Sexta, 21 De Junho De 2024
       
**PUBLICIDADE
Publicidade

Grito da terra chama a atenção para problemas do campo


Publicado em 19 de julho de 2012
Por Jornal Do Dia


O Grito da Terra é uma das manifestações mais tradicionais dos trabalhadores rurais

MANIFESTAÇÃO DOS AGRICULTORES

Em comemoração aos 50 anos de lutas por trabalho, cidadania e desenvolvimento sustentável, promovidas pela da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Sergipe (Fetase), manifestantes realizaram na manhã de ontem uma caminhada pelas principais avenidas de Aracaju com o propósito de reivindicar junto ao governo do Estado políticas públicas dignas e específicas para os povos que vivem no campo. Denominada como o "Grito da Terra Sergipe", cerca de 200 pessoas participaram do ato pacífico que teve a Praça da Bandeira como ponto de concentração.

Há um mês, dirigentes da Federação encaminharam ao Governo do Estado uma pauta  com a 40 reivindicações. Entre os pleitos, estava a criação de um concurso público para preencher vagas da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), além da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) e da Empresa de Desenvolvimento Sustentável do Estado de Sergipe (Pronese). A Fetase cobra ainda uma análise do Governo do Estado sobre questões de violência e assistência técnica oficial e regularização fundiária de todos os imóveis rurais da agricultura familiar nos municípios sergipanos.

Para a presidente da Fetase, Lúcia Moura Santos, a mobilização só foi possível após a administração estadual não atender as reivindicações consideradas primordiais, nem demonstrar interesse em dialogar com os trabalhadores. "Sempre estivemos dispostos a dialogar com o governo. Acredito que na base da conversa boa parte dos problemas podem ser solucionados sem maiores conflitos, mas não foi isso que o Governo quis fazer", disse. A macha passou pelas avenidas Hermes Fontes e Adélia Franco, e encerrou em frente ao Palácio dos Despachos. "Com essa caminhada, conseguimos mostrar a toda sociedade sergipana os problemas que estamos enfrentando", concluiu Lúcia.

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade