**PUBLICIDADE
Publicidade

SÃO CRISTÓVÃO DE JUNOT SILVEIRA


Avatar

Publicado em 12 de março de 2024
Por Jornal Do Dia Se


* Thiago Fragata
 
Os relatos memorialísticos traçam grandes painéis da realidade. Estes retratos são obras de artistas e/ou historiadores, uns mais realistas, outros mais poéticos, cronistas do passado. No presente artigo revelarei a São Cristóvão na década de 1930 através das lembranças de um cronista, Junot José da Silveira (1923/2003). Ele foi editor do jornal A Tarde, de Salvador, Bahia, por mais de 40 anos (1958, meados da década de 1990). Na sua crônica registrou a nostalgia dos tempos de infância em São Cristóvão enquanto pauta do gênero literário que dominou magistralmente. “Num sentido, genérico, usa-se a palavra crônica para indicar, até hoje, o registro da feição de uma comunidade e de uma época, as memórias de um passado que se quer fixar”. (1)
Folheei 20 crônicas de Junot Silveira produzidas entre 1968 e 1994 e confesso minha admiração e descoberta do seu potencial memorialístico; “algumas de suas crônicas dominicais – conforme asseverou Mario Cabral – são antológicas”. (2) Da minha parte, não ousarei  resenhar ou mesmo resumir seus escritos a respeito da sua encantada infância. Por isso deixarei seu texto “Ontem e Hoje”, publicado em 1988, substituir este elogio. Antes é importante frisar que os irmãos Jenner Augusto e Junot Silveira chegaram em São Cristóvão em 1930. Sua mãe, Maria Catarina Mendes da Silveira, professora, foi transferida para o Grupo Escolar Vigário Barroso, situado na atual Praça da Matriz. A residência simples em que moraram por 4 anos era no fundo da Igreja do Amparo dos Homens Pardos. (3) 
“ONTEM E HOJE -Vendo tantos carros manobrar no pátio do estacionamento eu me lembrei dos tempos de criança. Da época em que vivi em São Cristóvão com seus casarões coloniais, os seus conventos, os seus frades e suas beatas, as procissões desfilando pelas ruas, a velha fábrica de tecidos que funcionava na Cidade Baixa.
Era para essa fábrica que passavam, madrugada ainda, dezenas e dezenas de operários pela nossa porta. Eram homens e mulheres que acordavam cedo e calçavam tamancos, pisando em passos rápidos o chão de cimento das calçadas ou o barro das ruas. Acordavam cedinho, com o amanhecer, para se dirigirem ao trabalho, que não ficava perto da residência de todos. À época não havia transporte coletivo; o jeito era utilizar as pernas, caminhar muito mais de um quilômetro para lá e muito mais de um outro quilômetro para voltar. Iam limpos para o trabalho, limpos como a manhã que respiravam e quando retornavam estavam suarentos, com os corpos visgando e com vestígios de algodão. Traziam do serviço essa lembrança diariamente, e mais o cansaço de lidar com os teares.
Nas tardes de domingo tinham como lazer o futebol, o quadro da própria fábrica, o União Têxtil, se a memória não me trai, fazendo ótimas exibições frente a representação de outras cidades, inclusive Aracaju. No União Têxtil havia grandes valores, como Zeca Trincheira, um zagueiro pesado e forte e o hábil centroavante Zeca Tenisson. O Zeca Tenisson jogou futebol por mais de 25 anos seguidos, sempre com muita garra, muito empenho e muito brilhantismo. E também com muita discussão em campo, que não era homem para levar desaforo para casa. Por várias e várias vezes seguidas comandou a seleção sergipana que, se nem sempre teve melhor atuação, não foi por sua culpa.
O Zeca Tenisson jogou futebol durante tanto tempo, que eu devia ter uns cinco anos de idade quando ele já era craque do União Têxtil e, já adolescente, quando contava 17 anos, eu jogava ao seu lado em Laranjeiras e ele me transmitia alguns de seus truques e um pouco da sua experiência e da sua habilidade. Tivesse ele atuado em outros meios, em um centro como o Rio de Janeiro ou São Paulo, teria gozado de fama nacional. Fama justa, merecida e não fabricada como é comum acontecer hoje em dia.
O campo do União Têxtil, em São Cristóvão, era aberto; o da Associação Atlética, do Lagarto, colocava uma empanada nos dias de grandes eventos, o de Laranjeiras tinha uma cerca de bambus. No gramado dos três conheci bons atletas, mas nenhum deles se igualava ao Zeca Tenisson. Mas dele tenho também a lembrança de bom amigo que me levava, quando criança e ele adulto, a passear na São Cristóvão, inclusive nos dias de festas religiosas. Nos dias em que a cidade se enchia de visitantes. Nos dias em que chegavam os romeiros de várias partes, em caminhões, que então ainda não eram chamados de paus-de-arara. Ou em trens especiais. E as pessoas de maiores posses, altos comerciantes e senhores de engenho, que se transportavam de automóvel.
Esses automóveis eram, para mim, um deslumbramento. Nunca tive, sequer, um velocípede. O carro em que brincava era de madeira, das quatro rodas ao volante, feito por mim e os amigos. Daí o encantamento pelos veículos que chegavam de fora, especialmente de Aracaju. Pela manhã quase sempre ficavam postados na Praça de São Francisco e à tarde, lado a lado, na Praça da Matriz. Alguns motoristas, mais compreensivos e tolerantes, permitiam que eu sentasse no coxim, pegasse no volante, tocasse na alavanca do câmbio. Tudo isso eu fazia com o maior contentamento da vida. Com a mesma sofreguidão com que Thiago, sentado ao meu colo, mexe no painel do carro, acende e apaga as luzes do farol, vai-se familiarizando, precocemente, com a máquina que eu vejo manobrar no pátio do estacionamento e me traz lembranças de um passado que vai longe, mas sempre presente em minha vida sentimental”. (4) 
Todos sabem, ou deveriam saber, o quanto a arte e as instituições culturais de Sergipe devem aos irmãos Jenner Augusto e Junot Silveira; que dividiram a vida e atuação profissional com a Bahia, marcando igualmente aquele Estado. O Museu Histórico de Sergipe, de São Cristóvão, inaugurado em 5 de março de 1960, tiveram neles seus benfeitores ou mais que isso. Naquele ano, o jornalista Junot Silveira era o chefe de Gabinete do Governador de Sergipe, Luiz Garcia, incumbido por este da campanha de doações de acervos e dos trâmites burocráticos para criação da instituição. Jenner Augusto envolve-se na empreitada de tal maneira que hospedou-se no antigo Palácio Provincial. Dali, concebeu a primeira expografia, restaurou obras, incentivou amigos artistas a doarem telas premiadas. (5)
Alguns títulos de suas crônicas: viajem à infância (05/06/1968), projeto relembrança (7/1/1990), alguns apelidos (27/3/1988), Trechos de um roteiro sentimental (18/03/1984), Velhas e novas recordações (20/3/1994), Ontem e hoje (11/9/1988), São Cristóvão sempre (11/7/1993), etc. Poderíamos chamar estas de crônicas da infância; outras, que tratam do museu, de crônicas da maturidade. São elas: Como surgiu um museu (3/8/1980), Breve História de um museu (8/2/1987), Museu de Sergipe (27/2/1994). 
Sua produção reclama coletânea por mais de uma razão: a) pela reminiscência de sua vida em São Cristóvão, Itabaianinha, Lagarto, Laranjeiras, Salvador e consequente retrato produzido; b) trata-se de acervo memorialístico de Sergipe publicado na imprensa baiana e por isso desconhecido dos pesquisadores; c) descreve fatos e personagens das cidades e dos benfeitores/parceiros para criação do Museu Histórico de Sergipe; d) revela o autor, sua visão de mundo, diante dos temas focados. Por fim, compartilhamos trecho do sugestivo trabalho intitulado “São Cristóvão sempre”, de 11 de julho de 1993, que fisgou minha atenção quanto a riqueza das memórias junotianas . Diz assim: “em várias de minhas crônicas muito me refiro a São Cristóvão Del Rey. Falo sempre, e muito, com saudade, da primeira capital”. 
 
* Thiago Fragata, escritor, historiador e multiartista. Texto do livro inédito CRONICÁRIO DAS MEMÓRIA – SÃO CRISTÓVÃO/SE. E-mail: [email protected]
 
NOTAS DA PESQUISA
1 BENDER, Flora et all. Crônica: história, teoria e prática. São Paulo: Editora Scipione, 1993, p. 14.
2 CABRAL, Mario. Jornal da Noite (críticas). Salvador: Editora Artes Gráficas, 1997, p. 307.
3 PONTUAL, Roberto. Jenner e a Arte Moderna na Bahia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1974, 41.
4 SILVEIRA, Junot. Ontem e Hoje. A Tarde. Salvador, 11 /9/1988.
5 CORREIO DE ARACAJU. Aracaju, ano LII. N.6222, 20/03/1959, p. 4.
**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade