Sexta, 19 De Abril De 2024
       
**PUBLICIDADE
Publicidade

Advogada diz que OAB não agiu contra caso de estupro


Avatar

Publicado em 20 de março de 2024
Por Jornal Do Dia Se


Bruna Holanda, renunciou do cargo de conselheira da OAB Sergipe

A advogada Bruna Holanda renunciou ao cargo de conselheira da OAB Sergipe, e divulgou uma carta em que lamenta a falta de apoio da entidade, após denúncia de estupro praticada por um membro do Conselho, formalizada em 16 de fevereiro de 2024 junto a direção da entidade. Ela também fez a denúncia à Polícia Civil e o inquérito está na fase final. Alguns trechos da carta de Bruna Holanda:
“É com imensa dor, frustração e indignação que renuncio ao Cargo de Conselheira Seccional da OAB de Sergipe, para o qual fui eleita em 2022, numa chapa composta majoritariamente por jovens advogadas e advogados, imbuída no propósito de constituir uma nova gestão na nossa instituição, comprometida com mudanças substanciais que modernizasse a OAB e valorizasse a Advocacia sergipana.
Desde 08 de fevereiro, dia em que conversei pessoalmente com vossa excelência, aguardei, com esperança, que a minha instituição tomasse as providências institucionais necessárias para me acolher, preservar a minha imagem e da minha família. Sou mulher; sou advogada; sou mãe; fui violentada covardemente; sou vítima de estupro; fui dilacerada no corpo e na alma. Ao lado de minha advogada (…),, expus a vossa excelência tudo o que ocorreu, com a genuína confiança de que encontraria apoio imediato para enfrentar essa terrível tragédia que abateu a minha vida.
Na conversa que tivemos no gabinete da presidência da OAB/SE, confesso que senti frieza, cálculo, pendor de vossa excelência. Percebi que não estava diante do Presidente da OAB, e sim do sócio e amigo do meu abusador. Vossa excelência ouviu meu relato, e depois, ao invés de acolher uma mulher, advogada e conselheira fragilizada e abalada, preferiu rebater e contradizer as minhas palavras. Ao final, friamente, orientou-me a fazer uma representação no protocolo geral da OAB, como se tratasse de um relato ético-disciplinar comum. Quando, por preceito legal, diante de relato gravíssimo, o Presidente da OAB não só pode como deve instaurar de ofício o processo ético-disciplinar e notificar o acusado em caráter de urgência. Nada disso foi feito.
Reafirmo, Presidente Danniel Alves Costa, agora por escrito nesta carta de renúncia, que fui estuprada no dia 27 de janeiro por um colega conselheiro da OAB/SE, seu sócio e amigo, pessoa de quem tinha inteira confiança, colega de Conselho Seccional e amigo há mais de oito anos. Respondo agora por escrito a pergunta que vossa excelência me fez e que depois proliferou na surdina nos meios de conversas maldosas: por que você subiu ao apartamento? A única resposta que posso dar a essa pergunta é: subi porque confiava no amigo e colega advogado. Jamais imaginei que poderia sofrer a violência que sofri. O simples fato de ter subido não descaracteriza o estupro nem levanta suspeição séria aos fatos narrados por mim. Diante de tanta desfaçatez, que ultrapassou todos os limites; diante das violências psicológicas que venho sofrendo; diante dos fatos indignos e reiterados aqui expostos, é que com incomensurável tristeza e pesar renuncio ao cargo de Conselheira da OAB/SE, de forma irretratável e irrevogável. Entretanto, Presidente, com coragem e fé na Justiça, não declinarei da luta pelo meu sagrado direito de viver com dignidade e respeito.”
Em nota divulgada no final da tarde de ontem, a diretoria da OAB-SE garante ter adotado as providências cabíveis, inclusive afastando o conselheiro acusado.

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade