Quarta, 17 De Abril De 2024
       
**PUBLICIDADE
Publicidade

Um enxame


Avatar

Publicado em 05 de dezembro de 2023
Por Jornal Do Dia Se


O melhor cartão de visitas de Sergipe.(Divulgação)

Rian Santos
 
O Festival de Artes de São Cristóvão, uma festa pública e plural, atraiu um verdadeiro enxame de gente. Eu estive lá, mais um entre tantos. Mesmo sem o empenho pessoal das autoridades mais graduadas do estado, os tambores da aldeia soaram alto, par a par com os sopapos de outras terras, desafiando os ouvidos moucos da raquítica imprensa local.
O governador Fabio Mitidieri, festeiro todo, precisa dar uma chance ao FASC, conhecer a experiência de cair na farra com o peito aberto – sem corda, sem abadá, sem camarote. Com uma fração dos recursos e do empenho empregado para promover o desfile dos trios elétricos de Fabiano Oliveira – uma iniciativa de caráter privado, sempre será oportuno lembrar -, o FASC pode se transformar no melhor cartão de visitas de Sergipe.
 
Saudades – O terceiro dia de FASC fechou a edição 2023 com chave de ouro. No palco João Bebe Água, homenagem ao grande ícone da história sancristovense, os sergipanos Joésia Ramos e Nona provaram que a prata da casa reluz tanto quanto ouro. A música popular brasileira foi representada por Zeca Baleiro. E a banda estadunidense Groundation fez o público balançar ao som do reggae. 
A primeira a se apresentar foi a sergipana Joésia Ramos. Com uma trajetória de destaque na música local, a cantora voltou a se apresentar no festival. Ela celebrou o espaço que o Fasc disponibiliza para os artistas de Sergipe.
“O festival é um espaço fantástico para artistas novos e também para os mais experientes. O Fasc é uma festa com leveza. Um evento com espaço para os artistas sergipanos, porque aqui tem muita gente produzindo cultura de qualidade”. 
Depois foi a vez de Zeca Baleiro fazer o seu show marcado por grandes canções da MPB. Zeca destacou o papel da cultura para a transformação da sociedade. Para ele, a popularização da cultura que o festival promove faz da festa ainda mais especial. 
“Eu acho importante para a cultura um festival como esse. É uma oportunidade para o público que, muitas vezes, não consegue ter acesso a um teatro ou a outros espaços de arte. A salvação para o Brasil é a cultura e a arte, por isso é tão importante ter essa cidade tomada por essa aura charmosa, com gente por todos os lados”. 
O Fasc também contou com atração internacional. A banda de reggae estadunidense Groundation foi a terceira atração a subir ao palco. No reencontro da banda com Sergipe após 12 anos,  Harrison Stafford, vocalista do grupo, ressaltou o carinho pelo povo brasileiro
“Estamos muito felizes de estar aqui. Groundation é sobre unir as pessoas, assim como esse festival. Temos muito carinho pelos brasileiros e é um prazer imenso encontrar esse público”, concluiu. 
Fechando o evento, o sergipano Nona brindou o público com muito samba e pagode.
 
Até 2024 – O Fasc contou com um grande público durante todos os dias. Para o prefeito Marcos Santana, o evento foi um sucesso, uma congregação de pessoas felizes, marcado pela segurança.
“O festival foi cheio de amor. Sem nenhuma ocorrência policial. Essa é a essência do Fasc. As pessoas vêm aqui para serem felizes, Estou muito satisfeito. Foi um sucesso de públicoe cultural também. São Cristóvão já está de braços abertos para receber  o público no próximo Festival de Artes de São Cristóvão”, comemorou o gestor.
**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade