Domingo, 23 De Junho De 2024
       
**PUBLICIDADE
Publicidade

Greves afetam população


Publicado em 10 de agosto de 2012
Por Jornal Do Dia


Ontem foi dia de novo protesto dos servidores federais em greve

Reunidos em frente ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe (IFS), cerca de 600 servidores federais de diversos órgãos  se reuniram para promover uma marcha contra a falta de interesse do Governo Federal em dialogar para atender as reivindicações das categorias. Em greve nacional desde o último mês de junho, os manifestantes idealizaram esse evento seguindo recomendação do Comando Geral de Greve Unificado (CGG). Hoje, em todos os Estados da Federação, funcionários públicos vão às ruas para chamar a atenção da sociedade para essa luta.

Representante do Sindicato dos Trabalhadores Federais em Saúde, Previdência e Trabalho (Sindprev), Isac Silveira garantiu que a falta de interesse em negociar com os profissionais nos últimos dois anos fez com que o país ‘parasse’ para reivindicar melhorias. "Estamos há dois anos tentando negociar com o Governo Federal, mas em nenhuma dessas reuniões identificamos avanço, justamente por isso estamos reunidos para mostrar a todos que estamos unidos e não iremos mais aceitar esse desrespeito junto ao povo brasileiro", declarou. Entre as pautas está a ampliação do número de servidores; Plano de Cargos e Carreira; reposição das perdas salariais e reajuste de 22%; paridade entre ativos, aposentados e pensionistas.

Adesão – Em Sergipe, oito órgãos federais, incluindo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Ministério da Saúde (MS), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), e servidores técnicos e corpo docente da Universidade Federal de Sergipe (UFS),  aderiram à paralisação nacional. "Com o passar da caminhada nós fomos registrando a adesão de outros servidores. A nossa meta era aproximadamente 800 manifestantes, mas acredito que chegamos a quase mil. Por se tratar de uma categoria considerada velha por falta de concurso, muitos não possuem condições físicas suficiente para percorrer todo esse trajeto", ressaltou Isac Silveira. A caminhada seguiu até a Praça General Valadão.

Presente no ato, servidores filiados ao Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos da UFS (Sintufs) avaliaram a marcha como fundamental para apresentar à população os constantes problemas enfrentados pelos servidores federais. "Esse não é a primeira e certamente não será a última vez que iremos às ruas para mostrar a precária situação de diversos setores federais. O brasileiro é inteligente o suficiente para entender que não estamos em greve simplesmente porque queremos, e sim para lutar por um país mais justo", pontuou a presidente do Sintufs, Edjanária Borges.

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade