Domingo, 23 De Junho De 2024
       
**PUBLICIDADE
Publicidade

Novos leitos neonatais não são ofertados


Publicado em 17 de julho de 2012
Por Jornal Do Dia


A Maternidade Nossa Senhora de Lourdes está superlotada

Kátia Azevedo
katiaazevedo@jornaldodiase.com.br

A abertura de 20 novos leitos neonatais no Hospital e Maternidade Santa Isabel não aconteceu, como havia sido previsto em acordo firmado entre o Ministério Público Estadual e Secretaria Estadual de Saúde através da Fundação Hospitalar de Saúde (FHS).

De acordo com a assessoria de imprensa da Maternidade Santa Isabel, a direção da unidade dará mais informações sobre o assunto nesta terça-feira, 17.   O objetivo da criação de novos leitos é desafogar Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, a única em Sergipe que realiza partos de alto risco.

Por causa da superlotação e falta de estrutura de pré-natal de qualidade na rede pública, a maternidade acaba enfrentando problemas no atendimento, com leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) neonatal operando com uma demanda de crianças e poucos profissionais. De acordo com neonatologistas da maternidade, a demanda de trabalho é três vezes superior ao que se consegue fazer, tendo um déficit muito grande em relação ao número de paciente e de pediatras. Diariamente ficam dez a 15 crianças de unidades intermediárias sem prescrição.

Providências – A Secretaria de Saúde, a Fundação Hospitalar e o Ministério da Saúde se reuniram no início deste mês para discutirem alternativas que aliviem a superlotação na maternidade. De acordo com a direção da unidade de saúde, houve uma diminuição de atendimentos de baixo risco de 143% para em torno de 120%, mas continua alta a ocupação da UTI Neonatal.

A FHS acredita que a Maternidade Santa Isabel não sofrerá prejuízos no atendimento. A unidade está se organizando na elaboração de uma escala médica e de um espaço adequado para atender as crianças e também iniciará o processo de regulação, quando um médico obstetra e um médico neonatologista vão receber a gestante e encaminhar para a unidade de saúde adequada, deixando na Nossa Senhora de Lourdes apenas os partos de alto risco.

Outra medida prevista pela SES é a abertura em 45 dias  da maternidade de Nossa Senhora do Socorro, com a oferta de 18 leitos e realização de cerca de 400 partos por mês.

Também é intenção da SES fazer a capacitação de enfermeiros e um chamamento nacional de médicos que queiram vir trabalhar em Sergipe para suprir a deficiência nos leitos neonatais. Atualmente, Sergipe possui uma carência de 35 médicos com esta especialidade. Um dos problemas apontados pela SES é que o Sistema Único de Saúde (SUS), em Sergipe, também presta assistência médica a pacientes dos estados da Bahia, Alagoas e até Pernambuco.

A Secretaria da Saúde também pretende acelerar  a implantação do programa Rede Cegonha, o que irá ampliar o número de leitos para bebês no Estado. Com a aprovação dessa rede, o Governo do Estado poderá fornecer um atendimento médico mais especializado para todas as mulheres, desde o início da  gestação até o momento do parto. Com atendimentos em hospitais, clínicas e até residências, a rede será implantada na capital e no interior.

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade