Domingo, 23 De Junho De 2024
       
**PUBLICIDADE
Publicidade

Sergipe é destaque na receita do comércio


Publicado em 07 de julho de 2012
Por Jornal Do Dia


As vendas no comércio sergipano estão aumentando

Análise realizada pelo Banco do Nordeste (BNB), a partir dos dados brutos divulgados pela Pesquisa Anual do Comércio (PAC) 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que o Nordeste foi a que apresentou o maior crescimento real da receita bruta de revenda para todos os estabelecimentos comerciais – atacado e varejo – entre as demais regiões do Brasil. Dentre os estados nordestinos que apresentaram índices de expansão entre 40% e 50%, Sergipe apontou crescimento de 47,6% da Receita Bruta de Revenda.

De acordo com a PAC, o resultado da evolução dos estados do Nordeste contribuiu de forma importante para que a Região obtivesse o maior crescimento dessa receita no Brasil entre 2007 e 2010. A receita bruta de revenda é referente à receita total das vendas incluindo os impostos e contribuições, as vendas canceladas, abatimentos e descontos incondicionais relativos à comercialização de mercadorias.
Considerando os valores nominais deflacionados pelo IPCA médio anual, para o ano de referência de 2010, essa variável sofreu uma expansão, em 2010, de 41,6% em confronto com 2007, superando consideravelmente o desempenho das demais regiões, em especial, a Região Sudeste, cuja variação no período foi a menor entre todas, 29,1%.

Entre os estados nordestinos, o Piauí foi aquele em que a receita bruta de revenda teve a maior expansão, variando 61,7% no período 2007-2010. O estado da Bahia, no qual o crescimento real da variável ficou abaixo dos 30%, apresentou o menor crescimento relativo entre os Estados nordestinos.

A margem de comercialização (receita líquida de revenda menos o custo de mercadoria vendida, ou o resultado do esforço de venda de mercadoria deduzidos o seu custo) teve o maior crescimento real no Brasil, considerando o mesmo procedimento de correção dos valores nominais, localizado na região Nordeste, que apresentou uma variação real entre 2007 e 2010 próxima a 60%, superando amplamente o resultado imediatamente inferior, 43,7%, obtido pelo Norte e a própria variação alcançada no Brasil em seu conjunto, 39,2%.

Sergipe contribuiu com uma expansão de 77,4%, influindo também na determinação do índice alcançado pelo Nordeste no cenário nacional.  Os estados de Alagoas e do Rio Grande do Norte foram os principais responsáveis pelo forte crescimento da margem de comercialização da Região Nordeste, contribuindo cada um por uma expansão da variável no período considerado (2007-2010) de, respectivamente, 93,5% e 89%.
Para o secretário do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia de Sergipe (Sedetec/SE), Saumíneo Nascimento, esta expansão de Sergipe no indicador de margem de comercialização coloca o Estado na terceira posição na Região Nordeste em termos evolutivos. "Este resultado revela a eficiência dos programas sociais estaduais que combinados com os federais, reduzem o índice de gini (desigualdade de distribuição de renda) e propiciam maior poder de consumo da população, resultando numa ambiência mais favorável para o consumo e o comércio local", explica Saumíneo.

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade