**PUBLICIDADE
Publicidade

Exigência de CPF como prática comercial abusiva


Avatar

Publicado em 15 de maio de 2024
Por Jornal Do Dia Se


Essa prática comercial, por si só, já deveria estar sendo coibida em todo o território nacional

* Paulino Fernandes de Lima

Tem se tornado prática comum, quando da realização de compras, os estabelecimentos comerciais, pedirem (e até exigirem) o CPF para a venda de produtos, tendo alguns deles condicionado a transação, ao fornecimento desse dado sensível do consumidor.
Alguns Estados, porém, já se anteciparam a outros, com legislação que visa coibir mais essa prática abusiva, que aguarda lei federal, no mesmo sentido, ser aprovada no Congresso nacional.
Enquanto o Projeto de Lei nº 4530/2023, de autoria do Senador Ângelo Coronel, não recebe o trâmite que merece, no plano federal, resta ao consumidor invocar como escudo contra esse abuso, o disposto na LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), que traz em seu Artigo 6º princípios que devem ser rigorosamente obedecidos, quando do tratamento de dados.
São eles: finalidade; adequação; necessidade; livre acesso; qualidade dos dados; transparência; segurança; prevenção; não discriminação; responsabilização e prestação de contas.
Como o cadastro de pessoas físicas (CPF) é um tipo de dado pessoal, para os fins da citada LGPD, por conter informação de pessoa natural identificada ou identificável, devem os estabelecimentos comerciais zelar pelas prescrições relativas à coleta, armazenamento e finalidade desse dado.
O que observamos, presentemente, entretanto, é um disseminado abuso, por parte do comércio, que muitas vezes, logo de cara, pede o CPF de um pretendente comprador, até para consultar o preço de um produto.
Os operadores de caixa, sem nenhuma restrição (ou até mesmo discrição), indagam o número do cadastro, dizendo se tratar de uma verificação de desconto ou promoção.
Às vezes, chegam a admoestar, indevida e insanamente a consumidor, de que se não fornecer o que é requerido, não poderá trocar o produto, posteriormente.
Essa prática comercial, por si só, já deveria estar sendo coibida em todo o território nacional, bem como há tempos vem merecendo uma fiscalização rigorosa dos procons e delegacias do consumidor.
Entretanto, as empresas continuam agindo, livre e impunemente, deixando o consumidor ser submetido à situação que lesa seus direitos assegurados tanto na LGPD, como no próprio Código de Defesa do Consumidor, já que alguns estabelecimentos alegam que a exigência do CPF é para a concessão de promoções, o que é vedado pelo Artigo 39, do referido Código.
No Estado de São Paulo, logo depois da entrada em vigor da LGPD em setembro de 2020, foi sancionada a Lei 17.301 em 1º de dezembro do mesmo ano, vedando expressamente a exigência do CPF, “sem informar de forma adequada e clara sobre a abertura de cadastro ou registro de dados pessoais e de consumo”, sob pena de multa no valor de R$ 5,5 mil, dobrada em caso de reincidência.
Falta agora que os demais estados da federação disciplinem o tema por legislação específica, já que é da competência concorrente entre a União e os Estados-membros, legislar sobre Direito do consumidor.

* Paulino Fernandes de Lima, defensor público do estado de Pernambuco e Professor

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade