Sábado, 15 De Junho De 2024
       
**PUBLICIDADE
Publicidade

Déda não atende pleito do Sintese


Publicado em 15 de agosto de 2012
Por Jornal Do Dia


O governador se reuniu com uma comissão de deputados e disse que não pode reajustar professores

O GOVERNADOR MARCELO DURANTE REUNIÃO COM UMA COMISSÃO DE DEPUTADOS

"Uma conversa respeitosa, que eu considero de alto nível, onde busquei ser o mais transparente e sincero possível, explicando a impossibilidade do governo de majorar o índice que já foi encaminhado".  Assim o governador Marcelo Déda sintetizou o resultado da reunião ocorrida ontem, no Palácio dos Despachos, com a comissão suprapartidária em prol do magistério. O encontro contou com a presença dos 12 parlamentares que integram o grupo.

Na oportunidade, Déda enfatizou o esforço feito pelo Governo do Estado para alavancar a folha de pagamentos do magistério a um novo patamar. "Hoje é o momento da história recente em que o magistério de Sergipe é mais valorizado do ponto de vista salarial. Agora, o Estado se viu diante da impossibilidade de aplicar os 22% do piso para toda a categoria. E agindo dentro da lei, dentro das regras que a lei estabelece, reajustou os professores de nível médio pelo indicador do piso, e para os demais, aplicou a inflação do período contabilizada a partir de janeiro, numa demonstração de que nós queríamos garantir a melhor situação possível", afirmou o governador.

Porta aberta – Segundo ele, os deputados reivindicaram a possibilidade de melhoria do indicador apresentado pelo Executivo ou o estudo de alternativas que pudessem financiar o reajuste. "Nós explicitamos as dificuldades que o Estado vem passando e a impossibilidade de oferecer mais do que a reposição da inflação. Mas mantive todas as portas do governo abertas para que os deputados possam coletar as informações que julgarem necessárias para examinar o projeto e produzirem a sua decisão política", acrescentou Déda.

Ainda conforme o governador, todos os pontos de vista e sugestões apresentados pelos parlamentares foram examinados num diálogo aberto que teve a participação dos secretários da Fazenda, João Andrade; da Educação, Belivaldo Chagas; e do Planejamento, Orçamento e Gestão, Oliveira Júnior. "Os secretários estão à disposição da comissão para mostrar a situação financeira do Estado, e apresentar os dados que motivaram o Estado a propor aquele índice", concluiu.

Na reunião estavam presentes os deputados Ana Lúcia, Antônio dos Santos, Augusto Bezerra, Conceição Vieira, Garibalde Mendonça, Jeferson Andrade, João Daniel, Maria Mendonça, Samuel Barreto, Susana Azevedo, Zé Franco e Gilton Andrade.

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade