Sexta, 21 De Junho De 2024
       
**PUBLICIDADE
Publicidade

Vereadores decidem não votar projeto que reajusta servidor em 4%


Publicado em 17 de maio de 2024
Por Jornal Do Dia Se


REUNIÃO DOS VEREADORES COM DIRIGENTES SINDICAIS: REAJUSTE DE 4% É CONSIDERADO IRRISÓRIO E PROJETO NÃO SERÁ VOTADO (Gilton Rosas/PMA)

Após o anúncio do prefeito Edvaldo Nogueira, naterça-feira (14), de conceder apenas 4% de reajuste linear sem dialogar com as categorias, dirigentes dos Sindicatos Unificados que não aceitam o baixo percentual e a forma como ele foi anunciado, buscam apoios em outras esferas para melhorar a proposta.
Na manhã desta quinta-feira, 16, dirigentes sindicais estiveram reunidos com o presidente da Câmara Municipal de Aracaju, vereador Ricardo Vasconcelos (PSD), para solicitar apoio à pauta das categorias: que o Projeto de Lei do Executivo que concede o reajuste geral anual – que já chegou na casa legislativa – não seja votado até as definições da Assembleia Geral Unificada que acontecerá na próxima quarta-feira, 22, às 7h, em frente à Câmara de Vereadores.
Participaram da reunião, também, os vereadores Isac Silveira (UB), Sônia Meire (Psol), Pastor Diego (UB) e Ricardo Marques (Cidadania).
Como já esperavam os dirigentes sindicais, tendo em vista a relação sempre de apoio às pautas e às lutas dos servidores municipais, o vereador Ricardo Vasconcelos manteve o compromisso histórico com os trabalhadores e foi taxativo: não pautará o projeto e acompanhará a decisão das categorias na assembleia.
“4% é esmola. Não vamos aceitar. Já acumulamos perdas entre 25 e 48% nos nossos salários ao longo dos anos de reajuste zero. Pedimos ao presidente que não colocasse o projeto para votação e ele acatou, como já confiávamos. Também reivindicamos que haja abertura de uma mesa de negociação formada por integrantes da Câmara de Vereadores, da Prefeitura de Aracaju, com a presença do prefeito, e dos Sindicatos Unificados, para que possamos dialogar e melhorar essa proposta”, afirma o professor Obanshe Severo, presidente do Sindipema.
Após o encontro com os vereadores, os dirigentes sindicais se reuniram na sede do Sindipema para uma avaliação do encontro na CMA e para alinhar os detalhes para a Assembleia Geral Unificada das categorias, as estratégias e a mobilização.
“Agora, com o respaldo da Câmara de Vereadores, cabe aos servidores públicos municipais a participação maciça nessa assembleia. Precisamos mostrar a nossa força e realizar um ato histórico. Só conquista quem luta. Portanto, todos e todas, na próxima quarta-feira, às 7h, em frente a Câmara Municipal de Aracaju para discutir e encaminhar as nossas pautas”, convoca o presidente do Sindipema.
A vereadora Sônia Meire explicou que o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, não fez a recomposição dos salários a partir dos reajustes inflacionários de anos anteriores. “Tem um índice acumulado de 35%, nós já denunciamos isso o ano passado, quando o projeto veio pra a CMA. Mais uma vez, Edvaldo mandou um índice de 4%, usando um argumento de que não pode dar um aumento maior por conta do ano eleitoral. Ele sabe que a recomposição do índice inflacionário é possível de ser feita. Nós já dissemos anteriormente que não iríamos aceitar votar em um projeto de lei que não tivesse sido discutido com as categorias. E foi exatamente o que ele fez, ainda anunciou por meio das redes sociais. Isso é um absurdo, é um desrespeito com os trabalhadores, é um desrespeito com a Câmara Municipal. E daí nós tomamos a seguinte decisão: não vamos votar esse projeto, pelo menos esse é o apelo que o movimento está fazendo para a Câmara Municipal, que a gente não coloque em pauta esse projeto, enquanto não houver um debate da Prefeitura com as categorias. As categorias se reunirão em assembleias para definir se irão aceitar ou não os 4%, mas, em princípio, há uma perspectiva de lutar pela recomposição do índice inflacionário, que dá em torno de 18 a 19%. Então, aguardaremos a decisão”, pontuou.

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade