Quarta, 19 De Junho De 2024
       
**PUBLICIDADE
Publicidade

SERVIDORES DA SAÚDE FECHAM AVENIDA DURANTE PARALISAÇÃO


Publicado em 26 de julho de 2012
Por Jornal Do Dia


PROTESTO NA TANCREDO NEVES

A manifestação dos servidores provocou grande congestionamento

Milton Alves Júnior
miltonalvesjunior@jornaldodiase.com.br

Exigindo a implantação de um plano de cargos e vencimentos que atendam aos interesses de todas as categorias vinculadas à Secretaria de Estado da Saúde, cerca de 80 servidores estaduais bloquearam na manhã de ontem parte da Avenida Tancredo Neves para promover uma paralisação de advertência. Durante toda a quarta-feira, estavam paralisadas 70% dos serviços no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) e 50% das atividades do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Prejudicando o fluxo de veículos, equipes da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) foram acionadas para auxiliar os motoristas que enfrentavam um congestionamento de aproximadamente cinco quilômetros.

Durante os pronunciamentos, Samanta Bicudo, membro do Comando Unificado de Mobilização dos Servidores da Saúde, garantiu que as administrações perseguem todos os servidores insatisfeitos. Para ela, a participação cada vez mais atuante dos profissionais mostra que todos estão deixando o medo de lado. "Hoje estamos em grande número, mas essa conquista foi muito difícil e continua sendo. Por diversas vezes acabei me deparando com situações constrangedoras só porque um colega de profissão participou de um ato desse. A perseguição aqui é grande", disse. A paralisação, que durou 24h, terminou na manhã de hoje sem deixar de atender os casos graves que apresentassem riscos de morte.

Os manifestantes garantiram que no Huse os atendimentos de emergência e urgência estariam integralmente assegurados. Essa promessa de fato respeitada. "Estamos reivindicando esses direitos há meses e a administração simplesmente não nos deu atenção. Como combinado, realizamos o nosso ato e esperamos que o secretário da Secretaria de Estado da Saúde  nos atenda e apresente uma proposta até o final desse mês, caso contrário a greve será por tempo indeterminado", concluiu Bicudo. No próximo dia dois de agosto, será realizada uma assembléia geral para avaliar o que ficou decidido na reunião com o secretário. Na ocasião, os servidores avaliarão a possibilidade de deflagrarem uma greve geral no próximo mês.

Ainda na manhã de ontem, os manifestantes saíram em caminhada rumo à Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, também na Avenida Tancredo Neves, Bairro Capucho, visando protestar contra a falta de condições de trabalho e a superlotação com alto índice de óbitos na unidade. Já nas intermediações da maternidade, mais protestos foram realizados com o fechamento parcial da via.

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade