**PUBLICIDADE
Publicidade

5º Congresso da UGT/SE: reconstruindo o Brasil


Avatar

Publicado em 29 de março de 2023
Por Jornal Do Dia Se


Luan de Oliveira Almeida

Nesta terça-feira, 28, realizamos mais um Congresso da União Geral dos Trabalhadores em Sergipe (UGT/SE), com foco no futuro, mas lembrando e relembrando as vitórias, as dificuldades, as perdas e as conquistas que fazem parte do dia a dia da classe trabalhadora. Importante ressaltar os duros golpes que se abateram sobre nosso país nestes últimos tempos.
Em 2016, o golpe que tirou a presidenta Dilma Rousseff, eleita de forma democrática – um golpe planejado pelas elites, pelo poder conservador, pelo capital nacional e internacional contra os mais pobres e os trabalhadores.
Em seguida, com Michel Temer, por baixo de todo esse mar de lama, impõe-se o retrocesso ao Brasil, principalmente, à classe trabalhadora. Vergonhoso o que se viu. Projetos e mais projetos que pretendiam destruir a relação de trabalho foram implementados a toque de caixa e repique de sino. Parecia um leilão: reforma trabalhista, terceirização, privatização, retirada de conquistas. A classe trabalhadora foi pega de abafo por um Congresso Nacional que não representava a cara da democracia nem do povo brasileiro.
Na sequência, foi implantada, ainda, a reforma da Previdência, que acabou com a possibilidade de uma aposentadoria decente para a maioria do povo brasileiro. E não para por aí: o golpe arquitetado precisava tirar do processo eleitoral democrático o seu principal candidato, àquele momento o único comprometido com o Brasil e com o povo brasileiro. Executaram uma prisão injusta, sem provas, que tinha como único objetivo consolidar o projeto de um governo irresponsável, no qual diversos setores da sociedade foram prejudicados, principalmente, as camadas mais carentes.
A proposta daquele governo não era democrática, e o que se viu: degradação do meio ambiente, escândalos em ministérios, milhares de morte numa pandemia de Covid-19 ignorada pelo governante e seus assessores, sem contar uma política do ódio e da violência de irmão contra irmão, brasileiros contra brasileiros, alimentada diariamente por discursos falaciosos e odientos. O caos se instalou no país, especialmente, para quem mais precisava do Estado naquele momento.
Aplicou-se uma política contra a existência dos movimentos sociais e sindicais semelhante a ditaduras condenadas mundialmente. Atravessamos os momentos de horrores e dificuldades, superados através dos mecanismos democráticos existentes ao alcance daqueles que respeitam, pregam, lutam e fazem a democracia neste país.
Resgatamos, por meio de muitos embates, a democracia, com a vitória de um governo popular. Agora, é fundamental que tenhamos responsabilidades e discernimento para saber enfrentar as dificuldades pelas quais passa o país. Precisamos a cada dia fortalecer a nossa democracia, reivindicar nossos direitos, gritar ao Congresso Nacional que vamos resgatar as muitas coisas que nos tiraram.
É uma luta contínua, árdua, principalmente, quando se vive no país o ódio, a desinformação e a cultura da violência contra os povos originários – vejam o abandono do povo irmão Yanomami -, os negos, os pobres, à comunidade LGBTQIA+, os trabalhadores, sem contar o negacionismo à ciência, que levou milhares de pais e mães de famílias à morte pela irresponsabilidade administrativa que se instalou neste país.
O governo popular eleito pela maioria dos brasileiros e das brasileiras tem a difícil tarefa de reverter tantas injustiças impostas neste período recente do nosso país. É fundamental termos consciência histórica, participando das lutas para construir um Brasil cada vez mais forte, justo, democrático e comprometido com o seu povo. Firmes, companheiros e companheiras, venceremos!

Luan de Oliveira Almeida, presidente do Sindicato dos Comerciários e Comerciárias do Estado de Sergipe e secretário da Juventude da União Geral dos Trabalhadores (UGT).

**PUBLICIDADE
Publicidade


Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE
Publicidade


**PUBLICIDADE
Publicidade