**PUBLICIDADE
Publicidade

Governo Lula: convincente e arriscoso


Avatar

Publicado em 27 de janeiro de 2024
Por Jornal Do Dia Se


 Análise do PCdoB destaca os desafios e a urgência da mobilização social para a reconstrução nacional durante a ‘virada’ do governo.

* Luciano Siqueira

Vencidos os 12 primeiros meses, muito se disse – em apoio ou contra – sobre o terceiro governo Lula.
Em dezembro passado, a direção nacional do PCdoB abordou o tema em reunião plenária. Agora, em nota da sua Comissão Política Nacional, o Partido torna pública a sua análise.
A política voltou ao posto de comando e se iniciou uma “virada” em relação à situação desastrosa produzida nos dois anos de Temer e, sobretudo, nos quatro anos de Bolsonaro.
Dentre os fios condutores dessa “virada”, a reinserção do Brasil na cena internacional, mediante política externa altiva e propositiva; a retomada de políticas sociais compensatórias de consistente repercussão sobre as condições de vida da população mais pobre e sobre o consumo; e o ensaio de iniciativas de fôlego destinadas à retomada do desenvolvimento tendo como lastro o relançanamento da indústria.
Neste último item, destacam-se o novo PAC, a recuperação do papel do BNDES e demais bancos públicos na operação do incentivo creditício às atividades econômicas, o fortalecimento da Petrobras e a nova política industrial assentada, em boa parte, na ciência e na inova& ccedil;ão tecnológica.
Mas o terreno é movediço. E arriscoso, como diria Guimarães Rosa.
O ambiente internacional é marcado pela profunda crise do sistema capitalista, que se arrasta e age, feito fogo de monturo, como fator estimulador de conflitos regionais, de guerras e de instabilidade econômica. E se é verdade que parcela da liquidez assim mesmo existente pode se reverter em investimentos externos no Bras il, verdade também é que aí reside parte substancial da pressão interna e externa em defesa dos fundamentos macroeconômicos neoliberais persistentes.
Internamente, o governo Lula tem que matar um leão todos os dias e, se possível, mostrar a juba – seja no confronto com o parlamento, onde amarga correlação de forças adversa, seja no enfrentamento do cerco midiático pró-mercado, que tem peso específico considerável na cena política.
Cá com meus modestíssimos botões, assinalo que há ainda um fator negativo nem sempre percebido com clareza: o caráter disfuncional do aparelho estatal – fator limitante da ação de governo que prospera negativamente há cerca de duas décadas e se agravou nos governos Temer e Bolsonaro.
Assim, é possível afirmar que a “virada” iniciada no atual governo ainda acontece sob o signo de uma transição da complexa situação herdada a uma situação nova, em que se possa, sobre o lastro de condições políticas e institucionais favoráveis, avan çar consistentemente na agenda da reconstrução nacional.
E, para tanto, emerge com muita força e urgência a absoluta necessidade da mobilização social, como assinala a nota do PCdoB – se impõe como responsabilidade tanto do governo (que ainda patina na mensagem e nos meios de comunicação), como dos partidos que compõem a frente ampla governista (momentaneamente distanciados da massa trabalhadora e do povo) e dos movimentos sociais organizados (ainda incapazes de resolver a equação do novo mundo do trabalho e da alienante comunicação digital).

*Luciano Siqueira, médico, membro do Comitê Central do PCdoB e secretário nacional de Relações Institucionais, Gestão e Políticas Públicas do partido, foi deputado estadual em Pernambuco e vice-prefeito do Recife.

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE
Publicidade