Sábado, 15 De Junho De 2024
       
**PUBLICIDADE
Publicidade

Professores avaliam proposta nesta sexta-feira


Publicado em 27 de julho de 2012
Por Jornal Do Dia


Kátia Azevedo
katiaazevedo@jornaldodiase.com.br

Os professores da Universidade Federal de Sergipe transferiram para hoje, às 9h, a assembleia geral para avaliarem a nova proposta apresentada pelo governo na última terça-feira, 24, sobre um plano de carreira, a vigorar a partir de 2013.

A assembleia acontece no auditório da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Sergipe (ADUFS) e depois haverá um ato público unificado, às 15h, no calçadão da João Pessoa com Rua Geru.
A direção da ADUFS informou que a assembleia foi transferida considerando a necessidade de avaliar a proposta do governo e o posicionamento do Comando Nacional de Greve (CNG) da Associação Nacional dos Docentes do Ensino Superior (Andes), que se reuniu na última quarta-feira, 25.

Nova proposta – Após pressão da categoria, o governo federal cedeu e ofereceu nova proposta às entidades sindicais dos professores dos institutos e universidades federais. Depois de mais uma rodada de negociação, para colocar fim à greve que já dura mais de dois meses, foram oferecidos reajustes que variam entre 25% e 40% para todos os docentes. Além disso, a data para entrada em vigor do aumento foi antecipada.

Na oferta da semana passada, o aumento variava entre 12% e 45%, já somados os 4% aprovados em maio, pela Medida Provisória 568, que teve efeito retroativo a março. A proposta não agradou os representantes da categoria, que alegaram que o governo não considerou a reestruturação da carreira para todos os níveis de docentes.  "A proposta foi elaborada apenas em cima de tabela salarial, que é importante, mas não contempla mudanças significativas como o avanço da valorização profissional do magistério federal", observa o diretor de Comunicação e Cultura da ADUFS, Fernando Sá.

Dados do Andes e do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe) apontam que a paralisação atinge 57 das 59 universidades federais, além de 34 dos 38 institutos federais de educação tecnológica. Esta já é uma greve considerada histórica.  
Na próxima quarta-feira, dia 1º de agosto, às 21h, haverá nova reunião para que as entidades possam trazer posicionamentos a partir da manifestação da categoria.

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade