**PUBLICIDADE
Publicidade

Que pistas os dados sobre leitura do Pisa nos dão sobre a aprendizagem e quais as perspectivas para 2024?


Avatar

Publicado em 22 de dezembro de 2023
Por Jornal Do Dia Se


* Tânia Fontolan

Em um mundo globalizado como o que vivemos, o patamar de conhecimentos e capacidades que seus estudantes têm impacta diretamente nas possibilidades de inserção internacional, de concorrência por espaços econômicos e tecnológicos. Diferenciará os países que serão criadores dos que serão meros consumidores de recursos e ferramentas de toda ordem.
O Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) é um exame internacional que compara resultados de alunos de 80 países. No comparativo entre os países, o Brasil foi mal: entre 80 países, nós ficamos na posição 65ª em matemática, na 52ª posição em leitura e na 61ª em ciências. Todos os países caíram depois da pandemia. Embora o Brasil não tenha caído tanto desde o resultado anterior, de 2018, vivemos um grande problema: já estávamos mal antes dos impactos do coronavírus. Também é importante destacar que participam do PISA alunos da rede pública e privada. Quem estuda na rede privada obteve resultado bem melhor que os da rede pública, ficando em 11º lugar em Leitura, 23º em Ciências e 39º em Matemática, quando comparados com alunos de redes pública e privada dos demais países.
Aqui vou me deter no cenário de leitura – que se configura como um domínio essencial para que o aluno seja capaz de aprender novas coisas, com autonomia pessoal, sem depender que outros expliquem tudo a ele – o Brasil não está bem: 50% dos alunos não conseguem encontrar a ideia central de um texto, ou seja, não compreendem o que leem. Penso haver aqui impactos também nas áreas de Matemática e Ciências: como resolver problemas sem entender enunciados e contextos? Além disso, em um mundo em constante mudança, como esses alunos vão ser capazes de seguir aprendendo? Como eles vão ser capazes de compreender e incorporar conhecimentos que ainda não existem e que se tornarão parte da realidade de um futuro próximo?
Este resultado negativo do exame se soma aos dados divulgados na semana passada, aferidos a partir de questionários respondidos pelos alunos que fizeram o PISA: 66% dos alunos brasileiros conseguem ler apenas uma sequência máxima de 10 páginas. Já no Chile, os alunos da mesma faixa etária conseguem ler 100 páginas sequencialmente. Esta diferença me remete novamente à questão do mundo globalizado e os potenciais de cada país.
Portanto, eu penso que os resultados deste exame são importantes para gestores educadores pensarem e avaliarem não só sobre o quanto nossos alunos estão aprendendo, mas também o que eles estão aprendendo. Devemos nos questionar: em que medida nossos alunos são estimulados e orientados para a leitura autônoma, em todas as áreas do conhecimento – e não apenas Língua Portuguesa? Ou será que nós lemos para eles pedindo apenas que nos repitam?
Friso aqui, ainda, que os resultados do Pisa não podem ser lidos por nós como algo acabado, ou seja, como ponto de chegada. Devemos olhar para os dados como um ponto de partida para refletirmos sobre o que precisamos ajustar, com foco no caminho a percorrer para nos equipararmos aos países que ocupam a liderança no mundo do conhecimento.

* Tânia Fontolan, diretora pedagógica da Somos Educação – plataforma par

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade