Terça, 23 De Julho De 2024
       
**PUBLICIDADE
Publicidade

Fora do mapa


Publicado em 03 de fevereiro de 2024
Por Jornal Do Dia Se


Sem dólares Divulgação)

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br
 
Às vésperas do Carnaval, quando a busca por destinos turísticos cresce em razão exponencial – 35%, segundo levantamento do Google Brasil e da CVC, maior empresa do setor no País – o turismo Serigy se mostra em toda a sua grandeza: tímido, frouxo, roto, lasso. As festas do homem abadá não despertam curiosidade de ninguém.
Homem abadá, o leitor habitual desta página bem o sabe, é só um apelido carinhoso, atribuído ao governador Fabio Mitidieri. Festeiro de marca maior, segundo todas as colunas sociais da terrinha, ele adotou a fé na festa como a única estratégia para promover o turismo em Sergipe. O resultado, como se vê, é nulo.
Em termos práticos, neste particular, Sergipe não existe. Recife, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Salvador concentram o interesse pela folia. Aqui mesmo, no litoral nordestino,  Porto de Galinhas (PE) e Porto Seguro (BA) transbordam de turistas ávidos por sol. Aqui e agora, enquanto os gringos torram os seus dólares em outras praias, o Verão Sergipe fracassa escandalosamente.
Há aqui potencial de sobra para atrair a curiosidade dos forasteiros, longas faixas de praia, serras, rios, cachoeiras. Falta, no entanto, disposição e inteligência. De acordo com o Boletim do Turismo Doméstico Brasileiro, elaborado pelo Ministério do Turismo e pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), o ecoturismo é responsável por uma em cada quatro viagens a lazer no Brasil. Para quem planeja ir a unidades de conservação federais, o ICMBio mantém uma página para o agendamento da visita.
Há poucos meses, o governo do Estado derramou um rio de dinheiro a fim de viabilizar a realização do Pré Caju. Ninguém sabe exatamente quanto foi empregado. Toma-se por certo, à revelia de qualquer dado concreto, que o gasto gera dividendos econômicos, além de promover a aldeia como um destino digno do interesse de eventuais visitantes. Mas o Carnaval chega, fatalmente sucedido pela quarta-feira de cinzas, vai embora… Ano após ano. E Sergipe permanece fora do mapa.
**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade