**PUBLICIDADE
Publicidade

Desafios educacionais em meio à crise financeira


Avatar

Publicado em 21 de fevereiro de 2024
Por Jornal Do Dia Se


* Gregório José

Enfrentar o início de um novo ano no Brasil muitas vezes se torna um desafio que vai além das resoluções de Ano Novo e promessas de mudança. Uma realidade que se repete é a corrida desenfreada em busca de equilíbrio financeiro, levando muitos a recorrerem a cartões de crédito ou empréstimos para sanar as dívidas acumuladas. Infelizmente, essa prática acaba por agravar a situação financeira de inúmeras famílias, e não é surpresa que o setor educacional seja um dos mais impactados por esse cenário.
O estado de Minas Gerais, assim como diversos outros, compartilha a preocupante estatística de inadimplência em instituições de ensino privadas. De acordo com um levantamento da Sponte, solução de gestão escolar da Linx, a taxa de inadimplência em escolas particulares mineiras atingiu 23,16% em 2023. Esse dado reflete uma tendência nacional, indicando um aumento de 17,57% para 22,63% entre dezembro de 2019 e dezembro do último ano.
Os números não mentem e são um alerta para a delicada situação financeira que assola não apenas Minas Gerais, mas todo o país. A região Sudeste, mesmo registrando um salto de 20,21% para 22,27% na taxa de inadimplência em 2023, manteve-se como a que apresentou a menor taxa dentre as regiões do Brasil. No entanto, quando analisamos os índices no Nordeste (26,03%), Centro-Oeste (24,87%), Norte (23,85%) e Sul (22,27%), fica claro que o problema é disseminado.
O impacto desse cenário recai diretamente sobre os diversos níveis educacionais, com o ensino superior liderando as estatísticas com uma alarmante taxa de 29,97% de inadimplência. Logo em seguida, encontramos a educação infantil com 27,12%, seguida pela educação básica e cursos técnicos, ambos com índices de 26,53% e 25,90%, respectivamente.
É fundamental que governantes, gestores educacionais e a sociedade como um todo estejam atentos a essa realidade, buscando soluções que possam mitigar os impactos negativos no setor. Investir em políticas públicas que promovam a educação como prioridade, bem como oferecer suporte financeiro às famílias em situação de vulnerabilidade, são passos cruciais para reverter esse quadro preocupante.
O desafio é grande, mas é hora de unir esforços em prol de uma educação de qualidade, garantindo que as futuras gerações não se vejam prejudicadas por uma crise financeira que transcende as salas de aula. A superação desses desafios requer comprometimento, solidariedade e ação efetiva por parte de todos os envolvidos. Afinal, investir na educação é investir no futuro do nosso país.

* Gregório José, Jornalista/Radialista/Filósofo

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade