhando prêmios internacionais e a exploração acumulando vários recordes.
Ao simularem que estão em desobediência ao patrão com as constantes ameaças ao supremo e demais cortes, eles afrontam Alexandre de Morais, Roberto Barroso e Edson Fachin, como tática para manter o Estado tutelado e venderem nossa soberania.
O perigo é que ainda tem muita gente que acredita nas narrativas contra as urnas, mas eles sabem que são seguras já que nunca protestaram contra 8 eleições de Jair, 4 de Carluxo, 3 de Flávio e 2 de Eduardo Bananinha.
Portanto, o buraco é mais embaixo; é que a volta do Brasil ao BRICS, ao G-20 e ao G-7+1, pautando agendas e construindo uma nova ordem mundial, sem a predominância do dólar, é que é o X da questão.

Rômulo Rodrigues, sindicalista aposentado, é militante político.

**PUBLICIDADE
Publicidade


Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE
Publicidade


**PUBLICIDADE
Publicidade