Segunda, 29 De Novembro De 2021
**PUBLICIDADE


Índice de inovação global 2021


Publicado em 16 de outubro de 2021
Por Jornal Do Dia


 

Conforme informações coletadas na Or
ganização Mundial de Propriedade In
telectual (OMPI), a produção científica, os gastos em pesquisa e desenvolvimento (P&D), registros de propriedade intelectual e negócios de capital de risco continuaram a crescer em 2020, com base no forte desempenho pré-crise. Notavelmente, os gastos com P&D mostraram maior resiliência durante a desaceleração econômica associada à pandemia do que em crises anteriores.
A entidade internacional que cuida da propriedade intelectual no mundo, aponta que o impacto da crise tem sido altamente desigual entre os setores, de acordo com um novo recurso do GII, o Global Innovation Tracker . As empresas com resultados que incluem software, internet e tecnologias de comunicação, hardware e indústria de equipamentos elétricos e produtos farmacêuticos e biotecnologia ampliaram seus investimentos em inovação e aumentaram seus esforços de P&D. Em contraste, as empresas em setores fortemente atingidos pelas medidas de contenção da pandemia e cujos modelos de negócios dependem de atividades pessoais – como transporte e viagens – reduziram suas despesas, mostrou o rastreador. O GII 2021 mostra que o progresso tecnológico na fronteira é bastante promissor, com o rápido desenvolvimento das vacinas COVID-19 sendo o maior exemplo.
Registre-se que o Índice Global de Inovação 2021 (GII), em sua 14 ª edição deste ano, é publicado pela Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI), em parceria com diversas instituições internacionais, a exemplo da Confederação indiana Indústria (CII), Ecopetrol (Colômbia) e Assembleia de Exportadores da Turquia (TIM). Cabe registrar que em 2021, uma Rede Acadêmica foi estabelecida para envolver universidades líderes mundiais na pesquisa do GII e apoiar a divulgação dos resultados do GII na comunidade acadêmica.
Segundo o Diretor Geral da OMPI, Daren Espiga, "O Índice de Inovação Global deste ano nos mostra que, apesar do impacto massivo da pandemia COVID-19 em vidas e meios de subsistência, muitos setores mostraram notável resiliência – especialmente aqueles que adotaram a digitalização, tecnologia e inovação". Além disso, "enquanto o mundo procura se reconstruir da pandemia, sabemos que a inovação é essencial para superar os desafios comuns que enfrentamos e para construir um futuro melhor. O Índice de Inovação Global é uma ferramenta única para orientar os formuladores de políticas e empresas na elaboração de planos para garantir que sairemos mais fortes da pandemia. "
Em sua classificação anual das economias mundiais em capacidade de inovação e produção, o GII mostra que apenas algumas economias, principalmente de alta renda, dominam consistentemente as classificações. No entanto, algumas economias de renda média selecionadas, incluindo China, Turquia, Vietnã, Índia e Filipinas, estão atualizando e mudando o cenário da inovação.
As informações da OMPI indicam que Suíça, Suécia, Estados Unidos e Reino Unido continuam a liderar o ranking de inovação e foram classificados entre os 5 primeiros nos últimos três anos. A República da Coreia junta-se ao top 5 do GII pela primeira vez em 2021, enquanto quatro outras economias asiáticas figuram no top 15: Singapura (8), China (12), Japão (13) e Hong Kong, China (14 )
Ainda segundo a entidade internacional, a América do Norte e a Europa continuam a liderar o cenário de inovação global como regiões de longe. O desempenho da inovação no Sudeste Asiático, no Leste Asiático e na Oceania foi o mais dinâmico da última década. É a única região que fecha a lacuna com os líderes.
A China ainda é a única economia de renda média que chega aos 30 primeiros lugares. Bulgária (35), Malásia (36), Turquia (41), Tailândia (43), Vietnã (44), Federação Russa (45), Índia (46), Ucrânia (49) e Montenegro (50) estão entre os 50 melhores do GII. No entanto, apenas a Turquia, o Vietnã, a Índia e as Filipinas estão sistematicamente se recuperando. Além da China, essas economias maiores têm o potencial de mudar o cenário global de inovação para sempre.
Estudos da OMPI revelam que, embora as economias emergentes muitas vezes encontrem um desafio para melhorar de forma constante seus sistemas de inovação, algumas economias de renda média conseguiram alcançar a inovação com seus pares mais desenvolvidos. De acordo com a OMPI, essas economias emergentes, entre outras coisas, foram capazes de complementar com sucesso sua inovação doméstica com transferência de tecnologia internacional, desenvolver serviços tecnologicamente dinâmicos que podem ser comercializados internacionalmente e, em última instância, moldaram sistemas de inovação mais equilibrados.
Na América Latina e Caribe, o Chile (53) ocupa o primeiro lugar na região, seguido do México (55) e da Costa Rica (56). Apenas Chile , México , Costa Rica e Brasil (57) estão entre os 60 primeiros. México à parte, poucos subiram de forma consistente nos últimos 10 anos. Onze economias da região sobem na classificação, com Argentina (73), Paraguai (88) e Equador (91) fazendo o maior progresso. O Brasil sobe 5 posições e atinge sua melhor classificação desde 2012; e junto com o Peru (71), superou em inovação pela primeira vez. O Brasil também hospeda o único cluster de ciência e tecnologia da América Latina entre os 100 primeiros, com São Paulo na 66ª posição.
O Chile tem o sistema de inovação mais equilibrado, bem classificado em indicadores como gastos com software de computador, matrículas no ensino superior e novos negócios. O Brasil tem um bom desempenho em pagamentos de propriedade intelectual e participação eletrônica; o Peru lidera em empréstimos brutos de microfinanciamento e a Costa Rica em exportação de serviços culturais e criativos.
O que a OMPI destacou neste estudo foi que Governos e empresas em muitas partes do mundo aumentaram os investimentos em

Conforme informações coletadas na Or ganização Mundial de Propriedade In telectual (OMPI), a produção científica, os gastos em pesquisa e desenvolvimento (P&D), registros de propriedade intelectual e negócios de capital de risco continuaram a crescer em 2020, com base no forte desempenho pré-crise. Notavelmente, os gastos com P&D mostraram maior resiliência durante a desaceleração econômica associada à pandemia do que em crises anteriores.
A entidade internacional que cuida da propriedade intelectual no mundo, aponta que o impacto da crise tem sido altamente desigual entre os setores, de acordo com um novo recurso do GII, o Global Innovation Tracker . As empresas com resultados que incluem software, internet e tecnologias de comunicação, hardware e indústria de equipamentos elétricos e produtos farmacêuticos e biotecnologia ampliaram seus investimentos em inovação e aumentaram seus esforços de P&D. Em contraste, as empresas em setores fortemente atingidos pelas medidas de contenção da pandemia e cujos modelos de negócios dependem de atividades pessoais – como transporte e viagens – reduziram suas despesas, mostrou o rastreador. O GII 2021 mostra que o progresso tecnológico na fronteira é bastante promissor, com o rápido desenvolvimento das vacinas COVID-19 sendo o maior exemplo.
Registre-se que o Índice Global de Inovação 2021 (GII), em sua 14 ª edição deste ano, é publicado pela Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI), em parceria com diversas instituições internacionais, a exemplo da Confederação indiana Indústria (CII), Ecopetrol (Colômbia) e Assembleia de Exportadores da Turquia (TIM). Cabe registrar que em 2021, uma Rede Acadêmica foi estabelecida para envolver universidades líderes mundiais na pesquisa do GII e apoiar a divulgação dos resultados do GII na comunidade acadêmica.
Segundo o Diretor Geral da OMPI, Daren Espiga, "O Índice de Inovação Global deste ano nos mostra que, apesar do impacto massivo da pandemia COVID-19 em vidas e meios de subsistência, muitos setores mostraram notável resiliência – especialmente aqueles que adotaram a digitalização, tecnologia e inovação". Além disso, "enquanto o mundo procura se reconstruir da pandemia, sabemos que a inovação é essencial para superar os desafios comuns que enfrentamos e para construir um futuro melhor. O Índice de Inovação Global é uma ferramenta única para orientar os formuladores de políticas e empresas na elaboração de planos para garantir que sairemos mais fortes da pandemia. "
Em sua classificação anual das economias mundiais em capacidade de inovação e produção, o GII mostra que apenas algumas economias, principalmente de alta renda, dominam consistentemente as classificações. No entanto, algumas economias de renda média selecionadas, incluindo China, Turquia, Vietnã, Índia e Filipinas, estão atualizando e mudando o cenário da inovação.
As informações da OMPI indicam que Suíça, Suécia, Estados Unidos e Reino Unido continuam a liderar o ranking de inovação e foram classificados entre os 5 primeiros nos últimos três anos. A República da Coreia junta-se ao top 5 do GII pela primeira vez em 2021, enquanto quatro outras economias asiáticas figuram no top 15: Singapura (8), China (12), Japão (13) e Hong Kong, China (14 )
Ainda segundo a entidade internacional, a América do Norte e a Europa continuam a liderar o cenário de inovação global como regiões de longe. O desempenho da inovação no Sudeste Asiático, no Leste Asiático e na Oceania foi o mais dinâmico da última década. É a única região que fecha a lacuna com os líderes.
A China ainda é a única economia de renda média que chega aos 30 primeiros lugares. Bulgária (35), Malásia (36), Turquia (41), Tailândia (43), Vietnã (44), Federação Russa (45), Índia (46), Ucrânia (49) e Montenegro (50) estão entre os 50 melhores do GII. No entanto, apenas a Turquia, o Vietnã, a Índia e as Filipinas estão sistematicamente se recuperando. Além da China, essas economias maiores têm o potencial de mudar o cenário global de inovação para sempre.
Estudos da OMPI revelam que, embora as economias emergentes muitas vezes encontrem um desafio para melhorar de forma constante seus sistemas de inovação, algumas economias de renda média conseguiram alcançar a inovação com seus pares mais desenvolvidos. De acordo com a OMPI, essas economias emergentes, entre outras coisas, foram capazes de complementar com sucesso sua inovação doméstica com transferência de tecnologia internacional, desenvolver serviços tecnologicamente dinâmicos que podem ser comercializados internacionalmente e, em última instância, moldaram sistemas de inovação mais equilibrados.
Na América Latina e Caribe, o Chile (53) ocupa o primeiro lugar na região, seguido do México (55) e da Costa Rica (56). Apenas Chile , México , Costa Rica e Brasil (57) estão entre os 60 primeiros. México à parte, poucos subiram de forma consistente nos últimos 10 anos. Onze economias da região sobem na classificação, com Argentina (73), Paraguai (88) e Equador (91) fazendo o maior progresso. O Brasil sobe 5 posições e atinge sua melhor classificação desde 2012; e junto com o Peru (71), superou em inovação pela primeira vez. O Brasil também hospeda o único cluster de ciência e tecnologia da América Latina entre os 100 primeiros, com São Paulo na 66ª posição.
O Chile tem o sistema de inovação mais equilibrado, bem classificado em indicadores como gastos com software de computador, matrículas no ensino superior e novos negócios. O Brasil tem um bom desempenho em pagamentos de propriedade intelectual e participação eletrônica; o Peru lidera em empréstimos brutos de microfinanciamento e a Costa Rica em exportação de serviços culturais e criativos.
O que a OMPI destacou neste estudo foi que Governos e empresas em muitas partes do mundo aumentaram os investimentos em

 

**PUBLICIDADE



Capa do dia
Capa do dia



**PUBLICIDADE


**PUBLICIDADE